Sejus e Centec ofertam curso profissionalizante de artífice da construção civil

23 de julho de 2013

A Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará iniciou na última segunda-feira (22), o curso de artífice da construção civil, no Instituto Penal Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II), localizado em Itaitinga-CE, e na Penitenciária Francisco Hélio Viana de Araújo, em Pacatuba-CE. Ao todo, 40 alunos serão diplomados nos próximos 60 dias. O curso é resultado de uma parceria da Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado com o Centro de Ensino Tecnológico do Ceará (Centec) onde 240 internos serão capacitados profissionalmente até dezembro deste ano.

 

O perfil dos alunos que participam dos cursos profissionalizantes, em sua maioria, são de apenados que estão na eminência de receber progressão de regime, para que a Coordenadoria de Inclusão Social do Preso e do Egresso da Sejus possa emitir cartas de emprego e, posteriormente, encaminhar os assistidos às instituições parceiras, completando assim o ciclo de inclusão social proposto pela Secretaria da Justiça e Cidadania do Ceará.

 

Um dos principais objetivos dessa iniciativa é, além de capacitar profissionalmente os apenados, buscar diminuir a criminalidade, como pontua a secretária da Justiça e Cidadania, Mariana Lobo: “Nossa intenção é que a população carcerária progrida de regime com algum tipo de ocupação ou mesmo com uma capacitação profissional para poder recomeçar a vida longe da criminalidade. São passos longos, porque significam mudanças nas posturas de vida de cada indivíduo, mas acreditamos que cada pessoa tem a possibilidade de mudar seu próprio destino. Por isso, ofertaremos  até o fim do ano 2.594 vagas de cursos profissionalizantes”. Os cursos ofertados serão para artífice da construção civil, eletricista predial, bombeiro hidráulico, customização de sandálias, serigrafia, pintor, dentre outras áreas.

 

Em parceria com a Secretaria do Trabalho e Ação Social do Estado (STDS) terá início no dia 05 de agosto, no Instituto Penal Paulo Sarasate (IPPS) e na Casa de Privação Provisória de Liberdade Jucá Neto (CPPL III), o curso de eletricista predial. No mesmo dia, inicia o curso de customização em sandálias no Instituto Penal Feminino (IPF) e o curso de bombeiro hidráulico, no IPPS.

 

Inclusão Social do Preso e do Egresso – Estudos realizados a partir de números levantados pelo Departamento Penitenciário Nacional mostram que, quando é ofertada uma oportunidade para que o preso retorne ao convívio social com uma perspectiva profissional, 80% desses presos não voltam a reincidir. “Vislumbrando a missão educativa da pena de prisão, a gestão do Governo do Estado tem voltado suas ações e programas para a inclusão social do preso e do egresso, como prescreve a Lei de Execução Penal”, salienta a secretária Mariana Lobo. deste modo, em 2012 foi criada a Coordenadoria de Inclusão Social do Preso e do Egresso (Cispe), composta por uma equipe multidisciplinar, que visa promover e acompanhar todo o processo de inclusão dos apenados na sociedade, envolvendo-os em atividades laborativas e educacionais.

 

23.07.2013

 

Assessoria de Comunicação da Sejus
Bianca Felippsen – (85) 3101-2862
ascom.sejus@gmail.com