Encontro mobiliza e prepara municípios para o Teste do Pezinho

17 de novembro de 2011

A Secretaria da Saúde do Estado realizará uma grande mobilização para promover a atualização técnica de gestores e profissionais de saúde dos municípios no Teste do Pezinho. O I Encontro Estadual de Triagem Neonatal será realizado nesta sexta-feira (18), das 8 horas às 17 horas, no hotel Mareiro, Avenida Beira Mar, 2380, Meireles, e reunirá 350 participantes de todos os municípios do Ceará.

A triagem neonatal, segundo define o Ministério da Saúde, é uma ação preventiva que permite fazer o diagnóstico de diversas doenças congênitas ou infecciosas, assintomáticas no período neonatal, a tempo de se interferir no curso da doença, permitindo, desta forma, a instituição do tratamento precoce específico e a diminuição ou eliminação das sequelas associadas à cada doença.

Nome popular para a triagem neonatal, o teste do pezinho é feito a partir de gotas de sangue colhidas do calcanhar do recém-nascido. Por ser uma parte do corpo rica em vasos sanguíneos, o material pode ser colhido através de uma única punção, rápida e quase indolor para o bebê. A identificação precoce dessas doenças permite evitar o aparecimento dos sintomas, através do tratamento apropriado. Por isso, a recomendação é realizar o teste imediatamente entre o terceiro e o sétimo de vida do bebê.

Lacen

Toda criança nascida em território nacional tem o direito à triagem neonatal (Teste do Pezinho). O Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN) prevê o diagnóstico de quatro doenças: hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, hemoglobinopatias e fibrose cística. Em 2010, o Ministério da Saúde autorizou o credenciamento do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), unidade da Secretaria da Saúde do Estado, como Serviço de Referência em Triagem Neonatal (SRTN) e habilitou o Estado na fase II de implantação do PNTN. O exame identifica logo no recém-nascido o traço falciforme e possibilita o início precoce do tratamento da doença na criança. A fase I do Teste do Pezinho identifica a fenilcetonúria e o hipotireoidismo. O sangue coletado dos bebês para a realização dos dois exames é encaminhado para o Laboratório Central do Estado (Lacen), que chega a analisar até 10 mil amostras por mês.

17.11.2011

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira (selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220)