Perfil da segurança alimentar no Ceará será divulgado nesta terça-feira (20)

20 de setembro de 2011

Em todas as regiões do Brasil houve uma redução no nível de Insegurança Alimentar (IA) da população, o que fez com que o país atingisse, em 2009, um percentual de 30,25% de domicílios com algum caso registrado de IA, contra os 34,91% de 2004. O Ceará também apresentou, no mesmo período, resultado positivo, com decréscimo no nível de IA, embora o índice seja ainda elevado em relação a outras Unidades da Federação, sobretudo das regiões Sul e Sudeste. Entre 2004/2009, mais de 500 mil pessoas deixaram à zona de insegurança alimentar no Estado.

 

Os dados completos sobre assunto estão no Ipece/Informe nº 18, que tem como título “Perfil da Segurança Alimentar no Estado do Ceará – Análise dos dados do suplemento especial de segurança alimentar da PNAD para os anos de 2004 e 2009”. O estudo, elaborado pelo do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) – órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado, em conjunto com a Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), vai ser lançado nesta terça-feira (20), às 14 horas, no auditório do prédio da Seplag (3º andar), no Centro Administrativo Governador Virgílio Távora, no bairro Cambeba.

 

Além dos dados do estudo do Ipece, também vai ser abordada a questão (políticas públicas) que levou a redução dos índices de Insegurança Alimentar mo Brasil, sobretudo no Ceará. O lançamento do IPECE/Informe contará com as presenças dos secretários de Planejamento, Eduardo Diogo, e do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), Evandro Sá Barreto Leitão, bem como do professor Flávio Ataliba, diretor Geral do Ipece, e de Francisco José Tabosa, do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do Ceará (Consea/Ce), dentre outros.

 

A questão da segurança alimentar (SA) é um dos temas de grande relevância para nortear as políticas sociais no enfrentamento da pobreza. Esse conceito – observa o professor Flávio Ataliba, diretor Geral do IPECE – pode ser entendido como a situação em que um indivíduo exerce plenamente o seu direito de ter acesso a uma alimentação em quantidade e qualidade adequadas e de forma permanente. O contrário disso é a situação de insegurança alimentar. A SA – frisa – está intimamente relacionada à situação de pobreza pelas restrições que a insuficiência de renda impõe ao acesso a alimentos.

 

Informe

O Ipece/Informe nº 18 está dividido em seis seções: a primeira é a  introdução; a segunda apresenta a análise econômica da segurança alimentar e a importância da EBIA; a terceira e a quarta seção informam a caracterização dos domicílios particulares e permanentes e análise da caracterização dos moradores desses domicílios respectivamente quanto aos aspectos de segurança e insegurança; a quinta apresenta os desafios para o Estado na Segurança Alimentar e na última, a sexta, é composta pelas considerações finais.

 

20.09.2011

 

Assessoria de Imprensa do Ipece

Pádua Martins (padua.martins@ipece.ce.gov.br / 85 3101.3508)