Ceará reduz mortalidade na infância em 48% entre 1998 e 2011

29 de outubro de 2012

Entre 1998 e 2008, a queda da mortalidade na infância fez o Brasil salvar 26 mil vidas de crianças, segundo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). No mesmo período, o Ceará reduziu em 48% o total de óbitos na faixa etária até 9 anos de idade, caindo de 5.195 em 1998 para 2.704 em 2008. Nos anos seguintes, as mortes diminuíram ainda mais no Estado, ficando em 2.230 em 2011. Entre os menores de 1 ano, a Taxa de Mortalidade Infantil (TMI) no Ceará caiu de 29,7 por mil nascidos vivos em 1998 para 13,6 em 2011, redução de 4.147 óbitos para 1.761, em números absolutos. 

 

As causas da mortalidade em menores de 1 ano se relacionam, principalmente, à qualidade do pré-natal a que a mãe se submete e da assistência à mulher no parto. Em 2011, 58,8% dos óbitos foram em consequência de afecções originadas no período perinatal, como desconforto respiratório do recém-nascido, septicemia bacteriana, e transtornos relacionados a gestação de curta duração e peso baixo ao nascer, de acordo com a Classificação Internacional de Doenças (CID-10).

 

Na faixa etária de 1 a 9 anos, as causas externas, como acidentes de transporte, afogamento e agressões, são as principais causas de óbitos. No ano passado, 77 das 349 mortes de crianças nessa faixa etária foram provocadas por causas externas. As doenças do aparelho respiratório provocaram 56 mortes, as doenças do sistema nervoso 49, as neoplasias 39 e as doenças infecciosas e parasitárias 36.

 

29.10.2012

 

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá  (selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221 / 8733.8213)
Twitter: @SaudeCeara