Profissionais dos municípios são preparados para teste rápido de Aids

10 de maio de 2013

A prevenção e o controle da Aids devem ser permanentes. O Ceará recebe do Ministério da Saúde uma média de 15 mil testes rápidos de Aids por mês, mas, para os testes serem aplicados os municípios precisam ter equipes capacitadas. Por isso, o Núcleo de Prevenção e Controle de Agravos da Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde da Sesa, coordena e promove a capacitação dos profissionais de saúde para a aplicação correta do teste rápido de Aids na população. Até o final deste ano, estão programadas 10 capacitações nos municípios considerados prioritários, segundo os parâmetros epidemiológicos definidos pelo Ministério da Saúde e o índice de casos registrados em cada município. Os primeiros municípios são Baturité, Itapipoca e Limoeiro do Norte. O próximo curso ocorrerá desta segunda-feira, 13 de maio, até o dia 15, quarta-feira, em Baturité, no Centro Regional Integrado Administrativo (Cria), na Rua Francisco Fraga, 1015. Do dia 10 ao dia 12 de junho, será a vez de Itapipoca. Participam dos cursos enfermeiros da atenção básica dos municípios e ainda médicos, fisioterapeutas e farmacêuticos.

 

O trabalho de capacitação, que ocorre em parceria com as Coordenadorias Regionais de Saúde da Secretaria da Saúde do Estado e as Unidades Básica de Saúde dos municípios, pretende formar multiplicadores na prevenção e diagnóstico precoce da doença, já que metade dos pacientes iniciam o tratamento em estado avançado de infecção, devido ao diagnóstico tardio. Outro objetivo do teste é contribuir para a redução da transmissão vertical da Aids, que ocorre quando a gestante transmite a doença para o bebê.

 

Em caso de resultado positivo, é realizado outro teste, para confirmação definitiva. Além disso, o teste também permite identificar se a pessoa tem resistência ao antibiótico rifampicina, utilizado no tratamento da doença. O exame permite chegar a um resultado confiável. É aconselhado principalmente para pessoas que tenham passado por situações de risco, a exemplo de uma relação sexual sem proteção. Recomenda-se também que o teste seja feito após um mês da data suspeita de infecção. Isso acontece porque, após a infecção pelo HIV, o sistema imunológico demora cerca de um mês para produzir anticorpos em quantidade suficiente para serem detectados pelo teste. “Ao receber o resultado, no caso de positivo, o paciente passa por um processo de aconselhamento, feito de forma cuidadosa, com o objetivo de facilitar a interpretação do resultado pelo paciente e a aceitação do tratamento”, Rosemeire Anastácio, técnica do Nuprev da Sesa.

 

Aids no Ceará

 

No Ceará, o primeiro caso confirmado de Aids ocorreu em 1983. Segundo o último boletim da Aids, divulgado pela Sesa em fevereiro deste ano, de 1983 a 2012, foram notificados 12.246 casos. Destes, 70,0% foram no sexo masculino e 30,0% em mulheres. No ano de 2012, foram confirmados 800 casos, sendo 430 (53,7%) residentes no município de Fortaleza. A proporção de casos por sexo, que na década de 80 era de 12 homens infectados para cada mulher, passou para 2 homens para cada mulher, em 2012. Outro característica é a progressiva interiorização da doença no Estado. Até o final da década de 80, por exemplo, apenas 5% dos municípios tinham casos, passando para 60% a partir de 1998 e, em 2012, para 96% dos municípios com, pelo menos, 1 caso confirmado.

 

Leia também:

 

Teste rápido de HIV será oferecido sábado na Praça José de Alencar

 

10.05.2013

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira/ Marcus Sá (selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221 / 8733.8213)

Twitter: @SaudeCeara

Facebook: www.facebook.com/saudeceara