Representantes do Audiovisual e Adece discutem criação de Câmara Setorial

20 de janeiro de 2012

A maior riqueza  do Ceará é o capital simbólico cultural e a criatividade do seu povo. Foi com esse argumento que o cineasta Rosemberg Cariry defendeu a criação de Câmara Setorial do Audiovisual. Representantes de diversas entidades do segmento se reuniram na tarde de hoje (19), no auditório da Adece, para discutir a proposta.

 

Recebidos pelo presidente da Adece, Roberto Smith, pelo secretário de Cultura do Estado, Francisco Pinheiro, e pela secretária da Cultura de Fortaleza, Fátima Mesquita, os participantes concordaram sobre a necessidade de criação de um fórum permanente que virá para “fortalecer essa área de grande efervescência cultural no nosso Estado”, como definiu Smith.

 

Para ele, o encontro de hoje foi primeiro passo para a fundação da Câmara, um organismo gerido pelas próprias entidades, na qual a Adece funcionará como catalizadora, dando o suporte ao encaminhamento das demandas junto ao poder público. “Dentro desse canal de debate, dirigido por vocês, se faz necessária à formatação de um planejamento estratégico, com objetivos bem definidos e ordem de prioridades”, ressaltou.

 

Na ocasião, o presidente da Associação de Produtores e Cineastas do Norte e Nordeste e diretor da Casa Amarela Eusélio de Oliveira, Wolney Oliveira falou sobre a criação da Lei 12845, que trata da criação de um Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). A Lei determina a arrecadação anual de R$ 600 milhões, destes, 30% devem ser destinados ao Norte, Nordeste e Centro-Oeste. “Precisamos estar organizados para lutar pela parte que nos cabe. Os recursos estão quicando, falta chutar para fazer o gol”, declarou.

 

CRESCIMENTO – De acordo com Rosemberg Cariry, somente nos últimos dez anos, houve um aumento de 250% no percentual de recursos aplicados em audiovisual no Brasil. As produções cearenses já são reconhecidas nacional e internacionalmente, mas ainda há um longo caminho a percorrer, diz, num Estado com 184 municípios, só dispomos de quatro cinemas, destes 90% estão na Capital.

 

Cariry revelou que as potencialidades são imensas, mas é preciso quebrar o paradigma do atraso audiovisual. “Com a criação deste instrumento valioso de interlocução, estamos inaugurando um momento novo e diferenciado na forma de encarar o audiovisual no Ceará”, finalizou.

 

Entidades presentes na reunião:

SECULT
SECULTFOR
UNIFOR
VILA DAS ARTES (PMF)
INESP (ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA)
ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES E CINEASTAS DO CEARÁ
ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES E CINEASTAS DO NORTE E NORDESTE
FÓRUM CEARENSE DO AUDIOVISUAL
ASSOCIAÇÃO CEARENSE DE CINEMA E VIDEO
CURSO DE GRADUAÇÃO EM CINEMA E AUDIOVISUAL DA UFC
SEBRAE
ESTAÇÃO LUZ FILMES
FORA DO EIXO
PROAUDIO STUDIO
CLUBE DA VIOLA
CASA AMARELA EUSÉLIO DE OLIVEIRA

 

20.01.2012

 

Assessoria de Comunicação do Cede/Adece

Jully Gomes (85) 324479.76