Centro Pediátrico do Câncer do HIAS é referência no Norte e Nordeste

24 de novembro de 2014

O Hospital Infantil Albert Sabin conta com um centro especializado em tratamento e serviço de diagnóstico precoce do câncer, referência nas regiões Norte e Nordeste do Brasil pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O Centro Pediátrico do Câncer (CPC) é resultado de uma parceria entre o Governo do Estado e a Associação Peter Pan (APP).

 

Formado por uma equipe de profissionais especialistas e qualificados para atendimento a crianças e adolescentes com câncer, o CPC conta com Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusiva para pacientes onco-hematológicos pediátricos; ambulatório de diagnóstico precoce e laboratório. Em 2013, foram registrados 184 novos diagnósticos de câncer infantojuvenil no Ceará. Até o mês de outubro, 15.307 atendimentos foram realizados no Albert Sabin por meio do CPC. A cada mês, 17 novos pacientes iniciam tratamento contra a doença no Hospital. O ambulatório de Oncologia do Hospital Albert Sabin funciona de segunda à sexta-feira, das 07 horas às 17 horas.

 

O câncer é uma doença silenciosa, pois os sintomas podem ser confundidos facilmente com os de outras doenças da infância. Quando diagnosticado no início, a taxa de cura pode ser superior a 70%. Mas para isso, é importante que as ações se iniciem não a partir do diagnóstico e sim, na prevenção. Segundo a coordenadora do Ambulatório de Diagnóstico Precoce do Câncer do Hospital Infantil Albert Sabin, a médica onco-hematologista Nádia Trompiere, quanto mais cedo se descobre a doença, menos agressivo torna-se o tratamento do câncer infantojuvenil. Por isso, o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança por um pediatra já pode alertar tanto os profissionais quanto os pais para lesões suspeitas. “A maioria dos casos de crianças se beneficiam muito por serem vistos mais cedo”, diz.

 

O Hospital Albert Sabin trabalha em parceria com a Associação Peter Pan no treinamento das equipes do Programa Saúde da Família, na capital e no interior. O projeto capacita os agentes, pediatras, enfermeiros e outros profissionais da saúde a reconhecerem os sinais do câncer infantil e assim garantirem o início rápido do tratamento. “Com o treinamento, o diagnóstico tardio diminuiu, o pessoal está mais alerta e já não existe mais fila de espera para o tratamento de crianças com câncer no Ceará”, declara Nádia Trompiere.

 

Há um ano e 10 meses, Marcilene Soares Rodrigues, 15, é acompanhada pela equipe especializada do Hias. Depois de se machucar ao brincar com o irmão, foi um inchaço no braço direito que alertou a mãe de Marcilene a levá-la ao médico. O câncer foi confirmado e, devido ao estado avançado do tumor, foi preciso amputar o braço e iniciar de imediato o tratamento com a quimioterapia. Entre idas e vindas de Itapipoca para Fortaleza por causa do tratamento, a adolescente tem tentado conciliar sua rotina hospitalar com a família, amigos e escola. Para ela não tem sido fácil, ainda não se sente à vontade em conversar sobre o assunto. Mesmo assim, o brilho de seu olhar tímido e o sorriso alegre não despareceram, pois o medo deu lugar a esperança e superação. “Mudou tanta coisa, só tenho que agradecer por hoje ela estar bem”, fala a mãe, Ireuda Soares Rodrigues.

 

24.11.2014

Assessoria de Comunicação do Hias

Helga Santos (imprensa@hias.ce.gov.br / 85 3256.1574)

Twitter: @albertsabince

Facebook: albertsabince