Plano Aquarela pretende gerar U$ 17,6 bi em divisas do turismo até 2020

14 de abril de 2010

Foi apresentado na manhã da última terça-feira , 13, para secretários do Turismo e representantes de 37 municípios cearenses, o Plano Aquarela 2020 define metas e parâmetros para o fomento da indústria do turismo no Brasil. Esta versão do programa foca nos grandes eventos esportivos desta década: a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. O objetivo deste projeto é disseminar as informações sobre promoção internacional e incorporar as políticas de cada estado.

 

As metas do Plano Aquarela são aumentar o fluxo em 113%, chegando a 11,1 milhões de visitantes estrangeiros no final da próxima década; incrementar a renda gerada pelo turismo em 304%, atingindo a marca de U$ 17, 6 bilhões em gastos dos turistas estrangeiros; atrair 500 mil turistas no Brasil, para a Copa e 380 mil para o Rio de Janeiro durantes as Olimpíadas e manter um crescimento sustentado de, no mínimo, 1 ponto percentual acima do crescimento da América do Sul.

 

Segundo o secretário do Turismo, Bismarck Maia, o Plano Aquarela adequa a promoção individual dos estados à parâmetros maiores de melhoria da imagem do Brasil. “A Embratur orienta os estados para a promoção, que pressupõe estudos, pesquisas de demandas definidas em plano estratégico. Cabe aos estados obedecer a estes critérios de desenvolvimento”, afirma.

 

Para a diretora interina de Produtos e Destinos da Embratur (Empresa Brasileira de Turismo), Patrícia Fernandes, que coordenou a apresentação, estes eventos de grande porte “não devem ser vistos como os salvadores do turismo, não o são. Vão sim impulsionar, temos que aproveitar a visibilidade que o Brasil vai ter com esses eventos”. Patrícia informou ainda que as verbas previstas para promoção internacional em 2010 somam R$ 130 milhões.

 

14.04.2010

Assessoria de Imprensa da Setur 

Carmen Inês / Tunay Peixoto (carmeninesm@hotmail.com / 85 3101.4654)