Adutora de Santa Quitéria: divulgado vencedor da licitação

31 de Maio de 2010

O Governo do Ceará, através da Central de Licitações, órgão ligado à Procuradoria Geral do Estado (PGE), divulgou nesta segunda-feira (31), o resultado do processo licitatório, tipo menor preço, para a construção da Adutora de Santa Quitéria. A obra com 52 quilômetros de extensão levará água do Açude Edson Queiroz até a mina de Itataia, em Santa Quitéria, no Sertão Central. O vencedor foi o Consórcio Águas de Itataia formado pelas empresas: Construtora Beta S/A, Engexata Engenharia Ltda e Trana Construções Ltda. O valor da obra é de R$ 65,6 milhões, investimento garantido no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) com a contrapartida do Estado.

 

Concluída a Fase de Propostas Comerciais, a Central de Licitações fará o envio do processo para a Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH), que homologará e contratará as empresas escolhidas. Na sequência será dada a ordem de serviço para o início das obras. O prazo estimado para a conclusão do equipamento é de 360 dias. Para funcionar a Usina, necessita de um volume de mil metros cúbicos de água por hora.

 

Além da adutora, está prevista a instalação de uma linhão de 69 KVA, com extensão de 50 quilômetros, para levar energia elétrica até a jazida, além da construção de 17 quilômetros de estradas para viabilizar o escoamento do minério, do urânio e do fosfato, a serem extraídos de Itataia. Também está planejada a construção de uma estrada de ferro, interligada à Transnordestina, que facilitará esse escoamento de produtos.

 

Classificação

Além do Consórcio Águas de Itataia, primeiro lugar na licitação, a EMSA – Empresa Sul Americana de Montagens S/A e o Consórcio Telar-Codrasa, formado pelas empresas Telar Engenharia e Comércio Ltda e Codrasa Construtora S/A também foram classificadas no certame com o segundo e terceiro lugares respectivamente.

A Usina

A Usina de Itataia produzirá fosfato e urânio. O fosfato, com previsão de 240 mil toneladas anuais, será utilizado para fertilizantes, onde o Brasil importa 90% do total consumido. Já o urânio, com produção estimada em 1.600 toneladas anuais, será utilizado pela usina nuclear Angra 3. Itataia concentra a maior jazida de urânio do País. A Construtora Galvani, de São Paulo, vai a exploração do fosfato, retirando o urânio para que seja beneficiado pela Indústrias Nucleares Brasileiras (INB).

 

31.05.2010

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

Casa Civil (comunicacao@casacivil.ce.gov.br/ 3101.6247)