Orquestra Eleazar de Carvalho apresenta Concerto da Amizade

29 de maio de 2013

A Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho apresenta ao público, no programa Música Instrumental em Concerto, da Série Oficial de maio, o peso de uma formação sinfônica. Em noite dedicada ao “Concerto da Amizade”, a Orcec recebe de forma voluntária músicos de sopros e percussão para, somados às cordas, mostrarem todo o esplendor da música erudita desenvolvida no Ceará. O Palco Principal do Theatro José de Alencar acolhe o concerto sinfônico nesta quinta-feira (30), às 19h30, sob a regência do maestro Arthur Barbosa. A entrada é franca.

 

O programa, preparado especialmente para o momento, traz peças marcantes da história da música, tais como Carmen, Suite Nº 1, de George Bizet, Abertura (Coriolano), de Ludwig van Beethoven, e Valsa Triste, de Jean Sibelius. O ponto alto, no entanto, promete ser o Concerto Op. 35 in D Maior (I – Allegro moderato – Moderato assai (D major); II – Canzonetta – Andante (G minor); III – Finale – Allegro vivacissimo (D major), de Piotr Tchaikovsky.

 

Composto na primavera de 1.878, o concerto foi inicialmente dedicado ao violinista Leopold Auer, considerado por Tchaikovsky um dos maios virtuosos professores e violinistas da época. Entretanto, Auer recusou-se a tocar a peça por considerá-la intocável. O compositor, então, mudou a dedicatória para Aldolf Brodski, que a interpretou na estreia, em 4 de dezembro de 1.881, na cidade de Viena, na Áustria.

 

Para interpretar o solo da peça de Tchaikovsky no Concerto da Amizade, a Orcec traz a Fortaleza, pela segunda vez, o violinista Emmanuelle Baldini, spalla da Orquestra Sinfônica de São Paulo (Osesp). O músico italiano, premiado internacionalmente, é um dos fundadores do Quarteto Osesp, no qual desempenha a função de 1º violino.

 

O concerto coloca em questão a importância da criação de uma orquestra sinfônica profissional no Ceará, no que tange ao estímulo para o surgimento de novos grupos orquestrais, à formação de novos músicos e constante desenvolvimento dos atuais profissionais, no fomento à economia criativa, dentre outros benefícios.
A Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho é uma ação da Associação Artística de Concertos do Ceará (AACC), com o apoio do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Cultura (Secult). Neste programa, conta ainda com o apoio do Theatro José de Alencar e com o apoio da Oi Futuro.

 

Sobre Emmanuele Baldini

 

Nascido numa família de músicos, Emmanuele Baldini foi aluno da classe de “Virtuositè” de Corrado Romano, no Conservatório de Genebra. Estudou música de câmara com o Trio di Trieste e Franco Rossi, tendo se aperfeiçoado em Berlim e em Salzburgo, com Ruggiero Ricci. Vencedor de diversos concursos internacionais, e deu início à carreira solo após vencer o “Virtuositè” de Genebra, e o 3º prêmio no concurso Lipizer, em Gorizia.

 

Tanto como solista como em recitais para violino e piano, apresentou-se por toda Itália e pelas principais cidades europeias: Viena (Konzerthaus), Linz (Brucknersaal), Genebra (Victoria Hall), Munique (Gasteig), Berlim, Colônia, Frankfurt, Salzburg, Ljubljana, Bruxelas, Budapeste (Academia Liszt), Luxemburgo, Paris e Copenhague. Também se apresentou nos EUA (Nova York, Miami e Phoenix), Albânia (Tirana), Turquia (Istambul), Argentina (Buenos Aires, Rosário, Mar del Plata, Córdoba), Brasil (São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Salvador, Curitiba), Austrália (Sidney, Melbourne, Adelaide), Chile, além de ter feito quatro longas turnês pelo Japão.
Interpretou os principais concertos do repertório para violino acompanhado das orquestras Wiener Kammerorchester (Mozart), Rundfunk Sinfonieorchester Berlin (Schumann), Orchestre de la Suisse Romande (Schostakovich), Sinfônica do Estado de São Paulo (Beethoven, Schumann, Casella), Flanders Youth Philharmonic Orchestra (Bruch), Sinfônica da Moldávia (Brahms e Mendelssohn), Sinfônica de Trieste (Mozart e Dvorák), Orquestra de Câmara de Mântua (Mozart), entre outras.
Estabeleceu-se como um dos grandes talentos de seu país, tendo sido elogiado pelo Trio di Trieste e por músicos como Claudio Abbado, Riccardo Muti, Daniele Gatti, Aldo Ciccolini, Franco Gulli, Ruggiero Ricci e Franco Rossi.

 

No repertório camerístico, apresentou-se com Ricardo Castro, Silvia Chiesa, Arnaldo Cohen, Jean-Philippe Collard, Antonio Meneses, Caio Pagano, Luca Ranieri, Lilya Zilberstein.

 

Sua discografia inclui gravações para os selos Agorà, Algol, Rivoalto e Phoenix, destacando-se o CD Sonatas de Franck e Magnard – muito elogiado pela crítica internacional – Viotti (duetos de violinos e sonatas para violino e violoncelo), Paganini e Tartini (peças virtuosas), Weber e Mendelssohn (sonatas para violino e piano) e Martucci (obras completas para violino e piano) – “Um dos maiores tributos a Martucci”, segundo Giancarlo Cerisola da Classic Voice. Lançamentos futuros incluem o CD Fantasias de Óperas Italianas, para violino e piano, Quintetos Para Piano de Schumann e Dvorák (com o Quarteto Osesp e Ricardo Castro), e, em seis volumes, os três grandes ciclos de Vivaldi: L’Estro Armonico, La Stravaganza e Il Cimento dell’Armonia e dell’Invenzione.

 

Emmanuele foi spalla da Orquestra do Teatro Comunale de Bolonha, Orquestra de Trieste, Sinfônica da Galícia, tendo colaborado também com a Orquestra do Teatro Allá Scala de Milão. Desde 2005, é spalla da Osesp e fundou o Quarteto Osesp, do qual é o primeiro violino.

 

Mais informações:

 

AACC: 85 3252.3378
Roberto César Lima: 85 8828.6405
www.orquestra-ce.org.br

 

29.05.2013

Assessoria de Imprensa da Secult

Sonara Capaverde (sonara.capaverde@secult.ce.gov.br / 85 3101.6759)