Dragão do Mar: Programação cultural da semana de 17 a 23 de novembro

14 de novembro de 2014

? III Festival Internacional de Folclore do Ceará

 

 

De 20 a 23 de novembro, o Instituto União de Arte Educação e Culturas Populares, com a promoção da Encena Produções, recebe em Fortaleza 18 grupos de tradições e cultura popular de vários estados do Brasil e da Colômbia para a terceira edição do Festival Internacional de Folclore do Ceará, que já é um dos maiores do Norte-Nordeste. A programação abre no dia 20 com a realização de um seminário e apresentação artística em comemoração ao dia da Consciência Negra.

 

 

A programação acontece de forma itinerante tendo o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura como palco principal, porém outros espaços e equipamentos culturais receberão também essa Mostra Artística, como: Mercado dos Pinhões, Cagece, Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, Centro Cultural Bom Jardim, Teatro Carlos Câmara, Colégio Agnus, North Shopping Fortaleza, Via Sul Shopping, North Shopping Jóquei, Cuca Mondubim, Asilo Casa de Nazaré e projetos sociais. Além de apresentações, o festival propicia aos artistas do Ceará oficinas e vivências, aula espetáculo e encontros de formação.

 

 

O Festival busca contribuir para o intercâmbio e disseminação dos saberes e fazeres culturais entre os povos fortalecendo a cultura popular, simbolizada pela integração e qualidade artística dos grupos presentes ao evento. Trata-se de um evento que trabalha formação, capacitação e entretenimento com oficinas, vivência, seminário, intercâmbio, aula-show e apresentações de Danças Populares envolvendo Grupos Folclóricos de Projeção Nacionais e Internacionais.

 

 

Um dos destaques é o grupo colombiano Corporación Dancística Matices – (Medellin), além das atrações já confirmadas de Pernambuco, Pará e Mato Grosso e 12 grupos cearenses sendo 10 de Fortaleza e dois do interior do Ceará, Senador Pompeu e Umari. Aguardamos a confirmação da Bolívia e do Rio Grande do Sul.

 

 

Sobre o projeto

 

 

O Festival Internacional de Folclore do Ceará já recebeu mais 1.400 artistas e 44 grupos de projeção até sua 2ª edição, recebendo inclusive o reconhecimento como um dos maiores encontros das tradições folclóricas do País. Em 2012 o festival cumpriu o anseio de grupos e público, que queriam muito um evento dessa expressão. Em 2013 ampliou a programação, passou pelo crivo de folcloristas, pesquisadores, jornalistas e críticos, fixou-se no calendário oficial e torna o Ceará como um grande palco da cultura popular brasileira que vem sendo procurado pelos grupos internacionais e nacionais.

 

 

A organização do Festival Internacional de Folclore do Ceará, em sua 3ª edição, homenageia Lourdes Macena (professora, folclorista e pesquisadora da cultura popular); Lyrysse Porto (pioneira e incentivadora dos grupos de danças folclóricas de idosos, ex-diretora do Teatro São José e do Museu do Maracatu Cearense) e Francisco Silva de Freitas (in memorian) (professor, folclorista e pesquisador da cultura popular), além do Grupo Parafolclórico Terra da Luz.

 

 

Sobre as atrações

 

Na abertura teremos o espetáculo CeArial com o Grupo Parafolclórico Fulô do Sertão de Senador Pompeu/CE. Em homenagem a Ariano Suassuna o grupo apresenta o caldeirão de cultura popular brasileira sobre Movimento Armorial fazendo a ligação de ritmos como o maracatu rural de Pernambuco e o Maracatu do Ceará, xote, xaxado, forró coco e baião fazendo uma dobradinha cultural. CeArial traz os encantos do Movimento Armorial e invadem os terreiros cearenses.

 

 

A Coorporación Dancística Matices de Medellín da Colômbia é um dos destaques internacionais. O trabalho se caracteriza pela criação de montagens coreográficas onde a tradição é representada pela cultura e costumes de várias regiões do país. Desta forma, dá ao espectador uma mostra de folia das próprias danças, as idiossincrasias das danças do interior com sua espontaneidade e sentimento, a elegância da dança de salão e o foowork desafiador das planícies oriental. Tudo isto acompanhada de uma proposta cênica onde dança mesclada de forma sutil folk com elementos técnicos da dança clássica, recria um novo estilo, onde predomina a elegância e versatilidade.

