Linha Leste: Dilma e Cid Gomes assinam ordem de serviço nesta sexta-feira (22)

21 de novembro de 2013

A presidenta Dilma Rousseff, o governador Cid Gomes e o secretário da Infraestrutura, Adail Fontenele,  assinam nesta sexta-feira (22) a Ordem de Serviços das obras civis da Linha Leste do Metrô de Fortaleza. Na ocasião, Dilma Rousseff  vai anunciar os investimentos em Fortaleza e região metropolitana referentes ao PAC2 – Mobilidade Urbana, cujo o principal projeto é a modernização da Linha Oeste, que liga Fortaleza a Caucaia, na Região Metropolitana. A solenidade está prevista para às 9h30min, na área de armazenamento das tuneladoras, ao lado da estação Chico da Silva, na Avenida Imprerador, 04. Também durante a solenidade, a Presidenta vai assinar o Termo de Compromisso para o repasse de R$ 1 bilhão do Orçamento geral da União para a Linha Leste do Metrô e também o Termo de Compromisso que cria a reserva indígena Anacé.

 

Linha Leste

 

As duas últimas tuneladoras, de um total de quatro adquiridas pelo Governo do Estado para a construção dos túneis da Linha Leste do metrô de Fortaleza, já estão prontas e testadas na fábrica em Shangai, na China. Os dois primeiros equipamentos chegaram ao Ceará em agosto passado e estão em fase de montagem em área próxima ao emboque nas proximidades da estação Chico da Silva. As obras civis tiveram o contrato assinado pelo consórcio vencedor da licitação (Cetenco-Acciona) em outubro, estando aguardando apenas a definição da data da assinatura da Ordem de Serviços. A Linha Leste, que liga o centro ao bairro de Edson Queiroz, num total de 12,4 km de extensão, se integrará com as Linhas Sul, já concluída e em fase de operação assistida, a Oeste (remodelada) e ao ramal Parangaba-Mucuripe (VLT), em fase de implantação e aos terminais de ônibus.

 

Os dois equipamentos foram testados na fábrica da The Robbins Company – vencedora da licitação das tuneladoras – no mês de outubro sob acompanhamento de equipe de técnicos da Secretaria da Infraestrutura do Estado (Seinfra), licitante da Linha Leste. Com a aprovação dos testes foi emitida a liberação de embarque, e, a partir daí, estima-se um prazo de 45 dias para desmontagem da máquina, acondicionamento das peças e embarque para o transporte marítimo para o transporte ao Porto do Pecém. O transporte de Shanghai ao o Pecém varia de 30 a 45 dias.

 

As obras civis da Linha Leste do metrô teve o contrato – o maior contrato público da história cearense – assinado no dia 11 de outubro pelo governador Cid Gomes, o secretário Adail Fontenele (Infraestrutura ) e diretores da empresa vencedora da licitação (Consórcio Cetenco-Acciona). O grupo é formado pelas empresas Cetenco Engenharia e Acciona Infraestructuras e foi o vencedor da licitação para realização das obras civis da Linha com a proposta de R$ 2.259.223.588,10.

 

O projeto da Linha Leste prevê a construção de onze estações: Estação da Sé, Colégio Militar, Luiza Távora, Nunes Valente, Leonardo Mota, Papicu, HGF, Cidade 2.000, Bárbara de Alencar, CEC e Edson Queiroz. Além dessas, haverá integração com as linhas Oeste e Sul na estação central Chico da Silva, totalizando doze estações. Serão 12,4 km de extensão. A linha será operada com trens elétricos que transportarão cerca de 400 mil pessoas diariamente quando integrado com os demais modais de transporte.

