Hemoce realiza testes para hemorredes do Piauí e Maranhão

17 de outubro de 2012

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) inicia essa semana a realização de testes de triagem de HIV e Hepatite C para as hemorredes do Piauí e Maranhão, utilizando a tecnologia de biologia molecular NAT. A implantação do Teste Ácido Nucleico (NAT) na hemorrede estadual ocorreu em junho de 2012 e, a partir de agora, o laboratório passa a receber também as amostras de doadores de sangue desses dois estados.

 

O laboratório NAT do Hemoce foi escolhido pela Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados (CGSH/Ministério da Saúde) em razão da estrutura e capacidade de resposta do hemocentro coordenador de Fortaleza para ser Sítio Testador do NAT (SIT-NAT), sendo um dos 14 centros testadores implantados no país.

 

O Hemoce já realizou o teste NAT de aproximadamente 650 amostras dos hemocentros do Hemopi e Hemomar, dos estados do Piauí e Maranhão. Com a implantação do NAT, o Hemoce funcionará como uma central sorológica, que atenderá não somente a população cearense, bem como as populações dos outros dois estados. Ocasionalmente, também atenderá a outros estados quando solicitado através da CGSH, por meio do Plano de Contingência criado para atender toda a hemorrede nacional.

 

O Hemoce preza pela confiança da população. Por isso, investe em novas tecnologias que possibilitam maior excelência e segurança do sangue distribuído em toda rede pública hospitalar do Ceará. A hemorrede estadual – composta por unidade no Crato, Fortaleza, Iguatu, Juazeiro do Norte, Quixadá e Sobral – atende a 184 municípios, 168 hospitais públicos, 126 hospitais privados com leitos SUS contratados e 62 agências transfusionais.

 

Teste NAT

 

O NAT HIV/HCV Bio-Manguinhos é uma tecnologia desenvolvida para a detecção de ácidos nucleicos virais no período da janela imunológica ou fase inicial da infecção que precede a produção sistêmica de anticorpos. A Tecnologia de Amplificação de Ácidos Nucléicos (NAT) permite diminuir o risco residual transfusional para estes patógenos, reduzindo a janela de detecção destes vírus em doadores de sangue se comparado com os testes sorológicos (ELISA anticorpo ou antígeno ou testes ELISA combinados). Diferente dos testes sorológicos, o ensaio NAT não detecta a presença de anticorpos e sim o material genético do vírus, reduzindo a janela imunológica no caso do HIV DE 20-22 dias para 10 dias e HCV de 70 dias para 11 dias.

 

Inovações

 

Em abril deste ano, o Hemoce conquistou a certificação ISSO 9001, versão 2008, para o ciclo do sangue do hemocentro coordenador de Fortaleza. A instituição certificadora reconheceu o nível de excelência dos processos de captação, triagem, coleta, processamento, sorologia, imuno-hematologia, armazenamento, transporte, ambulatório de transfusão e distribuição de sangue adotados pelo Hemoce.

 

O Hemoce também opera o primeiro banco público de cordão umbilical e placentário do Ceará. O Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário integra a Rede BrasilCord e tem capacidade de armazenar 3,6 mil amostras de sangue de cordão umbilical, material rico em células-tronco hematopoiéticas, essenciais para o transplante de medula óssea. O banco, construído e estruturado no Hemoce, faz a coleta, teste, processamento, armazenagem e libera células-tronco para a realização de transplantes de medula óssea para quem não dispõe de um doador na família.

 

Transplantes autólogos de medula óssea são realizados por uma equipe do Hemoce e do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC). O transplante de medula óssea é um tipo de tratamento para algumas doenças que afetam as células do sangue, como leucemia e linfoma. Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável. O transplante pode ser autólogo, ou autogênico, quando a medula vem do próprio paciente. No transplante alogênico a medula vem de um doador. O transplante também pode ser feito a partir de células precursoras de medula óssea, obtidas do sangue circulante de um doador ou do sangue de cordão umbilical.

 

17.10.2012

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira/ Marcus Sá (selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221 / 8733.8213)

Twitter: @SaudeCeara