 

 

O Grupo de Xaxado Cabras de Lampião é um musical de dança de Serra Talhada, no estado de Pernambuco. É um dos maiores divulgadores da dança xaxado e mantém a originalidade e autenticidade conforme criada pelos bandoleiros do sertão. É uma trupe de artistas sertanejos – exatamente da cidade que nasceu Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião – que reproduziu no palco como os cangaceiros se divertiam nas caatingas, nos intervalos dos combates. O espetáculo conduz o espectador a um mergulho no mundo místico do sertão.

 

Os grupos convidados apresentam uma diversidade de ritmos e danças: maracatu, ciranda, lundu, siriri, carimbó, boi, curussê, coco, dança do congo, baião, xote, xaxado, puxada de rede, caninha verde, cumbia, pasillo, vueltas antioqueñas, merengue campesino, fandango, abozao, jaleo sanjuanero, bambuco, porro chocano e danças espanhola.
_Dias 20, 21, 22 e 23 de novembro, a partir das 19h, na Praça Verde. Acesso livre. Informações: (85) 3023.3064. Site: www.festivaldefolcloredoceara.com.br

 

 

Assessoria de Imprensa: Aécio Santiago (85) 8723.1539 /9906.2147 aeciofsantiago@gmail.com

 

 

? Show Histórias de Luz – Calé Alencar & Pingo de Fortaleza
100 anos sem Dragão do Mar e 130 anos da Abolição no Ceará em Livro e CD
O show Histórias de Luz, com os artistas Calé Alencar & Pingo de Fortaleza acontecerá no dia 20 de novembro de 2014, Dia Nacional da Consciência Negra, às 20 horas, no Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte & Cultura. Por ocasião do show, será lançado o projeto Histórias de Luz – 100 Anos sem Dragão do Mar e 130 da Abolição no Ceará, composto de livro e CD, abordando através das linguagens da literatura, artes visuais e música a figura do líder abolicionista Francisco José do Nascimento, o Dragão do Mar, e o acontecimento da abolição no Ceará, além de temas correlatos a estes segmentos.

 

 

Parceiros de muitas andanças, o caminhar compartilhando de Calé Alencar & Pingo de Fortaleza tem início pelo fato de ambos serem nascidos sob o mesmo sol de Fortaleza, e pelo exercício do diálogo mantido em suas respectivas carreiras artísticas, entre casos e ocasos com os quais, ao longo das trajetórias individuais e coletivas, a vida os presenteou com momentos de parceria e partilha. A união dos dois artistas já resultou em outros projetos, a exemplo do CD Dragão Vivo, em parceria com o cantor e compositor Dilson Pinheiro, lançado no ano de 2000.

 

O projeto Histórias de Luz – 100 Anos sem Dragão do Mar e 130 da Abolição no Ceará, organizado por Calé Alencar e Pingo de Fortaleza, resultou em livro com textos assinados por Alex Ratts, Descartes Gadelha, Francisco Pinheiro, Gilmar de Carvalho, Guaracy Rodrigues, Hilário Ferreira, Ivaldo Paixão e Zé Melancia, além de um texto assinado pelos próprios organizadores, que dialogam com as ilustrações de Descartes Gadelha e as canções de Calé, Pingo e os parceiros Alan Mendonça, Carlos Pitta, Henrique Beltrão, Descartes Gadelha e Dilson Pinheiro, gravadas no CD que acompanha o livro.

 

Assim, textos canções e desenhos destas Histórias de Luz do livro e CD dialogam não só em torno do Dragão do Mar e da temática da libertação dos escravizados no Ceará, mas vão mais além e refletem sobre nós mesmos e a presença do negro em nossa terra com suas lutas, sua (in)visibilidade, suas irmandades e comunidades, seus entrelaçamentos e casamentos, suas festas, figuras históricas, movimentos, formas de viver e de se organizar, suas magias, paixões e sobre a produção artística que tudo isso inspira e faz criar, porque estas Histórias de Luz são também as nossas histórias aqui (re)cantadas e (re)desenhadas pelas luzes de todos que se agruparam para sua construção.

 

O CD Histórias de Luz, produzido por Calé Alencar e Pingo de Fortaleza, contou com a direção musical de Edmundo Júnior e Luizinho Duarte, a participação dos músicos Adelson Viana, Cristiano Pinho, Felipe Cazaux, Heriberto Porto, Marcus Vinnie e Pantico Rocha, além da participação dos músicos da banda Donaleda, do Quarteto Cearense de Cordas e do Trio de Metais.

 

No show de lançamento, que ocorre no próximo dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, às 20 horas, no Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Calé Alencar e Pingo de Fortaleza estarão acompanhados dos músicos Luizinho Duarte, Edmundo Júnior, Marcus Vinnie, Descartes Gadelha e Kadu Lopes, entre outros.