 

A Linha Leste, faz parte do Programa “Mobilidade Grandes Cidades”, do Governo Federal. Estão garantidos R$ 2 bilhões em recursos federais para o projeto, sendo R$ 1 bilhão do Orçamento Geral da União e R$ 1 bilhão financiados pela Caixa Econômica Federal. A contra partida do Governo do Estado do Ceará é de pouco mais de R$ 1 bilhão (1,034). Os recursos estaduais serão usados para a Parceria Pública Privada, que vai contemplar todo o material rodante e sistemas e a operação dos quatro sistemas metroviários de Fortaleza. Esses recursos estaduais também serão usados para projetos, administração de obra, desapropriações e remoção de interferências.

 

Linha Oeste

 

A Linha Oeste do Metrô de Fortaleza será modernizada para atender de forma adequada a uma demanda estimada de 337 mil passageiros por dia, com previsão de integração intermodal nas estações. Os serviços, que darão melhor desempenho a esse sistema metroviário com durabilidade, segurança e conforto, compreendem obras civis de eletrificação e duplicação da via permanente ao longo dos seus 19,5 km de extensão, instalação de sistemas fixos de eletrificação, sinalização e telecomunicações, construção de um centro de manutenção, implantação de 10 Trens Unidades Elétricas (TUEs), construção de 13 estações, urbanização do entorno das estações, construção de túneis, pontes, passarelas de pedestres, viadutos e acessos, entre outros serviços. Os investimentos na Linha Oeste serão da ordem de R$ 1,2 bilhão sendo parte oriundos do Orçamento Geral da União (OGU), no montante de R$ R$ 610 milhões, R$ 579,5 milhões de financiamentos e R$ 30,5 milhões do Governo do Estado.

 

As obras civis contemplam a implantação da infra e superestrutura metroviária para linha dupla eletrificada, a construção de 13 estações, sendo 11 em superfície: Francisco Sá, Floresta, Padre Andrade, São Miguel, Parque Albano, Conjunto Ceará, Jurema, Araturi, Nova Metrópole, Parque Soledade e Caucaia, além de duas elevadas: Álvaro Weyne e Antônio Bezerra. Serão construídos viadutos rodoviário e ferroviário, túneis, elevados, pontes e oito passarelas com vistas a permitir o confinamento das linhas em toda a sua extensão, evitando interferências no trajeto da Linha com passagem de nível e travessias de pessoas. O material rodante será composto de 10 TUEs, cada um composto por 6 carros com ar-condicionado. Os investimentos preveem ainda a implantação de sistemas fixos como os sistemas de energia, rede aérea (catenária), sinalização, telecomunicações, centro de controle operacional e equipamentos de oficina, treinamento de pessoal, fornecimento de sobressalentes e ferramentas especiais e manuais de operação e manutenção de todos os sistemas.

 

A Linha Oeste do Metrô de Fortaleza já recebeu melhorias nos últimos sete anos com serviços como a construção do viaduto sobre a rua Visconde de Cauípe, de 50 metros, a reforma das 9 estações de passageiros, a remodelação de 31 carros e quatro locomotivas bem como a implantação, manutenção e substituição de peças e dormentes ao longo de sua via permanente. O investimento foi da ordem de R$ 80 milhões. A Linha, que é parte do segundo estágio do Metrô de Fortaleza, teve ainda reformadas as estações Álvaro Weyne, Padre Andrade, Antônio Bezerra, São Miguel, Parque Albano, Conjunto Ceará, Jurema, Araturi e Caucaia.
Linha Leste: Tuneladoras prontas e testadas para embarque.

 

Saiba mais:

 

– Os recursos para a aquisição das tuneladoras são oriundos do Tesouro do Estado.
– Cada máquina tem seis metros e noventa e cinco centímetros de diâmetro.
– O impacto das obras de escavação com este equipamento é praticamente nulo, uma vez que o túnel terá entre 15 e 30 metros de profundidade.
– Cada máquina abre 16 metros de túnel por dia, parando somente um dia na semana para manutenção.
– Veja aqui como será a Linha Leste do Metrô de Fortaleza: http://migre.me/f3DIS

 

21.11.2013

Assessoria de Imprensa da Seinfra

Marco da Escóssia (marco.escossia@seinfra@ce.gov.br / 85 3216.3764)