Pesquisadores da UFC iniciam I Censo Penitenciário do Ceará no IPPOO II

4 de Abril de 2013

Pesquisadores da Universidade Federal do Ceará (UFC) iniciaram na última segunda-feira (dia 1º) o recenseamento com os internos do Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II). O projeto da Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará (Sejus) tem por objetivo traçar um perfil completo da população penitenciária em regime fechado do Estado do Ceará, bem como realizar avaliação psicossocial visando a caracterizar e compreender a história de vida dos detentos, as vivências destes sujeitos na sociedade,a representação do período de encarceramento e as disposições para a reinserção social mediadas pelo trabalho.

 

A pesquisa que teve início nesta semana, segue um cronograma visitando todas as grandes unidades penitenciárias da Região Metropolitana de Fortaleza e as outras duas localizadas em Juazeiro do Norte e Sobral. Vinte alunos dos cursos de graduação e pós-graduação de Psicologia e Ciências Sociais formam a equipe de recenseadores, sob a supervisão de profissionais da Sejus e dos professores Drª Celina Amália Ramalho Galvão Lima (Laboratório de Estudos da Violência- LEV/UFC), Dr. Cássio Adriano Brás de Aquino (Núcleo de Psicologia do Trabalho- NUTRA/UFC) e Dr. Walberto Silva dos Santos (Departamento de Psicologia/UFC).

 

A secretária da Justiça e Cidadania, Mariana Lobo, lembra a importância destes estudos para a comunidade acadêmica estendendo, também, para a construção da política de segurança do Estado do Ceará. “Um dos nossos programas é a substituição gradual da CPPL de Caucaia por um Centro de Triagem, que será a porta de entrada do sistema e terá como base fundamental o resultado da pesquisa para a separação dos internos em unidades adequadas ao perfil do apenado. Além disso, o Censo é importante porque ele nos dará a oportunidade de reconhecer nesta população as deficiências e priorizar políticas públicas que trabalham no resgate destes sujeitos”, destaca a secretária, sobre o trabalho inédito no País.

 

O levantamento de informações formará um banco de dados básicos de identificação, escolaridade, tipificação penal, processo penal, tempo da pena e reincidência. Paralelamente, traçará o perfil do detento a partir de três eixos analíticos: a caracterização da história de vida que antecede a condição de privado de liberdade, a vivência do sujeito dentro do sistema e as suas possibilidades de reinserção social pelo trabalho. A natureza dos conflitos existentes no interior das unidades, enfermidades, relações familiares, atividades laborais, capacitação profissional, dependência química, dentre outros assuntos complexos, também farão parte integrante dos itens questionados.

 

Atualmente, o Ceará possui uma população carcerária de 18.053, sendo 13.034 em regime fechado.

 

04.04.2013

 

Assessoria de Imprensa da Sejus
Bianca Felippsen – 85 3101.2862