Drogas: Centro para Formação de Profissionais da Saúde será inaugurado terça-feira (05)

4 de julho de 2011

O Centro Regional de Referência para a Formação dos Profissionais das Redes de Atenção à Saúde aos Usuários de Crack e Outras Drogas no Ceará será inaugurado nesta terça-feira (05). A solenidade contará com a presença do Diretor de Projetos Estratégicos e Assuntos Internacionais da Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas da Presidência da República, Vladimir Stempliuk, que na oportunidade vai proferir palestra sobre o tema “A Importância dos Centros Regionais de Referência no Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas”. O evento é aberto ao público e destinado especialmente a gestores, profissionais de saúde e da assistência social, professores, alunos e demais interessados no tema dependência química.

 

Destinados a médicos da Estratégia de Saúde da Família e dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família, profissionais que atuam em Hospitais Gerais, profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e dos Centros de Referência Especializados de assistência Social (CREAS), além de agentes comunitários de saúde, os cursos do Centro Regional terão seleção ainda em julho, em processo simplificado coordenado pela Escola de Saúde Pública (ESP-CE).

A inauguração do Centro é resultado de um projeto desenvolvido pela ESP-CE e conta com o apoio da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), através da Coordenadoria de Políticas e Atenção à Saúde e do Hospital de Saúde Mental de Messejana. Esse projeto foi aprovado pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas da Presidência da República (SENAD), com o objetivo desenvolver uma experiência que promova a formação permanente de profissionais das redes de atenção integral à saúde e assistência social com usuários de crack e outras drogas e seus familiares, em três pólos formadores – região do Cariri, região Norte e área do Sertão Central. Fortaleza e Região Metropolitana serão atendidas por dois outros projetos aprovados pela Universidade Estadual do Ceará (Uece). 

 

O elevado consumo de crack no Brasil e o avanço do número de usuários no Ceará são motivos de grande preocupação das autoridades de saúde. Dados da Central Única das Favelas estimam que no País são cerca de 1,2 milhão de usuários, sendo 100 mil somente no Ceará. Destes, 30 mil têm entre 12 e 29 anos. 

 

Embora o número de serviços de atendimento aos usuários de drogas tenha crescido nas últimas décadas – de 1993 até 2010 foram cadastrados 99 Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) no estado, o que reflete na cobertura acima de 0,80 CAPS/100.000 habitantes – existe carência de profissionais adequadamente preparados para os desafios da atenção integral.

 

Atividades do Centro

 

A Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE) integra a Rede Estadual de Saúde e tem se voltado para as temáticas relacionadas à Saúde Mental. Cursos de capacitação e especialização em Saúde Mental oferecidos pela ESP mostraram a necessidade de se ampliar a formação dos profissionais para o combate ao uso de drogas, observando-se lacuna maior no interior do Estado.

 

Quatro cursos foram concebidos para públicos distintos: Médicos da ESF e dos Núcleos de Assistência à Saúde da Família (120 h); Profissionais dos Hospitais Gerais e Profissionais das Redes SUS e SUAS (60 h). Ao final da experiência espera-se capacitar 180 profissionais nesses três pólos.

 

Quanto aos agentes comunitários de saúde (ACS), a ESP CE tem a proposta de ampliar as 120 vagas propostas pela SENAD para 300 vagas. Nesse caso, em especial, as aulas serão desenvolvidas em cada um dos 10 (dez) municípios cearenses que preenchem os critérios estabelecidos. 

 

As atividades do Centro Regional de Referência na Formação de Profissionais para a Rede de Atenção Psicossocial, Crack e outras Drogas do Estado do Ceará compõem as atividades do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, uma estratégia interministerial, lançada sob a coordenação da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas e Ministério da Saúde.

 

Além dos leitos, está prevista a ampliação dos serviços de atenção aos usuários de crack e outras drogas e a qualificação de toda a rede integral para assistência aos usuários no país. O investimento total para estruturar e qualificar a rede de atenção está previsto em R$ 140,9 milhões do Ministério da Saúde e da SENAD.

 

As medidas estão permitindo intensificar as ações de prevenção do problema, ações de tratamento dos dependentes e ações de combate ao tráfico de drogas. Dos 6.120 leitos previstos, 3.620 serão destinados à rede pública de atenção à saúde – em hospitais, Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD) e em Casas de Acolhimento Transitório. Os outros 2.500 leitos serão destinados ao acolhimento em Comunidades Terapêuticas, que se encarregam de acolher, em regime de residência, pessoas com transtornos decorrentes do uso ou abuso de crack e outras drogas, sem comprometimento clínico grave.

 

Instituído em maio de 2010, o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas é composto de ações de aplicação imediata e ações estruturantes. Entre as ações imediatas, destacam-se aquelas voltadas para o enfrentamento ao tráfico de drogas em todo o território nacional, principalmente nos municípios localizados em regiões de fronteira e a realização de uma campanha permanente de mobilização nacional para estimular o engajamento ao plano.

 

Já as ações estruturantes organizam-se em torno de quatro eixos: integração de ações de prevenção, tratamento e reinserção social; diagnóstico da situação sobre o consumo do crack e suas consequências; campanha permanente de mobilização, informação e orientação; e formação de recursos humanos e desenvolvimento de metodologias. Ao todo, o Governo Federal prevê a destinação de R$ 409 milhões para a execução do plano.

 

04.06.2011

Assessoria de Imprensa da ESP-CE

Clarisse Cavalcante / Marcos Saudade (ascom@esp.gov.br / 85 3101.1412)

Twitter: twitter.com/espce