Medalha da Abolição é entregue a três personalidades cearenses

26 de Março de 2014

O Palácio da Abolição, sede do Governo do Estado do Ceará, realizou, na noite desta terça-feira (25), a festa da entrega da Medalha da Abolição, a mais alta comenda outorgada pelo Governo. Neste ano a Medalha foi concedida para três personalidades de destaque no Ceará: ao empresário e chanceler Airton Queiroz, ao jornalista Demócrito Dummar (in memoriam) e ao artista plástico Sérvulo Esmeraldo. Os agraciados deste ano receberam das mãos do governador Cid Gomes as medalhas e os diplomas referentes às comendas. “Esta é uma forma de aplaudir e dizer que temos muito orgulho de nossa concidadania. Airton Queiroz, Sérvulo Esmeraldo e Demócrito Dummar dignificam a comenda que aqui foi entregue. Guerreiros, talentosos, destemidos, sem dúvida pessoas à frente do seu tempo, se vivessem nos idos de 1884, com certeza teriam sido abolicionistas”, discursou Cid Gomes.

 

A concessão da Medalha da Abolição aconteceu no aniversário de 130 anos da libertação dos escravos no Estado do Ceará, quatro anos antes da Lei Áurea de 1888. O Ceará foi a primeira província a abolir o sistema escravista em seu território, tendo notadamente iniciado em Redenção. Na ocasião, o Governador lembrou o feito histórico onde destacou como um ato que mostra característica marcantes do povo cearense e como a sociedade deve hoje se inspirar para superar as adversidade da democracia atual. “A Medalha da Abolição, a mais alta comenda outorgada pelo Governo do Estado, vem, a cada ano, renovar na sociedade a lembrança de 1884. Hoje, é claro, vivemos uma democracia, duramente reconquistada, e usufruímos de liberdade plena. Já não há senzalas nem calabouços, nem correntes a serem quebradas. Há, isto sim, um novo país a edificar, empreitada que requer o envolvimento de governos e sociedade, com todas as nossas forças vivas trabalhando lado a lado, orientadas no sentido de oferecermos, aos nossos filhos, um Brasil próspero e, sobretudo, um país justo, fraterno, onde não haja espaço para as desigualdades absurdas que ainda separam as classes sociais e as regiões geoeconômicas” destacou.

 

Cid Gomes também aproveitou para reforçar compromissos assumidos em sua gestão, onde ações que objetivam tornar nosso Estado mais justo e próspero para todos os cearenses. Ele destacou ações nas áreas da educação, saúde, segurança. “Na área da saúde, os ganhos resultam de uma decisão política corajosa, qual seja, edificar, no Ceará, a melhor rede de saúde pública do País. Os resultados são palpáveis: os Hospitais Regionais de Sobral e Juazeiro, com equipamentos os mais sofisticados”, exemplificou.

 

O chefe do executivo estadual finalizou seu discurso mencionando a importância dos cearenses agraciados nesta noite. “Aqui estamos para dizer a três cearenses ilustres – um deles, presente apenas em nossa memória – que os admiramos imensamente e que os consideramos exemplos a serem apontados às novas gerações. Chanceler Airton Queiroz, artista plástico Sérvulo Esmeraldo, familiares do jornalista Demócrito Dummar, a Medalha da Abolição, que hoje lhes é entregue, tem o condão de traduzir sentimentos. Ela fala de nossa admiração pelo empresário, o artista, o homem da comunicação, que ajudaram a mudar o Ceará com sua Universidade, suas indústrias, seus jornais e emissoras de rádio e TV, suas esculturas tão inspiradas e tão inspiradoras . O Ceará ficou melhor – e mais belo – depois que vocês passaram a atuar profissionalmente no meio do seu povo”, concluiu Cid Gomes.