 

O projeto Histórias de Luz – 100 Anos sem Dragão do Mar e 130 da Abolição no Ceará é uma realização da Associação Cultural Solidariedade e Arte – Solar em parceria com a Casa da Memória Equatorial, contando com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Ceará e da Coelce, por meio da Lei de Incentivo à Cultura do Estado do Ceará (Lei do Mecenato). O show de lançamento é uma iniciativa do Centro Dragão do Mar de Arte & Cultura e da Ceppir – Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para a Promoção da Igualdade Racial, com entrada franqueada ao público.
_Dia 20, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Acesso gratuito.

 

Contato: Calé Alencar (8890.1317) / Pingo de Fortaleza (9987.2365)

 

 

? Espetáculo Made in Ceará [teatro adulto]

Imaginem as diferenças culturais entre brasileiros e americanos. Agora, imaginem estas diferenças do ponto de vista do humor cearense, através do olhar criativo e particular de um cearense naturalizado americano. É neste contexto que se insere o espetáculo “Made in Ceará”, monólogo protagonizado por Edmilson Filho, premiado ator de cinema, que iniciou sua carreira como humorista. Tocando em assuntos diversos, o ator leva o público a uma viagem fascinante de lembranças e comparações sobre as realidades dos dois países de uma forma engraçada e original.

 

Da diferença entre um mero diálogo em uma fila da Disney nos EUA e uma fila em um terminal de ônibus qualquer no Ceará a assuntos mais complexos, como as formas de abordagens das professoras infantis aos pais dos alunos, o espetáculo discorre com muito humor e um olhar único e inédito do contraste cultural que, ao contrário do que muitos imaginam, diferenciam drasticamente Brasil e EUA.

 

Se os EUA tem no Super-Homem, Homem-Aranha, dentre outros, suas referências de histórias de super-heróis, no Brasil temos o Saci-Pererê. Em compensação, quando o Saci resolve lutar, todo chute é uma “voadora”.

 

Sem perder a autoestima diante das dificuldades sofridas para a adaptação em um país “estranho” e sem falar a língua, o exemplo do Saci reflete o olhar observador e bem humorado de Edmilson, que a partir de tais observações começou a criar um paralelo entre as duas culturas, resgatando memórias de infância e unindo-as às novas experiências que transitam por temas como as relações familiares, inseguranças, sexualidade, festas, consumo de bebidas, linguagens e expressões corporais, dentre vários outros temas divertidos e até mesmo insólitos.

 

O espetáculo MADE IN CEARÁ não é só humor, mas um brinde a nossa cearensidade. As sutilezas da vida passam ali, mostrando especificidades nossas que só um cearense entende de verdade. A comparação ao povo americano nos faz pensar o quanto somos diferentes, mas o quanto somos de verdade, o quanto somos a nata do lixo, o luxo da aldeia, somos do Ceará, como diz Ednardo em Terral.

 

Carregamos na bagagem um palavreado só nosso, repleto de afetações, transgressões, mas que representa o que há de mais importante em um povo: a sua cultura. Dizer “o cão comendo mariola”, “menino amofinado”, “Aí dentro” é tão legítimo quanto um “Oh my God” dos americanos, e não nos faz grosseiros ou rudes, pelo contrário, nos faz gente, gente com toda a intensidade da palavra. Edmilson incorpora o cearense feliz e realizado que traz na pele as sentenças de um povo de bem com a vida. Por ser cidadão americano e presenciar as especificidades desse povo, consegue como ninguém retratar o seu dia a dia. Comparar as várias situações do cotidiano desses povos (cearenses e americanos) é no mínimo inusitado, pois quem os conhece sabe que há uma cratera entre os dois. Mas aí é que está o grande charme de MADE IN CEARÁ, mostrar que as diferenças muitas vezes aproximam e que apesar de tão diferentes sempre há uma intersecção. O humor consegue deixá-los em um único patamar: povos diferentes, sem superioridade nem inferioridade.

 

Edmilson consegue ser engraçado não só pelo texto, mas pela apresentação corporal. Os gestos, a fisionomia, os trejeitos dão equilíbrio ao que um ator precisa em cena. O palco é dele e de mais ninguém.
_Dias 21, 22, 23, 28, 29 e 30 de novembro, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos e horário a definir.

Contato: Telefone: 85 8920.9123. Email: tkdusa70@hotmail.com

 

 

?Recital e Feira Cordel com a Corda Toda

 

Tão característica da cultura nordestina, a literatura de cordel tem vez e lugar no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Todo mês, tem Recital e Feira Cordel com a Corda Toda, realizado em parceria com a AESTROFE – Associação de Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará, instituição que congrega boa parte dos poetas populares do nosso estado. A Feira ocorre sempre paralelamente ao recital com os principais expoentes da Literatura de Cordel na atualidade, das 17h às 21h. Os artistas declamarão versos autorais e de vários outros poetas populares.

