Mães do Interior do Estado também podem doar leite materno

6 de setembro de 2011

As mães de cidades do Interior como Baturité, Canindé, Cascavel, Sobral, Crateús, Itapipoca e Barbalha também podem doar leite materno. Basta entrar em contato com o hospital responsável pelas coletas nessas cidades e fazer a doação. Assim, os bebês que estão internados em Unidades de Terapia Intensiva tanto no interior quanto na capital, poderão se recuperar mais rapidamente, diminuindo pela metade o tempo de internação.

 

O Hospital Geral Dr. César Cals, Unidade da Secretaria da Saúde do Estado, possui o banco de leite referência em todo estado. Além de ser responsável pela pasteurização do próprio leite, o  HGCC também cuida do leite de maternidades de Fortaleza e de algumas maternidades do interior do estado. Atualmente, são seis bancos de leite em todo Ceará: Hospital Geral de Fortaleza, Hospital Geral Dr. César Cals, Hospital Infantil Albert Sabin, Maternidade Escola Assis Chateaubriand e ainda nas cidades de Barbalha, Quixadá e Maracanaú.

 

De acordo com Maria de Lourdes Moura, farmacêutica bioquímica do banco de leite do HGCC, semanalmente chega leite humano do interior. Esse leite passa por todo um processo que verifica o odor, impurezas, a qualidade do leite, o teor de gordura, a acidez, terminado na pasteurização. Ela ressalta ainda a importância de identificar com a data de pasteurização cada frasco. Após esse processo, o leite pasteurizado pode ser consumido até seis meses, desde que seja armazenado adequadamente. Ao final dessa etapa, o leite é enviado de volta à cidade de origem para os bebês da UTI.

 

Mas para que tudo isso aconteça, é preciso que  o leite seja bem cuidado e armazenado. A embalagem correta para guardar o leite tanto em casa, como nos próprios bancos de leite é o vidro de maionese ou café solúvel, com tampa plástica, sem o protetor interno, e nunca encher totalmente o frasco. Enquanto estiver na casa da doadora, o leite deve permanecer no congelador. “Jamais deve-se armazenar em qualquer embalagem, como garrafas plásticas de suco, vidros de azeitona, entre outros”, ressalta Maria de Lourdes.

Para mais informações, esclarecimentos e tirar as principais dúvidas, o banco de  leite humano do HGCC conta com uma linha direta e gratuita, pela qual as enfermeiras , técnicas e auxiliares de enfermagem prestam atendimento, além de transmitirem dicas e recomendações sobre aleitamento materno. É só ligar para o número 0800 286 5678. Qualquer pessoa pode ligar e o funcionamento do banco vai de 7 horas da manhã às 19 horas, todos os dias da semana, inclusive feriados.

Benefícios do leite materno  – O leite materno contém todas as proteínas, açúcares, gorduras e vitaminas que o bebê necessita para ser saudável e protege ainda de doenças como otites, alergias, vômitos, diarreia, pneumonias, bronquiolites e meningites. Melhora ainda o desenvolvimento mental do bebê, da formação da boca e do alinhamento dos dentes, além de ser mais facilmente digerido do que o leite em pó.

 

Até seis meses de idade, os bebês não precisam de quaisquer outros alimentos que não seja o leite humano, nem mesmo água. Após essa idade, deverá ser dada alimentação complementar apropriada, mas a amamentação deve continuar até o segundo ano de vida da criança ou mais.

 

06.09.2011

Assessoria de Imprensa do HGCC
Wescley Jorge (85 3101 5422 / 310.5357 e 88287463 / ascom@hgcc.ce.gov.br)