 

Medalha4O agraciado, empresário e chanceler Airton Queiroz, agradeceu a homenagem relembrado a data que tornou o Ceará referência no combate ao trabalho escravo. “Estou muito feliz em figurar ente as personalidades hoje e relembrar o primeiro feito histórico do povo cearense. Uma data que demonstra o esforço de povo e que torna o Ceará um destaque nacional”, disse. O artista Sérvulo Esmeraldo discursou rememorando a importância dos outros dois agraciados. “Foi uma feliz escolha dos agraciados desse ano, ao modo que cada um contribui para o desenvolvimento do nosso Estado. Agradeço profundamente aos amigos, ao povo cearense, e que posso dizer no mínimo é o meu muito obrigado”, destacou.

 

A empresária Luciana Alcântara Dummar recebeu a Medalha da Abolição em nome do seu pai, Demócrito Dummar (in memoriam). Emocionada, agradeceu a homenagem prestada ao jornalista. “Pelas minhas mãos eu seguro as mãos do meu pai. Receber essa homenagem tem um caráter de parar e refletir sobre quem fez muito pela comunicação do Ceará. Espero que ele esteja feliz por receber essa homenagem de um homem que sempre honrou a história do meu pai, o governador Cid Gomes. Meu pai é um homem que deve ser lembrado sempre, um exemplo de quem viveu e morreu da forma que quis. Meu muito obrigado”, finalizou Luciana Dummar.

 

Os homenageados:

 

Airton Queiroz

 

Medalha5Nasceu em Fortaleza, Capital do Estado do Ceará, em 14 de agosto de 1946, primogênito do casal Edson Queiroz e Yolanda Vidal Queiroz, que teve seis filhos. É viúvo da Sra. Celina Leal Queiroz, de cujo consórcio nasceram os filhos Patrícia e Edson Neto, os quais lhe deram cinco netos.

 

Fluente em inglês e francês, é graduado em Ciências Econômicas, tendo iniciado o curso na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, e concluído o bacharelado na Universidade Federal do Ceará, em 1970. Ainda cursando a Faculdade de Economia, começou a trabalhar nas empresas do pai, que lhe ministrou treinamento e orientação profissional. A experiência adquirida nesse período o habilitou a assumir a Direção Executiva do Grupo Edson Queiroz, em junho de 1982, com apenas 36 anos, em decorrência da morte prematura de seu genitor.

 

Com o apoio de sua mãe, D.Yolanda Queiroz, ele consolidou e multiplicou os negócios do conglomerado empresarial que figura entre os maiores do Brasil e oferece mais de 15 mil empregos diretos, atuando em setores variados em que se destacam: a educação superior, a distribuição de gás de cozinha, água mineral e refrigerantes, a indústria de eletrodomésticos, castanha de caju, agropecuária e o grupo de comunicação, que engloba rádio, televisão e jornal.

 

Medalha6UNIVERSIDADE DE FORTALEZA

 

Em junho de 1982, assumiu o cargo de Chanceler da Universidade de Fortaleza e a presidência da Fundação Edson Queiroz, entidade privada sem fins lucrativos e mantenedora da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), criada por seu pai, em 1973. Sob sua administração, o “campus” universitário, com 720 mil metros quadrados, foi expandindo amplamente, com a criação do Parque Esportivo, do Teatro Celina Queiroz e do Espaço Cultural, que têm promovido sistematicamente os esportes olímpicos e as atividades artísticas. Ele construiu o Núcleo de Atenção Médica Integrada, onde realizam-se mais de 370 mil atendimentos de saúde por ano à população carente da Comunidade do Dendê e adjacências; o prédio da Biblioteca Central, hoje, com um acervo de mais de 300 mil obras; bem como o prédio do Centro de Convivência dos alunos. Destacam-se também, na infraestrutura da Universidade de Fortaleza, a Clínica Multidisciplinar e a Clínica Integrada de Odontologia, realizando mais de 63.000 procedimentos por ano, com mais de 12 mil pacientes atendidos, beneficiando toda a Comunidade do Dendê e adjacências; além do Escritório de Prática Jurídica, contabilizando mais de 15 mil atendimentos por ano.

