População aprende na Praça José de Alencar como prevenir AVC

30 de outubro de 2012

Uma das principais armas na luta contra o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a informação. Para levar mais informações e prevenir a doença, profissionais da Unidade de AVC do HGF e da Secretaria da Saúde do Estado estarão nesta quarta-feira (31), das 9 horas às 17 horas, na Praça José de Alencar. Quem passar pela praça vai ter oportunidade de calcular o risco de sofrer um AVC, respondendo a um questionário, e será alertado de como evitar a doença. Noventa por cento dos casos de AVC podem ser evitados. A ação na praça faz parte da programação da semana que marca o Dia Mundial do AVC, em 29 de outubro.

 

Pós AVC

Além de focar na educação sobre fatores de risco, sinais de alerta e a urgência do tratamento do AVC, a campanha enfatiza a importância do cuidado após a ocorrência de um AVC, da família, dos cuidadores e das associações de suporte aos pacientes. Por isso na quinta-feira a programação da semana de prevenção AVC prossegue com a realização do II Encontro de Cuidadores e Pacientes com AVC, das 11 horas ao meio dia. A equipe multidisciplicar da Unidade de AVC do HGF, incluindo médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, é quem vai interagir com os pacientes e cuidadores.

 

Os profissionais da Unidade de AVC do HGF – além de médicos, residentes, internos e alunos de medicina – vão orientar, com ajuda de folders e banners, a população sobre o reconhecimento da ocorrência de AVC, com a aplicação da Escala de Cincinnati, hoje usada no mundo todo. A orientação é simples: pedir para a pessoa com suspeita de AVC fazer o teste utilizando as letras da palavra Samu. Para o “S”, pedir para a pessoa dar um sorriso. Se o sorriso sair torto ou se a boca entortar para um dos lados, pode ser um AVC. Para a letra “A” da palavra SAMU peça para dar um abraço. Se a pessoa tiver dificuldade para levantar um deles ou após levantar os dois um deles cair, pode ser um AVC. Para a letra “M” basta pedir que diga uma mensagem, uma frase. Caso negativo, a pessoa pode estar sofrendo um AVC. Por último, vem a letra “U”, que significa urgente. É preciso chamar imediatamente o Samu 192.

 

O AVC ocorre subitamente em qualquer idade, sexo ou classe social, como destaca a nova campanha do governo do Estado, com o tema “O AVC não tem hora pra acontecer. Mas você tem como ajudar”. É a segunda doença que mais mata no mundo, responsável por 6 milhões de mortes a cada ano e a principal causa de incapacitação por conta das sequelas que pode deixar. Conhecido também como derrame, o AVC é uma doença que provoca a perda súbita de uma ou mais funções neurológicas. No AVC isquêmico, o mais comum, com 80% dos casos, ocorre a obstrução de um vaso sanguíneo de uma determinada região do cérebro. Já no AVC hemorrágico, ocorre a ruptura de um vaso sanguíneo cerebral e a formação de hematoma que comprime os tecidos cerebrais vizinhos.

 

No Brasil, o AVC é a principal causa de morte e incapacitações. De acordo com o Ministério da Saúde, já ocorreram 33 mil mortes por AVC no país em 2012. A doença mata mais que infarto, câncer, aids, acidentes e drogas. O AVC pode ser prevenido com o controle dos fatores de risco – manter a pressão arterial sob controle, tratar o diabetes, reduzir o peso, baixar os níveis de colesterol, não fumar, evitar uso abusivo de bebidas alcoólicas, fazer atividades físicas regulares, ter alimentação saudável e gerenciar o estresse.

 

No Ceará, o AVC também é a principal causa de morte e incapacitação. Provocou 2.919 óbitos. O Estado é o único do país com um programa de governo direcionado para o AVC. O Programa de Atendimento Integral e Integrado às Vítimas de AVC é desenvolvido nas vertentes epidemiológica, assistencial e educativa. Iniciou as ações de vigilância epidemiológica em 2006, com o georreferenciamento de todas as mortes por AVC em Fortaleza. Marco do programa, a Unidade de AVC do HGF, inaugurada em outubro de 2009, já atendeu 2,3 mil pacientes. Os pacientes tiveram acesso ao tratamento trombolítico e exames modernos como a tomografia realizada pelo tomógrafo multi-slice, que realiza o exame em apenas 5 segundos.

 

Unidade AVC do HGF

A Unidade de AVC do HGF é, desde o último dia 10 de outubro, a única do país habilitada pelo Ministério da Saúde com nível 3 por garantir assistência integral aos pacientes, desde a emergência aos serviços de retaguarda. O serviço reduz em 30% a mortalidade causada pela doença e em 50% a incapacitação dos vitimados. Por ano, são evitadas cerca de 150 mortes e 400 pacientes mantêm-se livres de sequelas graves, consideradas incapacitantes. É a maior unidade de AVC do país, com 20 leitos e equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.

 

Os sobreviventes de AVC podem se recuperar totalmente e manter a qualidade de vida com o tratamento de urgência e com o cuidado e apoio adequado a longo prazo. Por isso, Até 2014, o Ceará terá a maior rede integrada de atendimento a pacientes vítimas de AVC. Depois do HGF, será a vez do Hospital Regional do Cariri (HRC) ganhar a sua Unidade de AVC, ainda este ano. Em 2013 será a vez da implantação da Unidade de AVC do Hospital Regional Norte (HRN) e, em 2014, a do Hospital e Maternidade Regional do Sertão Central (HRSC) a do Hospital Regional Metropolitano (HRM). Quando todas as unidades estiverem funcionando com as estruturas de apoio, elas terão capacidade de atender 1.200 pacientes com AVC por mês.

 

30.10.2012

 

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221 / 8733.8213)
Twitter: @SaudeCeara