Governo do Estado lança Edital Carnaval do Ceará 2013

3 de janeiro de 2013

O Governo do Estado, através da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult), está com as inscrições abertas até o próximo dia 18 para seleção de Projetos relacionados às tradições regionais cearenses voltados às manifestações carnavalescas. O Edital no valor de R$ 974 mil, oriundos do Fundo Estadual de Cultura (FEC) para o ano de 2013, vai contemplar projetos nas categorias: Apoio à Programação Carnavalesca, totalizando R$ 400 mil, e Apoio às Agremiações Carnavalescas, no valor de R$ 574 mil.

 

De acordo com o Edital, a Programação Carnavalesca são as manifestações populares dedicadas à diversão, folias e folguedos, realizados entre os dias 08 e 12 de fevereiro de 2013, voltadas a manutenção do carnaval cearense. As Agremiações Carnavalescas são os grupos organizados com características peculiares, distribuídos nas subcategorias:

 

Maracatu: cortejo de brincantes que desfilam ao ritmo do batuque, entoando loas, divididos em alas (índios, batuque, baianas, balaieiro, calunga, preto e preta velha, corte representada com suas princesas e príncipe, serviçais portando sombrinhas, incensos e abanadores, rainha e rei pintado, etc.) trazendo à frente uma baliza e um porta-estandarte, tendo como ápice, a coroação da rainha.

 

Escolas de Samba: brincantes fantasiados que desfilam ao som de um samba-enredo cantado por um puxador e executado por uma bateria. O grupo se constitui por: comissão de frente, mestre-sala,porta-bandeira, abre-alas, passistas e bateria.

 

Blocos: grupo de brincantes que desfilam obrigatoriamente fantasiados e que se destacam pela irreverência e bom humor.

 

Cordões: brincantes fantasiados, conduzidos por um porta-estandarte que leva à frente a identificação da agremiação. O grupo dança puxado por uma banda de sopro.

 

Afoxé: brincantes fantasiados nas cores dos Orixás, entoando cantigas em língua Irorubá, com instrumentos de percussão, atabaques, agogôs, afoxés e xequerês. O ritmo da dança na rua é o mesmo dos terreiros, bem como a melodia entoada. Os cantos são puxados em solo, por alguém de destaque no grupo, e são repetidos por todos, inclusive os instrumentistas. Antes da saída do grupo ocorre o ritual religioso (como a cerimônia do “padê de Exu” feita antes dos ritos aos orixás numa festa de terreiro).

 

03.01.2013

Assessoria de Imprensa da Secult

Sonara Capaverde (sonara.capaverde@secult.ce.gov.br / 85 3101.6759)