 

Suas iniciativas de modernização das instalações físicas e de qualificação pedagógica dilataram extraordinariamente a abrangência acadêmica da UNIFOR, contando atualmente com 300 salas de aula e mais de 230 laboratórios, fato reconhecido publicamente e pelo qual ela mereceu o título de Melhor Universidade Privada do Norte e Nordeste, nos anos de 2009, 2010, 2011, 2012 e 2013, atribuído pelo Guia do Estudante da Editora Abril. A UNIFOR conta, atualmente, com mais de 25 mil alunos em seus 40 cursos de graduação e mais de 70 cursos de pós-graduação, em nível de Especialização e MBA, 5 programas de Mestrado e 6 programas de Doutorado; tendo graduado mais de 65 mil alunos até 2013.2. Conta, ainda, com um corpo docente com aproximadamente 1.100 professores, sendo mais de 80% mestres e doutores.

 

RESPONSABILIDADE SOCIAL

 

A Responsabilidade Social é uma preocupação constante do Chanceler, por isso investe em cursos de capacitação da comunidade do Dendê, na inclusão social, na educação de crianças carentes e em projetos ambientais de grande relevância local e nacional. Essas iniciativas são consolidadas através da Escola de Aplicação Yolanda Queiroz, do Núcleo de Gestão e Estudos Ambientais, do Centro de Formação Profissional e Responsabilidade Social, todos estes vinculados a Vice-Reitoria de Extensão da Universidade de Fortaleza. Os muitos e constantes projetos nesse setor já renderam à Universidade de Fortaleza vários prêmios e menções honrosas nacionais, classificando a UNIFOR como Instituição Socialmente Responsável.

 

A Escola de Aplicação Yolanda Queiroz, fundada em 1982, atende diretamente a 550 crianças, entre 4 e 10 anos de idade, oferecendo gratuitamente Educação Infantil e Ensino Fundamental I de qualidade a filhos de funcionários da UNIFOR e da Comunidade do Dendê.

 

O Centro de Formação Profissional e Responsabilidade Social é responsável pela capacitação profissional da população carente da Comunidade do Dendê, com o objetivo principal de inseri-la no mercado de trabalho. De 2002 a 2013, foram formadas aproximadamente 18.000 pessoas, nas áreas de informática, conserto de eletrodomésticos, instalações elétricas, línguas, organização de eventos, secretariado básico, funções administrativas, entre outras. Além disso, o Projeto Copa Mais, uma parceria entre a UNIFOR e a Secretaria da Copa do Governo do Estado do Ceará, foi firmado em 2013, com o objetivo de promover a formação profissional de mais de 12.000 pessoas, tendo em vista a necessidade de mão de obra qualificada para dar suporte à Copa de 2014, da qual a cidade de Fortaleza será uma das sedes.

 

ARTE

 

Em 1988, a Universidade de Fortaleza (UNIFOR) inaugurou seu Espaço Cultural com o objetivo de sediar grandes exposições e promover o desenvolvimento da arte em sentido amplo no Estado do Ceará. Durante anos, abrigou a “UNIFOR Plástica”, importante mostra que reuniu o melhor da produção cearense contemporânea. Muitos foram os olhares que prestigiaram a beleza e o sentido de sucessivas exposições de artes plásticas entre 1988 e 1991. Em 2004, o Espaço Cultural passou por uma reforma física, tendo sido reaberto após quatro meses, ocupando uma área de 1,2 mil metros quadrados, dotada de instalações e equipamentos, que se encontram dentro das normas museológicas do Conselho Internacional de Museus (ICOM).

