Copa do Mundo: 1000 trabalhadores se empenham nas obras do Castelão

8 de Fevereiro de 2012

Fortaleza mantém a liderança no ritmo de execução da obra do estádio que vai receber jogos da Copa das Confederações 2013 e da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014™. O projeto de reforma, ampliação e modernização do Estádio Plácido Aderaldo Castelo, Castelão, já alcança 56,02% de conclusão, de acordo com o último relatório do Consórcio Construtor. Um dos grandes responsáveis por esse feito é o empenho de um exército de trabalhadores que esta semana atingiu a marca de 1000 profissionais.

 

Para o secretário especial da Copa 2014, Ferruccio Feitosa, a ampliação do número de trabalhadores demonstra toda a determinação do Governo do Estado e do Consórcio Construtor, formado pelas empresas Galvão Engenharia e Andrade Mendonça, em entregar ao povo cearense o Castelão totalmente reformado e modernizado em dezembro deste ano. “Essa grande obra vai dar muito orgulho tanto aos cearenses e mais ainda àqueles que estão trabalhando nesse grande projeto”, diz. Segundo Ferruccio, a ideia é que o número de trabalhadores cresça ainda mais. A previsão é fechar fevereiro com 1200 empregos diretos na obra do Castelão.

 

Ferruccio Feitosa destaca que além das vagas de trabalho, a obra do Castelão dá aos trabalhadores oportunidade de capacitação. “Esses trabalhadores participam de cursos de formação, de qualificação, de alfabetização dentro da própria obra”. Segundo ele, a execução do projeto também tem sido oportunidade para adoção de ações de grande impacto social como o emprego de egressos do sistema carcerário e de pessoas com necessidades especiais.

 

Atualmente, estão empregados na obra 16 egressos do sistema carcerário com carteira assinada e 5 pessoas com necessidades especiais. “Queremos aproveitar a grande visibilidade da obra do estádio Castelão para conscientizar a população de que é possível que essas pessoas deem a sua contribuição ao mercado de trabalho. É só questão de oportunizar. Queremos servir de exemplo a outros setores da economia para que também possam agir desta forma e contribuir para um mundo melhor”, afirma Ferruccio.

 

A obra do Castelão também emprega atualmente 41 mulheres em diversas funções incluindo algumas consideradas essencialmente masculinas como a exercida por Francisca Falcão, 33 anos, que é pedreira. Ela diz que a profissão é motivo de orgulho para toda a família, além de ser uma oportunidade para romper preconceitos. “Não deixo de ser feminina porque sou pedreira, mas sei fazer o meu trabalho e sou melhor que muito homem”, enfatiza.

 

08.02.2012

Coordenadoria de Comunicação da Secretaria Especial da Copa 2014

Lisiane Linhares e Viviane Lima (85 3264.5359 – 8778.0024 – 8724.2147)