BRICS: Seminário preparatório acontece nesta terça-feira (29) na Unifor

28 de Abril de 2014

O Governo do Estado do Ceará, o Ministe?rio das Relac?o?es Exteriores, a Fundac?a?o Alexandre de Gusma?o e a Universidade de Fortaleza (Unifor) realizam na próxima terça-feira (29) o seminário preparatório para a VI Conferência de Cúpula do BRICS, que acontecerá no mês de julho no Centro de Eventos do Ceará (CEC). A abertura do evento será no Audito?rio da Biblioteca Central, da Unifor, das 09 horas a?s 18 horas, com transmissa?o para os Audito?rios A1 e A4, e será feita pelo governador Cid Gomes. O seminário terá as presenças de representantes dos países que compõem o BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul -, bem como de acade?micos e intelectuais vinculados a? a?rea de relac?o?es internacionais.

 

Os cinco pai?ses que integram o BRICS consolidam-se como atores internacionais de crescente relevo, tanto no plano poli?tico como na a?rea econo?mico-financeira. Ale?m de definirem mais de 30 a?reas de cooperac?a?o entre si, os BRICS coordenam atualmente suas posic?o?es nas Nac?o?es Unidas, no G-20, no Banco Mundial e no FMI, aumentando, em func?a?o disso, a sua importa?ncia nesses foros. Todos os pai?ses do BRICS sediaram pelo menos uma Cu?pula. Os encontros precedentes foram realizados em Ecaterimburgo, Ru?ssia (2009); Brasi?lia (2010); Sanya, China (2011); Nova De?lhi, I?ndia (2012) e Durban, A?frica do Sul (2013). E, em 2014, será em Fortaleza.

 

BRICS

 

A ideia do BRICS foi formulada pelo economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O´Neil, em estudo de 2001, intitulado “Building Better Global Economic BRICs”. Fixou-se como categoria da análise nos meios econômico-financeiros, empresariais, acadêmicos e de comunicação. Em 2006, o conceito deu origem a um agrupamento, propriamente dito, incorporado à política externa de Brasil, Rússia, Índia e China. Em 2011, por ocasião da III Cúpula, a África do Sul passou a fazer parte do agrupamento, que adotou a sigla BRICS.

 

O peso econômico dos BRICS é certamente considerável. Entre 2003 e 2007, o crescimento dos quatro países representou 65% da expansão do PIB mundial. Em paridade de poder de compra, o PIB dos BRICS já supera hoje o dos EUA ou o da União Europeia. Para dar uma ideia do ritmo de crescimento desses países, em 2003 os BRICs respondiam por 9% do PIB mundial, e, em 2009, esse valor aumentou para 14%. Em 2010, o PIB conjunto dos cinco países (incluindo a África do Sul), totalizou US$ 11 trilhões, ou 18% da economia mundial. Considerando o PIB pela paridade de poder de compra, esse índice é ainda maior: US$ 19 trilhões, ou 25%.

 

Até 2006, os BRICs não estavam reunidos em mecanismo que permitisse a articulação entre eles. O conceito expressava a existência de quatro países que individualmente tinham características que lhes permitiam ser considerados em conjunto, mas não como um mecanismo. Isso mudou a partir da Reunião de Chanceleres dos quatro países organizada à margem da 61ª. Assembleia Geral das Nações Unidas, em 23 de setembro de 2006. Este constituiu o primeiro passo para que Brasil, Rússia, Índia e China começassem a trabalhar coletivamente. Pode-se dizer que, então, em paralelo ao conceito “BRICs” passou a existir um grupo que passava a atuar no cenário internacional, o BRIC. Em 2011, após o ingresso da África do Sul, o mecanismo tornou-se o BRICS (com “s” maiúsculo ao final).

 

Como agrupamento, o BRICS tem um caráter informal. Não tem um documento constitutivo, não funciona com um secretariado fixo nem tem fundos destinados a financiar qualquer de suas atividades. Em última análise, o que sustenta o mecanismo é a vontade política de seus membros. Ainda assim, o BRICS tem um grau de institucionalização que se vai definindo, à medida que os cinco países intensificam sua interação.

PROGRAMAÇÃO – 29 de abril de 2014

Atividades

9h30min

Solenidade de Abertura Oficial do Seminário:

Exmo. Senhor Governador do Estado do Ceará – Cid Ferreira Gomes

Mesa de abertura

Magnífica Reitora da UNIFOR – Fátima Fernandes Veras

Representante do Ministério das Relações Exteriores – Embaixador José Alfredo Graça Lima

Presidente da FUNAG – Embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima

Manhã

Mesas

Participantes

9h45min

O CEARÁ COMO DESTINO INTERNACIONAL

Secretário de Turismo do Governo do Estado do Ceará

10h

A CONTRIBUIÇÃO DA FUNAG À PREPARAÇÃO DA VI CÚPULA DO BRICS

Embaixador Sérgio Eduardo Moreira Lima – Presidente da FUNAG

10h15min

A PERSPECTIVA DO GOVERNO BRASILEIRO PARA A VI CÚPULA

Embaixador José Alfredo Graça Lima – Subsecretário-geral de assuntos políticos II do Ministério das Relações Exteriores

10h35min

A VISÃO DA RÚSSIA

Embaixador Sergey P. Akopov

10h55min

INTERVALO

11h15min

A PERSPECTIVA DA ÍNDIA

Embaixador Ashok Tomar

11h35min

A VISÃO DA CHINA

Embaixador Li Jinzhang

11h50min

A PERSPECTIVA DA ÁFRICA DO SUL

Embaixador Mphakama Nyangweni Mbete

12h15min

às 12h30min

Discussão

13h

Intervalo para Almoço

Tarde

Mesas

Participantes

15h

Lições do foro acadêmico do BRICS.

Dr. Renato Baumann das Neves – IPEA – Brasil

15h30min

Uma visão MACROECONOMICA do Ceará para o BRICS.

Prof. Dr. Adriano Sarquis Bezerra de Menezes – IPECE – Ceará

16h

Inserção Econômica Internacional da Região Nordeste.

Dr. Francisco Raimundo Evangelista – Coordenador de estudos e pesquisas do BNB – ETENE.

16h30min

BRICS de 2001 a 2014: História, avaliação e perspectivas.

Ministro Flávio Soares Damico – Diretor do Departamento de Mecanismos Inter-regionais do MRE.

17h

Expectativas de Cooperação acadêmica entre a CAPES e o BRICS.

Prof. Dr. Martônio Mont’Alverne Barreto Lima – Prof. Titular da UNIFOR e Coordenador da área de Direito da CAPES.

17h30

ENCERRAMENTO

 

28.04.2014

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

Casa Civil (comunicacao@casacivil.ce.gov.br – 85 3466.4898)