 

Ainda no campo da Arte, merecem destaque as apresentações teatrais que acontecem no Teatro Celina Queiroz, o qual é referência de cultura no Estado do Ceará, tendo sido um projeto concebido e integralmente apoiado pelo Chanceler Airton Queiroz. O Teatro Celina Queiroz é um reconhecido espaço de divulgação das artes cênicas no estado do Ceará, com capacidade para mais de 300 pessoas, além de palco de eventos acadêmicos e culturais da Universidade de Fortaleza, bem como de manifestações artísticas da cidade. Inaugurado em 06 de junho de 2003, sedia o “Projeto Teatro Celina Queiroz Grandes Espetáculos”, com o objetivo de inserir Fortaleza no circuito brasileiro das principais produções nacionais.

 

Toda a renda arrecada é revertida para um fundo de fomento a produções de artes cênicas locais e conta com apoio da Lei de Incentivo a cultura. Com os recursos do fundo de cultura, a Universidade investe e apoia montagens e temporadas de peças, promovendo uma grande circulação das produções locais.

 

Dentre os projetos apoiados estão os projetos de “Temporadas Infantis”, com 29 espetáculos e uma estimativa de público, no período de 2005 a 2013, superior a 65.000 pessoas; além dos espetáculos em parceria e grandes recitais nacionais e internacionais de música clássica.

 

RESPONSABILIDADE ASSOCIATIVA

 

Ele participou de entidades de classe, como vice-presidente do Centro Industrial do Ceará; foi membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT); diretor secretário do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado do Ceará; diretor da Associação Brasileira das Indústrias de Castanha de Caju e vice-presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (SINDIGAS).

 

TÍTULOS E PRÊMIOS

 

Em sua trajetória, recebeu títulos, medalhas e diplomas honorários de instituições culturais e associativas pelas ações de incentivo e apoio às respectivas atividades. Especialmente convidado, integrou a comitiva do Excelentíssimo Senhor Presidente da República do Brasil, João Batista Figueiredo, que visitou oficialmente a República Popular da China em 1984.
Em 2013, a Universidade de Fortaleza completou 40 anos de sua fundação, tendo sido amplamente homenageada pelas principais instituições públicas e privadas, nos cenários regional e nacional, a exemplo da Assembleia Legislativa e do Senado Federal.

 

Homem de visão, empreendedor e consciente de sua responsabilidade social, amante das artes e da natureza, o Chanceler Airton Queiroz continua a escrever sua história pautada em valores que muito o dignificam como empresário e ser humano, mantendo-se comprometido com o desenvolvimento regional, não poupando esforços e investimentos nas áreas em que suas empresas atuam: a educação superior, a distribuição de gás de cozinha, água mineral e refrigerantes, a indústria de eletrodomésticos, castanha de caju, agropecuária e o grupo de comunicação, que engloba rádio, televisão e jornal.

 

Demócrito Dummar (in memoriam)

 

Medalha7Jornalista por profissão, Demócrito Rocha Dummar era bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Assumiu a presidência do O Povo em 1985, jornal fundado por seu avô, Demócrito Rocha, em 7 de janeiro de 1928. Demócrito nasceu em 12 de março de 1945, em Fortaleza, e morreu em 25 de abril de 2008, na mesma cidade.

 

Seu maior legado é a marca humanista que imprimiu em seu jornal, desenvolvendo o que ele chamava de “jornalismo voltado para a cidadania”, criando instrumentos de participação dos leitores e da sociedade, como o Conselho Editorial, o Conselho de Leitores e a instituição do cargo de ombudsman.

 

Ao fundar a rádio AM do Povo, em 1982, hoje O Povo/CBN, deu continuidade a outra tradição familiar no ramo das comunicações. Seu pai, João Dummar, foi fundador da primeira emissora em território cearense, a Ceará Rádio Clube – também conhecida como PRE-9 – em 1934.

 

A preocupação de Demócrito com os rumos do jornalismo fizeram-no também dirigente classista, tendo sido um dos fundadores da Associação Nacional de Jornais (ANJ) e duas vezes presidente da Associação Cearense de Rádio e Televisão (ACERT).

