Caminhão-museu do Patativa encerra suas atividades em visita a São Paulo, Rio e Brasília

14 de outubro de 2010

Após dois anos de atividades no Ceará, o caminhão-museu do projeto “Patativa Encanta em Todo Canto” realiza três últimas viagens, levando a obra de patativa à SP, RJ e DF. Em Brasília será lançado no Congresso Nacional o livro “Patativa do Assaré – Poeta Universal” do senador Inácio Arruda.

 

O caminhão-museu chegou a São Paulo no último dia 11, recebendo o público no Centro de Tradições Nordestinas. De lá segue para o Rio de Janeiro, onde permanece até sábado (16) na feira de São Cristóvão. Por fim, vai a Brasília, permanecendo do dia 19 a 21 de outubro, na Casa do Ceará e Congresso Nacional. Criado em 2009 para as comemorações dos 100 anos de Patativa do Assaré, o caminhão-museu percorreu todas as regiões do Ceará, realizando 82 visitas. Em cada município, o caminhão baú passa cerca de dois dias aberto a população para visitas gratuitas, com mostras de livros, filmes, fotografias e informações sobre o poeta.

 

Em São Paulo, o caminhão recebeu o público no Centro de Tradições Nordestinas. Além de visitar as exposições, o público paulista teve a oportunidade de conhecer o filho do poeta, João Batista Gonçalves, que recitou diversas poesias do pai. Na ocasião, João Batista inaugurou um busto do poeta, feito pelo artista plástico Murilo de Sá Toledo, que passa a fazer parte do cenário do CTN. O dia também contou com apresentação do violeiro de Mauriti, Evanildo Pereira, e do escrito Cláudio Henrique Sales Andrade, autor do livro “Patativa do Assaré, as razões da emoção”.

 

Nesta quinta-feira, 14, é a vez do Rio de Janeiro receber o caminhão, que ficará aberto à visitação até o dia 16 no Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas, mais conhecido como Feira de São Cristóvão, e que é o reduto da cultura nordestina no Rio. Lá, os cantadores, violeiros e poetas que frequentam o local serão convidados a se apresentar no espaço montado ao lado do caminhão para apresentações culturais.

 

Lançamento – Em Brasília, o caminhão permanece nos dias 19 e 20 na Casa do Ceará, aberto à visitação e apresentação dos artistas locais, e encerra a viagem no dia 21, quando vai ao Congresso Nacional para receber a visita de senadores, deputados federais e demais público. Na ocasião, o senador cearense Inácio Arruda lança seu livro “Patativa do Assaré – Poeta Universal”, que traz uma coletânea de artigos escritos por estudiosos da obra de Patativa e organizados pelo senador.

 

O Projeto – Patativa do Assaré Encanta em Todo Canto é uma realização do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura, com promoção da Fundação Memorial Patativa do Assaré. No caminhão adaptado, a população tem acesso gratuito a linha cronológica da vida e obra de Patativa do Assaré, a exposição “Patativa do Assaré – Poeta Cidadão” com painéis e fotografias, a discografia, a bibliografia e a filmografia completa, além de todas as obras que se debruçaram sobre a vida do poeta de Assaré.

 

Um palco também é armado ao lado do caminhão para apresentações espontâneas do lado externo. Ali, repentistas, trovadores e interessados podem prestar suas homenagens e promover apresentações da cultura popular. Do lado externo também serão exibidos em telão alguns filmes sobre o Pássaro Poeta, alcunha de Patativa, como o documentário “Ave Poesia”, de Rosemberg Cariry e a animação “Patativa”, de Ítalo Maia.

 

Por entender que a obra de Patativa pode ser utilizada como ferramenta de reflexão, formação e valorização do povo cearense, o professor Cândido B. C. Neto, coordenador de Ação Cultural da Secretaria da Cultura do Estado, explica o projeto de democratização e salvaguarda do nosso patrimônio imaterial. “O Patativa é um desafio atravessando as gerações, sem os hábitos estéticos da civilização urbana, ele permanece com uma produção rural, universalizada, na escola itinerante da vida. Nada mais salutar do que celebrar seu centenário perto das pessoas”, afirma.

 

Quem é – Antônio Gonçalves da Silva, Patativa do Assaré, nasceu a 5 de março de 1909 na Serra de Santana, pequena propriedade rural, no município de Assaré, no Sul do Ceará. Foi casado com D. Belinha e teve nove filhos. Dedicou sua vida a cultura, destacando-se como compositor, improvisador e poeta. Publicou Inspiração Nordestina, em 1956, Cantos de Patativa, em 1966. Em 1970, Figueiredo Filho publicou seus poemas comentados Patativa do Assaré.

 

Tem inúmeros folhetos de cordel e poemas publicados em revistas e jornais. Está sendo estudado na Sorbonne, na cadeira da Literatura Popular Universal, sob a regência do Professor Raymond Cantel. Patativa do Assaré era unanimidade no papel de poeta mais popular do Brasil. Para chegar onde chegou, tinha uma receita prosaica: dizia que para ser poeta não era preciso ser professor. ‘Basta, no mês de maio, recolher um poema em cada flor brotada nas árvores do seu sertão’, declamava.

 

Sugestão de entrevista:

Cândido B.C. Neto: 8878.8999

 

14.10.2010

 

Assessoria de Imprensa da Secult

Bianca Felippsen (bianca@secult.ce.gov.br – 85 3101.6761/ 8878.8805)