BRICS: Cid Gomes se reúne com missão do Itamaraty

30 de julho de 2013

O governador Cid Gomes se reuniu nesta terça-feira (30), com a missão do Itamaraty para definir as ações para a realização do próximo encontro do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que acontecerá no Centro de Eventos do Ceará (CEC) na segunda quinzena de março de 2014. A chefe da missão, a embaixadora Maria Edileuza Fontenele, destacou a importância desse evento acontecer no Brasil e, sobretudo, na Região Nordeste. “As nações estão preocupadas em conciliar desenvolvimento com conquistas sociais e o Nordeste, e o Ceará, são exemplo desse novo momento que vive o Brasil”, destacou.

 

O governador Cid Gomes ressaltou que a escolha do Ceará para sediar o evento, orgulha e motiva o Estado. “É uma grande oportunidade para nós apresentarmos para o mundo as conquistas que estão sendo alcançadas no âmbito social e econômico. Essa escolha nos enche de orgulho”, definiu o Governador. A escolha do Ceará para sediar o encontro dos BRICS foi feita pessoalmente pela presidenta Dilma Rousseff, no mês de abril passado quando ela conheceu a estrutura do Centro de Eventos do Ceará (CEC). “Realmente, não existe no Brasil uma estrutura como o Centro de Eventos”, enfatizou a Embaixadora.

 

O encontro do BRICS no Ceará reunirá os chefes de estado dos cinco países que compõe o grupo,  e ainda ministros, secretários e empresários. A previsão de participação é 750 pessoas, além das representações das cinco maiores empresas de cada um dos cinco países, bancos de desenvolvimento e cerca de 1.500 jornalistas de todo o mundo.  A missão ao Ceará foi acompanhada do assessor especial de Assuntos Internacionais, Hélio Leitão, e visitaram hotéis, espaços culturais e se reuniu com equipes de segurança estadual e federal. A previsão é que as missões ao Ceará se tornem periódicas até a realização do evento.

 

BRICS

 

A ideia do BRICS foi formulada pelo economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O´Neil, em estudo de 2001, intitulado “Building Better Global Economic BRICs”. Fixou-se como categoria da análise nos meios econômico-financeiros, empresariais, acadêmicos e de comunicação. Em 2006, o conceito deu origem a um agrupamento, propriamente dito, incorporado à política externa de Brasil, Rússia, Índia e China. Em 2011, por ocasião da III Cúpula, a África do Sul passou a fazer parte do agrupamento, que adotou a sigla BRICS.

 

O peso econômico dos BRICS é certamente considerável. Entre 2003 e 2007, o crescimento dos quatro países representou 65% da expansão do PIB mundial. Em paridade de poder de compra, o PIB dos BRICS já supera hoje o dos EUA ou o da União Europeia. Para dar uma ideia do ritmo de crescimento desses países, em 2003 os BRICs respondiam por 9% do PIB mundial, e, em 2009, esse valor aumentou para 14%. Em 2010, o PIB conjunto dos cinco países (incluindo a África do Sul), totalizou US$ 11 trilhões, ou 18% da economia mundial. Considerando o PIB pela paridade de poder de compra, esse índice é ainda maior: US$ 19 trilhões, ou 25%.

 

Até 2006, os BRICs não estavam reunidos em mecanismo que permitisse a articulação entre eles. O conceito expressava a existência de quatro países que individualmente tinham características que lhes permitiam ser considerados em conjunto, mas não como um mecanismo. Isso mudou a partir da Reunião de Chanceleres dos quatro países organizada à margem da 61ª. Assembleia Geral das Nações Unidas, em 23 de setembro de 2006. Este constituiu o primeiro passo para que Brasil, Rússia, Índia e China começassem a trabalhar coletivamente. Pode-se dizer que, então, em paralelo ao conceito “BRICs” passou a existir um grupo que passava a atuar no cenário internacional, o BRIC. Em 2011, após o ingresso da África do Sul, o mecanismo tornou-se o BRICS (com “s” maiúsculo ao final).

 

Como agrupamento, o BRICS tem um caráter informal. Não tem um documento constitutivo, não funciona com um secretariado fixo nem tem fundos destinados a financiar qualquer de suas atividades. Em última análise, o que sustenta o mecanismo é a vontade política de seus membros. Ainda assim, o BRICS tem um grau de institucionalização que se vai definindo, à medida que os cinco países intensificam sua interação.

 

Etapa importante para aprofundar a institucionalização vertical do BRICS foi a elevação do nível de interação política que, desde junho 2009, com a Cúpula de Ecaterimburgo, alcançou o nível de Chefes de Estado/Governo. A II Cúpula, realizada em Brasília, em 15 de abril de 2010, levou adiante esse processo. A III Cúpula ocorreu em Sanya, na China, em 14 de abril de 2011, e demonstrou que a vontade política de dar seguimento à interlocução dos países continua presente até o nível decisório mais alto. A III Cúpula reforçou a posição do BRICS como espaço de diálogo e concertação no cenário internacional. Ademais, ampliou a voz dos cinco países sobre temas da agenda global, em particular os econômico-financeiros, e deu impulso político para a identificação e o desenvolvimento de projetos conjuntos específicos, em setores estratégicos como o agrícola, o de energia e o científico-tecnológico. A IV Cúpula foi realizada em 29 de março de 2012, em Nova Delhi. A V Cúpula está prevista para ser realizada em Durban, na África do Sul, em 27 de março de 2013.

 

Além da institucionalização vertical, o BRICS também se abriu para uma institucionalização horizontal, ao incluir em seu escopo diversas frentes de atuação. A mais desenvolvida, fazendo jus à origem do grupo, é a econômico-financeira. Ministros encarregados da área de Finanças e Presidentes dos Bancos Centrais têm-se reunido com frequência. Os Altos Funcionários Responsáveis por Temas de Segurança do BRICS já se reuniram duas vezes. Os temas segurança alimentar, agricultura e energia também já foram tratados no âmbito do agrupamento, em nível ministerial. As Cortes Supremas assinaram documento de cooperação e, com base nele, foi realizado, no Brasil, curso para magistrados dos BRICS. Já realizaram-se, ademais, eventos buscando a aproximação entre acadêmicos, empresários, representantes de cooperativas. Foram, ainda, assinados acordos entre os bancos de desenvolvimento. Os institutos estatísticos também se encontraram em preparação para a II e a III Cúpulas e publicaram uma coletânea de dados. Versões atualizadas da coletânea foram lançadas por ocasião da Cúpula de Sanya e da Cúpula de Nova Delhi.

 

30.07.2013

 

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado com informações do Itamaraty
Casa Civil – 85 3466.4898
comunicacao@casacivil.ce.gov.br