Nutec orienta sobre boa manipulação dos alimentos

10 de junho de 2010

Uma ameaça à saúde do brasileiro está indo à mesa e servida nas refeições: alimentos com excesso de defensivos agrícolas – agrotóxicos (produtos utilizados para combater as pragas, como insetos e fungos, que atacam lavouras e plantações) e outros tipos de venenos proibidos. Resíduos de agrotóxicos em frutas e verduras são permitidos, mas dentro de uma quantidade recomendada pela Organização Mundial de Saúde. Se respeitada, eles não fazem mal quando ingeridos. O perigo está nos excessos e no uso de produtos proibidos.

 

O Brasil é o segundo maior consumidor de defensivos agrícolas do mundo, perdendo somente para os Estados Unidos. O índice de contaminação é maior em frutas, como morangos e pêssegos, e em hortaliças, como o alface. No Ceará, o principal vilão é o pimentão, onde foi encontrado o maior índice de agrotóxicos, em recente pesquisa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa).

 

Preocupada com a recente discussão sobre o tema, a Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec) destina algumas orientações para a sociedade se proteger da forma mais adequada.  A melhor dica envolve água e detergente neutro. Nada melhor que lavar bem os alimentos em água corrente. “É preciso lavar bem as frutas, legumes e verduras com água corrente e deixar em repouso em solução de água com hipoclorito de sódio, o cloro. E, sempre quando for manipular alimentos, as mãos devem estar bem lavadas”, explica a Mestre em Tecnologia de Alimentos do Nutec, Olinda Timbó.

 

A tecnóloga em alimentos adverte que também é necessário lavar com água e sabão as embalagens dos alimentos – latas, caixas, potes, vidros, além de verificar o seu estado, se está amassada, perfurada ou se existe vazamento. “Quando a embalagem apresenta alguma imperfeição, pode gerar algum foco de contaminação. Já as frutas, verduras e legumes, sempre é bom checar se não existe algum foco de mofo, analisar bem a aparência do alimento”, esclarece Olinda.

 

Outra preocupação que se deve ter é quanto ao armazenamento dos alimentos. Os alimentos perecíveis, como carne e queijo, devem ficar na parte superior da geladeira, enquanto os alimentos semiperecíveis, como frutas e verduras, podem ficar na parte inferior. “É importante verificar ainda o prazo de validade, tanto para a embalagem fechada, quanto para a embalagem aberta. Quando a embalagem for aberta, o produto deve ser armazenado em um outro utensílio para ser posto na geladeira”, destaca a tecnóloga.

 

Quanto ao modo como reduzir a quantidade de agrotóxicos nos alimentos, Olinda afirma que ainda a melhor forma do consumidor se proteger é saber a procedência do produto. “Como há a utilização de agrotóxicos em excesso, o que pode trazer alguns males a saúde quando ingerido, então o consumidor precisa saber de onde o alimento vem, ou a alternativa é utilizar alimentos orgânicos”, conclui.

 

Segundo estudos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ, a grande arma contra os agrotóxicos é o bicarbonato de sódio. Após lavar o alimento em água corrente e deixar de molho na solução de água com hipoclorito de sódio (cloro, pode também ser usado vinagre ou água sanitária), lavam-se novamente os alimentos em uma solução de água com bicarbonato de sódio, deixando de molho de 20 a 30 minutos. De acordo com os técnicos da UERJ, o bicarbonato reduz de 80% a 90% a quantidade de agrotóxicos.

 

Outras orientações

 

Alimentos como frutas, legumes e hortaliças devem ser higienizados, tendo em vista que esses podem ser consumidos crus. A correta higienização elimina os micróbios patogênicos e os parasitas.

 

Para higienização de hortaliças, frutas e legumes:

 

1) Selecionar, retirando as folhas, partes e unidades deterioradas;

2) Lave em água corrente os vegetais folhosos (alface, escarola, rúcula, agrião, etc.) folha a folha, e as frutas e legumes um a um;

3) Colocar de molho por 10 minutos em água clorada, utilizando produto adequado para este fim (ler o rótulo da embalagem), na diluição de 200 ppm (1 colher de sopa para 1 litro);

4) Fazer o corte dos alimentos para a montagem dos pratos com as mãos e utensílios bem lavados;

5) Manter sob refrigeração até à hora de servir.

 

10.06.2010

Assessoria de Imprensa da Arce

Raquel Souza (asscom@nutec.ce.gov.br / 85 3101.7324)