Linha Leste: Consórcio Cetenco-Acciona vence licitação das obras civis

7 de outubro de 2013

O consórcio Cetenco-Acciona, formado pelas empresas Cetenco Engenharia e Acciona Infraestructuras, foi o vencedor da licitação para realização das obras civis da Linha Leste do Metrô de Fortaleza. O resultado da proposta comercial foi registrado em ata da reunião da Comissão Central de Concorrências, nesta segunda-feira (7). O consórcio apresentou a menor proposta de preço – R$ 2.259.223.588,10. Após divulgação do resultado no Diário Oficial a documentação segue para a Secretaria da Infraestrutura do Estado- Seinfra para homologação, adjudicação e posterior publicação no Diário Oficial do Estado – DOE. Em seguida será exigida uma série de documentos ao consórcio vencedor para então ocorrer a celebração do contrato. Apenas depois de cumprida essa série de etapas, será assinada a Ordem de Serviços.

As propostas para as obras civis foram recebidas na Comissão Central de Concorrências da Procuradoria Geral do Estado (PGE) no dia 21 de maio tendo cumprido todos os prazos recursais. Além do consórcio Cetenco-Acciona, grandes grupos de engenharia participaram do certame licitatório: Mendes Júnior-Soares da Costa-Isolux (Mendes Júnior Trading e Engenharia, Sociedade de Construções Soares da Costa S.A do Brasil e Isolux Projetos e Instalações); Consórcio Metrofor (Construtora Andrade Gutierrez, Construtora Norberto Odebrecht Brasil e Serveng Civilsan-Empresas Associadas e Engenharia); e Mobilidade Urbana (Construções e Comércio Camargo Corrêa, Construtora Queiroz Galvão e Construtora Marquise).

O projeto da Linha Leste prevê a construção de onze estações: Estação da Sé, Colégio Militar, Luiza Távora, Nunes Valente, Leonardo Mota, Papicu, HGF, Cidade 2.000, Bárbara de Alencar, CEC e Edson Queiroz. Além dessas, haverá integração com as linhas Oeste e Sul na estação central Chico da Silva, totalizando doze estações. Serão 12,4 km de extensão. A linha será operada com trens elétricos que transportarão cerca de 400 mil pessoas diariamente. O projeto se integrará ainda às Linhas Sul; Oeste, remodelada, ao ramal Parangaba-Mucuripe (VLT), também em obras, e aos terminais de ônibus. A linha subterrânea seguirá em boa parte o trajeto da avenida Santos Dumont.

A Linha Leste, fará parte do Programa “Mobilidade Grandes Cidades”, do Governo Federal. Estão garantidos R$ 2 bilhões em recursos federais para o projeto, sendo R$ 1 bilhão do Orçamento Geral da União e R$ 1 bilhão financiados pela Caixa Econômica Federal. A contra partida do Governo do Estado do Ceará é de pouco mais de R$ 1 bilhão (1,034). Os recursos estaduais serão usados para a Parceria Pública Privada, que vai contemplar todo o material rodante e sistemas e a operação dos quatro sistemas metroviários de Fortaleza. Esses recursos estaduais também serão usados para projetos, administração de obra, desapropriações e remoção de interferências.

 

Tuneladoras desembarcadas.

As duas primeiras máquinas tuneladoras vieram de Shangai, na China, onde foram testadas pela empresa responsável pela fabricação: The Robbins Company acompanhada de técnicos da Seinfra. As duas outras máquinas restantes estão sendo montadas para testes e embarque para o Ceará até o final do ano. As primeiras tuneladoras adquiridas pelo Governo do Estado chegaram no navio Spring Canary fretado exclusivamente para esse tipo de transporte.

As máquinas tuneladoras do tipo Tunnel Boring Machine (TBM) foram compradas mediante licitação ocorrida em junho de 2012. O valor do investimento foi de R$ 128.224.258,52. Os equipamentos chegaram acondicionadas em 16 conteineres junto com mais 50 peças.

O Shield como é chamado a parte dianteira da máquina, responsável pela escavação, tem 6,9 metros de diâmetro e 10 metros de extensão e cerca de 460 toneladas. Na parte traseira do shield são montados dez carros/trailers com os equipamentos auxiliares da máquina, chamado back-up da tuneladora, onde estão a cabine de controle, unidade hidráulica, transformadores, painéis elétricos, enrolador de cabos, sistemas de lubrificação, de espuma e de injeção de Grount, Betonita, compressores, câmara de primeiros socorros, dentre outros.

Ao todo, o shield e o backup, que formam a tuneladora, têm 125 metros de extensão, com cerca de 737 toneladas. As outras duas tuneladoras estão sendo montadas na mesma unidade da Robbins na China, para realização de testes em fábrica. O equipamento é composto ainda por Sistema de Transporte do material escavado, através de correias transportadoras; Sistema de montagem de anéis; Sistema de injeção de concreto grout, betonita, dentre outros sistemas auxiliares.

O Contrato com a empresa The Robbins Company inclui ainda outros equipamentos a serem utilizados na obra, quatro Sistemas de Ventilação, sendo um para cada conjunto túnel/máquina; Correias Transportadoras para o transporte do material escavado por toda extensão dos cerca de 20 km de túneis;  Formas e Equipamentos Auxiliares a serem utilizados em  duas fábricas de anéis, que deverão produzir cerca de 20 anéis/dia cada fábrica.

Outros equipamentos adquiridos pelo Governo do Estado e que já foram recebidos são: as Formas e Equipamentos Auxiliares para duas fábricas de anéis e o Sistema de Ventilação, a ser utilizado nas escavações, composto de quatro sistemas independentes para cobrir toda a extensão do túnel.

 

07.10.2013

Assessoria de Imprensa da Seinfra
Marco da Escóssia – 85 3216.3764 | 65
comunicacao@seinfra.ce.gov.br