Sesa orienta sobre cuidados com as doenças relacionada às chuvas

11 de fevereiro de 2011

As doenças se manifestam a qualquer tempo, não escolhem momento para tirar a saúde e comprometer a qualidade de vida. Há períodos, porém, em que as condições climáticas e ambientais favorecem a ocorrência de surtos de determinadas enfermidades. Na época das chuvas, como a que o Ceará atravessa agora e deve ir até final de maio, é comum o aparecimento na população de doenças respiratórias, diarreicas e infecciosas, como leptospirose e hepatite. Nesse período de chuvas, a população fica mais vulnerável às doenças de veiculação hídrica – aquelas transmitidas pela água contaminada por vírus, bactérias e outros agentes infecciosos.

 

Mesmo a dengue, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que não é doença de transmissão hídrica, faz mais vítimas no período das chuvas. Isso porque o ovo do mosquito, que resiste até um ano em ambiente seco, eclode em água parada, empoçada, acumulada em recipientes ou armazenada, situação mais frequente com a ocorrência de chuvas. Para evitar essas doenças, a melhor atitude é a prevenção e, para prevenir, é preciso rigor nos cuidados ambientais e nos hábitos saudáveis para que essas enfermidades não se manifestem em grande escala. A Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde da Secretaria da Saúde do Estado (Coprom) faz recomendações simples individuais, como lavar as mãos, e coletivas, como não jogar lixo nas ruas, mas que podem evitar doenças.

 

Cuidados pessoais

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete

– Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com lenço descartável

– Não compartilhar alimentos, copos, toalhas, talheres e objetos de uso pessoal

– Evitar o contato direto com a água ou a lama durante e após a chuva; usar botas e luvas de borracha ou sacos plásticos sobre os pés e mãos.

 

Cuidados domésticos

– Não deixar acumular lixo em casa e acondicioná-lo em sacos fechados e longe do chão para evitar a proliferação de ratos

– Eliminar todos os pontos de acúmulo de água após as chuvas por causa da multiplicação do mosquito da dengue

– Lavar e desinfetar com água sanitária o chão, móveis, utensílios domésticos e a caixa d’água (200 ml de água sanitária para 20 litros de água)

– Proteger a caixa d’água, potes e quartinhas com tela e touca para evitar a entrada do mosquito;

 

Cuidados ambientais

– Não jogar lixo caseiro nos rios e córregos, limpar e não desmatar os leitos dos rios e manter sempre o terreno limpo;

– Limpar os quintais e a desobstrução dos canais pluviais no entorno das residências.

 

Doenças relacionadas às chuvas

– Leptospirose: é transmitida por meio da água contaminada pela urina de ratos.

– Hepatite: doença virótica, de transmissão oral-fecal, que atinge as pessoas através de alimentos, água e utensílios contaminados, como tesouras, alicates.

– Rotavírus: doença diarreica aguda causada por vírus transmitidos pela via fecal-oral, por contato pessoa a pessoa, através de água e alimentos contaminados, por objetos contaminados e provavelmente por propagação aérea, via aerossóis.

– Dengue: Doença febril aguda, é a mais importante arbovirose que afeta o ser humano. É um sério problema de saúde pública no mundo. Ocorre e dissemina-se especialmente nos países tropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti, principal mosquito vetor.

 

11.02.2011

Assessoria de Imprensa da Sesa

Selma Oliveira (85 3101.5220)