Seminário esclarece sobre doença falciforme

29 de junho de 2010

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) transmite nestaquarta-feira (dia 30), entre 10 horas e 12 horas, o seminário eletrônicode Comemoração dos 100 anos do Primeiro Relato Científico da Doença Falciforme,no auditório do Hemoce, na sede da Avenida José Bastos, número 3390, RodolfoTeófilo, em Fortaleza. A promoção é do Ministério da Saúde, através da PolíticaNacional de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme. Na oportunidade,através de vídeo conferência, será possível acompanhar a cerimônia nacional delançamento da campanha, transmitida através da internet no telão do auditóriodo Hemoce, assim como discutir a situação atual da assistência, avanços edificuldades na atenção às pessoas com doença falciforme no Ceará.

 

Recentemente, o Hemoce foi instituído pelo Governo do Ceará, através da portaria nº 675 de 2010, publicada no Diário Oficial do Estado, como responsável pela coordenação do Programa Estadual de Atenção Integral às Pessoas com DoençasFalciformes e Outras Hemoglobinopatias. Através do decreto, o serviço, ligado aoSistema Único de Saúde – SUS, será oferecido a pacientes acima de 18 anos deidade por toda a hemorrede cearense. A parceria com o Hospital Infantil AlbertSabin (HIAS) permite o atendimento também aos menores de 18 anos, na referidaunidade.

 

Com a Campanha dos 100 anos do Primeiro Relato Científico da Doença Falciforme,o Ministério da Saúde prevê uma série de ações, a serem desenvolvidas no país,voltadas para a população afrodescendente. No Ceará, está sendo preparado peloHemoce o VI Simpósio Brasileiro de Doenças Falciformes e Outras Hemoglobinopatias, previsto para outubro de 2011 e que será lançado um anoantes de sua realização, no Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da PopulaçãoNegra, comemorado em 27 de outubro de 2010.

 

A doença falciforme é uma das doenças genéticas mais comuns no mundo, causadapela mutação no gene que produz a hemoglobina. Essa mutação teve origem nocontinente africano e pode ser encontrada nas populações de várias partes domundo. No Brasil, devido ao grande contingente de população com ascendênciaafricana, a doença falciforme faz parte de um grupo de doenças e agravosrelevantes que afetam a população negra. Há 100 anos, foi conhecido o primeirorelato científico da doença falciforme e, há cinco anos, o Ministério da Saúde,atendendo a uma antiga reivindicação do movimento de homens e mulheres negras,iniciou um trabalho de implementação das ações da Política Nacional de AtençãoIntegral às Pessoas com Doença Falciforme.

 

29.06.2010

Assessora de Comunicação do Hemoce

Sabrina Lima (sabrina.lima@hemoce.ce.gov.br / 85 3101.2308)