Apresentações marcam a inauguração do Centro de Eventos do Ceará

14 de agosto de 2012

 

O principal equipamento para desenvolver a indústria do turismo no Ceará, o Centro de Eventos do Ceará (CEC) vai ser inaugurado com uma vasta programação. Neste sábado (18) a inauguração oficial do equipamento vai ser marcada pelo “Giro Cultural”, onde acontecerão diversas apresentações artísticas, culturais e esportivas, abertas ao público, a partir das 19 horas.

 

Estão confirmadas apresentações das cantoras Daniela Mercury, Roberta Sá e Jesuton; da banda de rock Os Paralamas do Sucesso; dos grupos de forró Solteirões do Forró, Garota Safada, Forró dos Plays e Forró Real; do rapper MV Bill; e do Ballet Edisca.

 

As bandas locais O Verbo, Reite, In Beats e Soul Pop também vão subir ao palco. E as atrações não são apenas musicais: quem for conferir, pode aproveitar ainda pista de Skate Vertical, Basquete e o Pavilhão de Humor, com os melhores artistas do gênero no Estado.

 

Nesta quarta-feira (15), às 21 horas, acontece a apresentação técnica do equipamento  para organizadores, promotores e realizadores de eventos, assim como operadores e jornalistas turísticos e autoridades do setor. O tenor Plácido Domingo, acompanhado de sua orquestra, fará a apresentação.

 

O equipamento

 

O Governo do Estado, em 2007, traçou como política de desenvolvimento do Ceará o turismo; e a partir de então, por meio da Secretaria do Turismo do Estado (Setur), priorizou a construção de um equipamento que fosse além de um diferencial competitivo no setor, mas também um ícone do turismo de eventos no Brasil.

 

Desta ideia nasceu o Centro de Eventos do Ceará (CEC), o equipamento mais moderno do gênero na América Latina, cujas obras começaram no primeiro semestre de 2009 e demandaram investimentos de cerca de R$ 580 milhões, incluindo também equipamentos complementares, acessos (túneis) e desapropriações.

 

Trata-se de um complexo com 76 mil metros quadrados de área total, sendo 36 salas integráveis e dois grandes salões com 13,6 mil metros quadrados cada um, livre de colunas. Todos os espaços possuem climatização e iluminação inteligentes; isolamento acústico; instalações elétricas e sistemas de sonorização ambiente, de comunicação, e de telefonia.

 

Uma das principais marcas do CEC é a versatilidade, permitindo diversos usos e abrigando ao mesmo tempo eventos de diferentes tipos, portes e vocações, adaptáveis às necessidades dos organizadores. São dois grandes blocos, compostos por salão de exposição dois mezaninos, com dezoito salas cada, totalizando 44 espaços diferentes, se utilizadas as menores divisões.

 

Cada pavilhão pode ser divido, um em três espaços, o outro em cinco, por meio de divisórias de14 metros de altura e dobráveis, de modo a ficarem completamente recolhidas em um nicho na parede. Além disso, possuem isolamento acústico.

 

Com entradas específicas para cada espaço, é possível ter eventos de fluxo, vocação e densidade volumétrica distintas, sem que um interfira no outro. Na entrada de cada salão há um conjunto de sete recepções e/ou secretarias que podem trabalhar em conjunto, dependendo do tamanho do evento.

 

Nos primeiros mezaninos, são oito salas de 321 m² cada, que podem ser utilizadas sozinhas ou em conjunto, pois possuem o mesmo sistema de divisórias dos salões. Nos segundos são dez espaços totalmente integráveis. Estas 36 salas (18 em cada bloco), estão equipadas com sistemas de comunicação e de tecnologia e podem ter diversos usos, conforme a necessidade do organizador: auditórios, exposições, salas de apoio (de administração, de imprensa, de tradução simultânea, etc.).

 

Sustentabilidade marca o projeto

 

Obedecendo aos parâmetros internacionais vigentes de acessibilidade às pessoas com dificuldades de locomoção e de respeito ao meio ambiente, o projeto do CEC visa evitar desperdícios e racionalizar custos.

