Rio Maranguapinho: mais famílias são retiradas das áreas de risco

11 de fevereiro de 2011

O secretário das Cidades, Camilo Santana, acompanhou na manhã desta sexta-feira (11), em Fortaleza, a demolição de mais de 150 casas que estavam situadas em áreas consideradas de risco, nas margens do Rio Maranguapinho. Outras 138 famílias já aguardam a conclusão da construção do conjunto habitacional Juraci Magalhães para serem removidas. De acordo com o secretário, o projeto Rio Maranguapinho, compreende uma faixa de 23 quilômetros e beneficiará um total de 9.500 famílias. “Estamos trabalhando de forma a garantir condições ideais de moradia para essas famílias”, assegurou. Também acompanharam os trabalhos os secretários Eugênio Rabelo (Adjunsto) e Sérgio Barbosa (Executivo).

 

 

Durante a visita às áreas, o titular da pasta também solicitou que os moradores que ainda estão na área formem uma comissão de acompanhamento e fiscalização das obras dos conjuntos habitacionais para onde serão reassentados. “Nem todas as famílias decidem por remoção. Algumas preferem a indenização ou ainda a permuta”, explica Camilo Santana. O secretário também acrescenta que há a preocupação do Estado em colocar em prática trabalhos sociais com as comunidades reassentadas. Para isso, segundo Camilo, estão sendo investidos R$ 6 milhões. “São investimentos do Governo exclusivos para educação sanitária e ambiental, geração de emprego e renda, e mobilização e organização comunitária”, afirma.

 

 

Segundo Camilo Santana, o trecho assegurado com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC I ) deverá ficar concluído em dezembro de 2012. Ele também lembrou a parceria com a Prefeitura de Fortaleza no trabalho de monitoramento das áreas de risco e na fiscalização para que as áreas desocupadas não voltem a ser habitadas.

 

 

O Projeto do Rio Maranguapinho é considerado a maior intervenção urbana do Ceará, que prevê a construção de 13 conjuntos habitacionais e está dividido em três trechos. O investimento total é de aproximadamente R$ 500 milhões. O 1º trecho vai da Av. Mister Hull até a Av. Fernandes Távora e removeu mais de 700 famílias para os conjuntos habitacionais já entregues pelo estado, Leonal Brizola e Dom Helder Câmara. No segundo trecho serão removidas 5.403 famílias. Pouco mais de 100 foram deslocadas para a 2ª etapa do conjunto Leonel Brizola. Outra parte será reassentada nos conjuntos Miguel Arraes e Rachel de Queiroz, no Canindezinho. Ele parte da Av. Fernandes Távora até a Av. Osório de Paiva. O trecho III segue da Av. Osório de Paiva até a Av. Jardim Fluminense. Serão 1.983 na margem esquerdo do rio e mais 1.233 famílias na margem direita.

 

 

Além dos conjuntos residencias, o Projeto Rio Maranguapinho inclui a construção de um Parque Urbano, que contará com quadras esportivas, pista de skate, pista de cooper e outros equipamentos esportivos e sociais.

 

11.02.2011

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

Casa Civil (comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 8878.8462)