Hospital Albert Sabin mobiliza famílias para Operação Sorriso

3 de agosto de 2010

O Hospital Infantil Albert Sabin, que já realiza há três anos cerca de 60 cirurgias gratuitas por mês de fissuras labiopalatinas (lábio leporino), está recebendo entre os dias 30 de agosto e 7 de setembro a edição 2010 da Operação Sorriso do Brasil. Este ano, além das crianças de Fortaleza, Região Metropolitana e municípios vizinhos, serão atendidos também os pacientes da Região do Cariri.

No ano passado a ação no Hospital Infantil Albert Sabin aconteceu de 1 a 8 de setembro e superou a edição de 2008 em quantidade de crianças operadas. Foram 110 cirurgias, 14 a mais do que em 2008. Desde o início do mutirão, em 1997, já foram realizadas mais de 3.000 cirurgias em diversos estados brasileiros. Somente no Ceará, 1.300 cirurgias de lábio leporino.

Em junho deste ano, o Albert Sabin promoveu um mutirão para a correção de lábio leporino em 22 crianças que participaram da Operação Sorriso do ano passado. “Dependendo do caso, algumas crianças precisam de mais de duas cirurgias para a reconstrução do palato e céu da boca”, explica Evelin Gondim, chefe do ambulatório do Hospital Infantil Albert Sabin e coordenadora estadual da ação.

Atualmente, a Organização Mundial da Saúde aponta 300 mil casos de brasileiros portadores de fissuras labiopalatinas no território nacional – 1 a cada 650 crianças nascidas no Brasil. O lábio fissurado e/ou a fenda palatina são aberturas no lábio, palato ou tecido mole da parte posterior da boca. A causa exata desse problema ainda é desconhecida, mas esse é um defeito congênito em uma etapa inicial do desenvolvimento do embrião. A operação é relativamente rápida. Em média uma cirurgia no lábio demora em torno de 45 minutos e na manhã após a cirurgia o paciente está liberado para retornar para casa.

As consequências da fissura lábio-palatal na vida de uma criança vão além da estética. Podem causar problemas auditivos, infecções crônicas, má nutrição, má formação da dentição e dificuldades no desenvolvimento da fala. Frequentemente ocorre abandono escolar, baixa da autoestima e também problemas psicológicos.

 

03.08.2010

Assessoria de Imprensa da Sesa:

Selma Oliveira (soliveira@saude.ce.gov.br – 85.3101.5220)