 

MedalhaA missão educativa, que ele via como característica fundamental da imprensa, está nos últimos projetos deixados por ele: a convergência das mídias, por meio do portal O Povo.com, e a TV O Povo, televisão pública voltada ao jornalismo, à educação e à cultura, com as transmissões iniciadas em 2007.

 

A forma como ele comandava O Povo pode ser descrita por uma de suas frases lapidares: “a hierarquia é uma mesa redonda”.

 

Todas as suas ações tinham como norte a defesa dos interesses do Ceará e de sua gente, que ele amava profundamente.

 

O seu legado desafiador foi acolhido pelos sucessores, que abraçaram com responsabilidade e alegria a tarefa de continuar a obra de Demócrito Rocha Dummar, que agora é patrono da cadeira de no. 19, ocupada pelo jornalista e advogado Fernando José Dantas de Castro.?

 

Sérvulo Esmeraldo

 

Medalha2Nasceu no Crato, Ceará, em 1929. Escultor, gravador, ilustrador e pintor, dedica-se no início de sua carreira artística, à xilogravura. A partir de 1947, em Fortaleza, frequenta a Sociedade Cearense de Artes Plásticas – SCAP e mantém contato com Antonio Bandeira (1922 – 1967) e Aldemir Martins (1922 – 2006). Nesse período, tem aulas de pintura com Jean-Pierre Chabloz (1910 – 1984). Em 1951, trabalha na montagem da 1ª Bienal Internacional de São Paulo. Após o encerramento da bienal, passa a residir em São Paulo, exerce a função de gravador e ilustrador no Correio Paulistano e tem contato com Marcelo Grassmann (1925) e Lívio Abramo (1903 – 1992). Em 1956, funda o Museu de Gravura, na sua cidade natal, o Crato, no Ceará.

 

Em 1957, realiza individual no Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM/SP e viaja para a Europa com bolsa do Governo Francês. Os primeiros anos em que viveu na França foram de aprendizado, de iniciação nas técnicas da gravura em metal e litografia. Estuda litografia na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts e tem acesso às obras raras da Bibliothèque Nationale de France, o que lhe permite estudar a gravura de Albrecht Dürer. Esses estudos o levam a criar uma linguagem própria, baseada nas artes gráficas. Em 1959, com orientação de Johnny Friedlaender, inicia seu trabalho de gravura em metal. As obras deste período guardam influências do abstracionismo lírico que vigorava na capital parisiense naquele momento.

 

Medalha3Em meados dos anos 1960 integra o Movimento da Arte Cinética, quando realiza as obras excitáveis – quadros e objetos movidos pela eletricidade eletrostática. Retorna ao Brasil em 1978, trabalhando em projetos de arte pública, incluindo suas esculturas monumentais na paisagem urbana de Fortaleza, cidade onde vive e trabalha desde 1980, e que hoje abriga cerca de 40 de suas esculturas urbanas. Foi o idealizador e curador das exposições Internacional de Esculturas Efêmeras (Fortaleza/Ce, 1986 e 1991).

 

Sérvulo Esmeraldo participou de diversas exposições, entre elas: 6º SALÃO PAULISTA DE ARTE MODERNA (1957), 5ª, 6ª, 7ª E 19ª EDIÇÕES DA BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO (1959, 1961, 1963, 1987), 14ª TRIENAL DE MILÃO, 1967 – ITÁLIA, EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE GRAVURA 1970 – CRACÓVIA – POLÔNIA, PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, NO MAM/SP, 1974, SÃO PAULO – SP, UM SÉCULO DE ESCULTURA NO BRASIL, NO MASP, 1982 – SÃO PAULO – SP, BRASIL + 500 ANOS: MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, NA FUNDAÇÃO BIENAL, 2000 – SÃO PAULO – SP, sua obra está representada nos principais museus do país e em outras coleções públicas e privadas do Brasil e exterior.

 

25.03.2014

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

Casa Civil (comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 85 3466.4898)