_Dia 21, às 17h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.

Contato: Klevisson Viana (3217-2891 | 9675-1099 | 8515-8028 / aestrofe@gmail.com)

 

 

? Mostra As Travestidas

 

 

O Coletivo Artístico As Travestidas, atuante desde 2008 em Fortaleza e outras cidades do Nordeste, consiste em um grupo de oito artistas de diferentes vertentes, como teatro, dança, música, vídeo e performance, visando a legitimação da cultura Trans, tão presente em nossa sociedade, mas sempre vítima de preconceito.

 

 

A Mostra As Travestidas irá trazer para o público alguns dos espetáculos que fizeram deste coletivo um dos destaques do cenário cultural do Ceará:

 

21 de Novembro
“UMA FLOR DE DAMA” (50 min) – Texto e direção: Silvero Pereira

22 e 23 de Novembro
“BR-TRANS” (70 min) – Texto: Silvero Pereira – Direção: Jezebel de Carli

_Dias 21, 22 e 23, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia) + 1kg de alimento não perecível

Contato: Fábio Vieira (8681-9930 / fabinho1979@yahoo.com.br)

 

 

? A Arca – Acústico [show musical]
Tributo à banda Legião Urbana

 

 

Através da música, num novo show acústico, a banda procura mostrar grandes sucessos da Banda Legião Urbana. A banda natural do Bairro Bom Jardim já toca a bastante tempo, suas canções românticas, protestantes e profundas, levando o público a refletir nos assuntos abordados no evento. Com um repertório compostas pelas mais belas canções de bandas como Legião Urbana, Rosa de Saron, Engenheiros do Hawai, capital inicial e Outras. Na bagagem a banda já traz apresentações no CCBJ, CAIC, Shopping Bom Mix, Hotel Porto da Aldeia, Praça de Santa Cecília, Barraca Atlantes, Clubes dos Correios e Circo Escola do Bom Jardim. No vocal, violões e baixo Alexandre Queiros, Violões e Guitarras Dalton Victor, no teclado e violões Francisco Iran, e convidados.
_Dia 22, às 20h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.

Contato: Sheila Fernandes 8723-4800 / 9677-5031 / sheilaproducao@gmail.com

 

 

? Quarteto Cearense [Circuito de Música Erudita]
O Quarteto Cearense é um dos grupos solos da Orquestra de Câmara Eleazar de Carvalho e apresenta, todo mês, repertório que vai do barroco ao contemporâneo.
_Dia 23, às 18h, no Auditório. Ingressos R$ 4 e R$ 2 (meia).

Contato: Humberto (8734-5643 / quartetocearense@gmail.com)

 

 

? Homenagem ao Dia da Consciência Negra “Contando um ponto”

Em alusão ao Dia da Consciência Negra, dia 20 de novembro, o Museu da Cultura Cearense oferecerá uma reflexão lúdica sobre as heranças culturais do povo africano, através de contações de histórias e reflexão sobre contos africanos, discutindo assim, a identidade afro brasileira.

_ Dia 21, das 9h às 12h, no MCC. Vagas para grupos que agendarem a visita para a atividade. Informações: 3488-8621 ou educativomcc@dragaodomar.org.br

 

 

 

? Oficina “Meu bairro é um museu”

Como é a paisagem do bairro onde você vive? Qual a sua história nele? Qual monumento o caracteriza? Nesta atividade, você será levado a pensar sobre seu bairro, construindo um sentimento de apropriação da paisagem por meio da criação de lindos postais com fotos, figuras e desenhos de ruas, ladeiras, casas, etc…

_Dia 22, das 16h30 às 18h, no miniauditório do MCC. Vagas: 15 pessoas com 10 anos de idade ou mais. Educadores: Iarla Lima e Joice Forte. Informações: 3488-8621 ou educativomcc@dragaodomar.org.br

 

 

? Oficina Cores e Giros

Como um exercício para a pintura, focando na obra de Ione Saldanha, artista presente na Mostra Carioca, o Educativo MAC convida os visitantes a participarem de uma vivência que dialoga as cores, a visão e a cidade dentro da trajetória da artista, possibilitando, através desta experiência, novos olhares.

_ Dia 22, às 16h, no piso inferior do MAC. Vagas: 10. Classificação etária: 12 anos. Acesso gratuito. Educadores: Ada Ponte e Renata Damasceno.

?

 

Assessoria de Comunicação e Marketing
Instituto Dragão do Mar
Telefones: 85 3488.8625/ 8970.8081