 

Todos os ambientes são climatizados e funcionam de forma independente das vizinhas. O sistema de ar condicionado é mantido por uma central de água gelada por tanque de termoacumulação, para diminuir o consumo de energia e prolongar a vida útil do sistema, resultando também em menores custos de manutenção.

 

A principal área de convivência, a praça de alimentação, é coberta por um grande domo feito em metal e acrílico transparente de alta resistência, permitindo o aproveitamento da luz natural.

 

Todos os sanitários têm sistema a vácuo para ejetar dejetos, semelhante ao utilizado na aviação civil, para usar o mínimo possível de água. Cada pavilhão tem dois conjuntos com quatro banheiros: um masculino, um feminino, um para deficientes e um família, com fraldário.

 

Acessibilidade priorizada e localização estratégica

 

Quanto à acessibilidade, todos os espaços são dotados de rampas com guarda-corpo; oito elevadores; dois conjuntos de escadas rolantes por andar em cada pavilhão; pisos táteis entre outras soluções para que portadores de deficiência possam usar o CEC.

 

O equipamento também vai ser beneficiado por uma estação de metrô, da Linha Leste, que vai ligar os bairros Centro, Aldeota-Meireles e Varjota até a região da Washington Soares. Visando facilitar o acesso e melhorar o trânsito na microrregião, a Secretaria do Turismo (Setur), também finaliza as obras de quatro túneis, que vão eliminar semáforos.

 

Impacto do CEC

 

O primeiro estudo sobre o impacto do Centro de Eventos na economia do Estado, elaborado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), a pedido da Setur.

 

O trabalho “Impactos Econômicos da Operacionalização do CEC” estima que aproximadamente R$ 318,3 milhões vão ser acrescentados aos valores de salários pagos no Ceará nos doze primeiros meses de funcionamento do equipamento.

 

Esse é um dos índices que vai fazer com que somente o CEC, de responsabilidade do da Secretaria do Turismo (Setur), exerça impacto de 1% sobre o PIB cearense. O equipamento vai gerar ainda 87,6 mil empregos diretos e indiretos na cadeia produtiva de eventos. Em relação à arrecadação tributária, o CEC vai gerar R$ 186,1 milhões para o Estado.

 

Segundo o secretário do Turismo, Bismarck Maia, a partir do CEC e da qualificação de espaços e pessoas em implementação desde 2007 – que inclui o Acquario, capacitações profissionais e empresariais, duplicação de estradas, aeroportos nos polos turísticos de Aracati e Jericoacoara, restauração de patrimônio histórico, abastecimento d’água e esgotamento sanitário de praias , entre outras ações – “o Ceará nasce para um novo turismo”.

 

“Com o Centro do Eventos do Ceará vamos fazer com que o Ceará  passe a ter um novo eixo de turismo que é turismo de negócios, com grandes legados para a economia”, reforça o Secretário.

 

Ficha técnica do CEC

 

Área do terreno: 170.350 m²

Área dos módulos de exposição: 1.530 m²

Área total dos módulos: 27.540 m²

Área do térreo: 50.126 m²

Área da praça de convivência: 5.928 m²

Área do subsolo: 61.100 m²

Quantidade de vagas: 3.200

Salas de exposição 1° mezanino: 5.200 m²

Salas de exposição 2° mezanino: 6.060 m²

Área total construída: 152.694 m²

Investimento total: R$ 580.640.558,81

 

Recursos:

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES): R$ 150.000.000,00

Ministério do Turismo (MTur): R$ 63.002.824,10

Tesouro Estadual: R$ 367.637.734,71

 

14.08.2012

Assessoria de Comunicação da Setur

Carmen Inês / Mara Cybelly / Tunay Peixoto (85 3101.4654 – 8732.2041)

CEC: twitter.com/cecceara e facebook.com/cecceara

SETUR: twitter.com/seturceara e facebook.com/cecceara