Projeto da Cagece é referência para pesquisa internacional

15 de dezembro de 2014

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) participa de um estudo internacional que busca compreender o que muda em nível de qualidade de vida com a chegada dos serviços de água e esgoto. No Ceará, o foco está sendo a localidade de Cristais, em Cascavel, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), onde a Cagece concluiu, no dia 5 de dezembro, uma obra de água em meio rural e onde atua o Sistema Integrado de Saneamento Rural (Sisar).

 

O projeto reúne pesquisadores do Brasil, da Inglaterra, de Portugal, da Argentina e da Colômbia, além de representantes da Cagece, sendo a Companhia a única entidade fora do círculo acadêmico. O trabalho é coordenado pela universidade de Newcastle (Newcastle University – UNEW), no Reino Unido. O estudo é chamado de Desafio – Democratização da Governança dos Serviços de Água e Esgotos por Meio de Inovações Sociotécnicas.

 

Para perceber as mudanças na qualidade de vida em Cristais, um antropólogo, pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), está morando desde antes de começar a obra e passou pelo período da sua execução junto com os moradores. Após o término da obra, o antropólogo continua em Cristais para vivenciar as mudanças no dia a dia da localidade. Os estudos do Desafio são subdivididos em pacotes, sendo o Sisar estudado por três deles: política institucional, estudos etnográficos e estudo de intervenção. O Sisar já é referência internacional em gestão do saneamento rural, tendo sido modelo para outras experiências no semiárido brasileiro.

 

Com a obra de água em Cristais, os moradores passaram a receber água tratada diretamente na torneira. Para garantir o abastecimento, foram instalados 18.277 metros de rede de distribuição, 344 ligações prediais, estação de tratamento e reservatórios. Para isso foi investido R$ 1.142.445,18, com recursos do Projeto São José III.

 

O projeto Desafio analisa diversas experiências, entre as quais estão o saneamento em favelas, áreas quilombolas e povoados indígenas. Desta forma, a pesquisa é desenvolvida em paralelo em outros estados brasileiros, estudando, por exemplo, comunidades rurais ou urbanas em Pernambuco, Minas Gerais e Rio do Janeiro. Na Argentina, serão avaliadas experiências na Província de Santa Fé e, na Colômbia, na cidade de Cali e na região de Cauca.

 

Além da universidade de Newcastle, também participam a universidade de Coimbra (IMAR-UC, Marine and Environmental Research Centre, Coimbra University), em Portugal. Na América Latina, participam as universidades de Cali (Universidad del Valle – UNIVALLE), na Colômbia, e de Córdoba (Universidad Nacional de Rosario – UNR), na Argentina. No Brasil, além da UFMG, tomam parte dos trabalhos as universidades Federais do Rio de Janeiro (UFRJ) e de Pernambuco (UFPE).

 

15.12.2014

Assessoria de Comunicação da Cagece

Sabrina Lemos (sabrinalemos@cagece.br / 85 3101.1826 – 8878.8932)