Hospital Regional Norte completa 1 ano de atendimento neurocirúrgico

21 de novembro de 2014

Do total de 272 cirurgias realizadas, 150 foram de artrodese (relacionada à coluna vertebral) e outras 46 cirurgias para retirada de tumor cerebral.

 

No Hospital Regional Norte, o segundo hospital de alta complexidade construído pelo governo Cid Gomes no Interior do Estado, de dezembro de 2013 a outubro deste ano, 557 pacientes vindos da macrorregião de Sobral, de Fortaleza, do Sertão Central, e Região do Cariri passaram por algum tipo de procedimento no Serviço de Neurologia do hospital. Do total de 272 cirurgias realizadas, 150 foram de artrodese (relacionada à coluna vertebral), 19 de cranioplastia, 53 de discectomia lombar (retirada de hérnia de disco), 4 microcirurgias foram necessárias para retirada de tumor medular, e outras 46 cirurgias para retirada de tumor cerebral.

 

 

O Serviço de Neurologia, que completa neste mês de novembro um ano de existência, realiza intervenções neurocirúrgicas inéditas no Ceará. Um exemplo foi quando um jovem de 17 anos de idade, vítima de um grande tumor no tronco encefálico, passou por uma cirurgia de alto risco, mas que contou com um aparato tecnológico de última geração e uma equipe multidisciplinar preparada, sob coordenação do médico neurologista Gerardo Cristino.

 

 

A intervenção, realizada com sucesso, foi possível com o uso de equipamentos de última geração, como um microscópio cirúrgico e um neuronavegador que apresenta imagens do cérebro numa tela de alta resolução) e garante remoções mais amplas das lesões neurológicas, minimizando os riscos de sequelas aos pacientes, já que reduz o tempo cirúrgico em até 50%.

 

 

A máquina é usada em operações de lesões cerebrais profundas, onde não há uma visibilidade aberta durante as cirurgias, como a craniotomia (abertura cirúrgica do crânio). Como este tipo de lesão fica embaixo do cérebro, isso demanda cirurgias extensas para a localização e extração do tumor e, sendo assim, oferece mais risco de sequelas ao paciente. Com o neuronavegador, ocorre uma localização precisa da lesão, com margem de erro de poucos milímetros, resultando em uma craniotomia menor.

 

 

De acordo com a equipe, o paciente de 17 anos apresentava dor de cabeça intensa, vômitos e vista dupla (diplopia e estrabismo). Devido ao bloqueio causado pelo tumor, os exames de ressonância nuclear magnética registraram hidrocefalia, que é o acúmulo de líquido nas cavidades do cérebro. Num primeiro momento, o paciente passou por uma cirurgia emergencial para hidrocefalia, quando é colocado um dreno ventricular para retirada de líquido da cavidade craniana; numa segunda fase, foi feita a retirada do tumor do tronco encefálico, com ajuda de microscópio cirúrgico, neuronavegador e coagulador bipolar. O jovem teve alta hospitalar em 5 dias, sem sintomas. A equipe do HRN postou imagens da cirurgia na internet, disponíveis no link: https://www.youtube.com/watch?v=cRG7aQknLQk&sns=em.

 

 

Os números do HRN apontam, ainda, que a média de adultos que passaram por neurocirurgias foi de 94,2% e 5,8% de pacientes da pediatria. 70% das operações foram de coluna/medula, 20% de crânio/ cérebro, e 10% de nervos periféricos. Do total de cirurgias realizadas em oito meses, 275 foram de pacientes com problemas de coluna/medula; 80 foram encaminhadas para cirurgias de crânio/cérebro, e mais 39 pacientes foram operados por problemas de nervos periféricos.

 

 

Em todos esses atendimentos, os indicadores do HRN apontam uma taxa de infecção na sala de cirurgia de 0,8%, contra 5,8% em instituições de referência da Europa, além da taxa de complicações neurológicas, que mostram 1,3%, contra 2 a 30% nos EUA; a taxa de mortalidade hospitalar apresentada pelo Hospital Regional Norte gira em torno de 1,3%, bem abaixo da médica americana que chega a 9%.

 

 

21.11.2014

Assessoria de Comunicação e Informação da Sesa
Selma Oliveira (85) 3101-5220 / 5221