Instituto de Prevenção do Câncer alerta sobre prevenção de câncer no útero e mama

2 de fevereiro de 2015

No Dia Mundial do Câncer, em 4 de fevereiro, o Instituto de Prevenção do Câncer (IPC) faz um alerta para a prevenção do câncer do colo do útero e de mama. No IPC, são realizados em média 500 atendimentos por dia, desde consultas ginecológicas a pequenas cirurgias e mamografias a mulheres em tratamento ou suspeita da doença. Nesta quarta-feira (04), durante todo o dia, as pacientes receberão informações, orientações e atividades de educação para prevenção e controle das doenças.

 

O IPC, unidade da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), foi o primeiro serviço de prevenção do câncer no Ceará. Inicialmente realizava somente a prevenção do câncer genital feminino. Depois incorporou outros serviços, entre eles diagnóstico precoce do câncer de mama e pele. O acesso dos pacientes aos serviços ocorre através das centrais de marcação de consultas do Estado e do município de Fortaleza. Mesmo assim, ainda realiza atendimento primário em prevenção do câncer ginecológico por demandas espontâneas, gerando referência secundária interna, o que possibilita a capacitação de profissionais para pesquisas feitas no IPC.

 

Dentre todos os tipos de câncer, o do colo de útero, é o que apresenta um dos mais altos índices de cura, se diagnosticado precocemente. A prevenção da doença é feita através da realização regular de exames preventivos, sobretudo o Papanicolaou, que detecta a doença nos estágios iniciais, aumentando assim as chances de sucesso do tratamento. O exame é simples, e realizado com a coleta de material do colo do útero, utilizando espátula e escovinha. Todas as mulheres que têm ou já tiveram atividade sexual, principalmente aquelas com idade de 25 a 64 anos devem fazer. Mulheres grávidas também podem fazer o preventivo.

 

O meio mais comum de contágio da doença é através da infecção pelo vírus HPV. Além de aspectos relacionados à infecção pelo vírus, outros fatores ligados a imunidade, a genética e ao comportamento sexual parecem influenciar na contaminação. Desta forma, o tabagismo, a iniciação sexual precoce, a multiplicidade de parceiros sexuais e o uso prolongado de contraceptivos orais são considerados fatores de risco para o desenvolvimento de câncer do colo do útero.

 

Já o câncer de mama, os fatores de risco são: idade avançada, exposição prolongada aos hormônios femininos, o excesso de peso e o histórico familiar. Além disso, mulheres que não tiveram filhos ou tiveram o primeiro filho após os 35 anos, não amamentaram, fizeram uso de reposição hormonal, menstruaram muito cedo (antes dos 12 anos) e entraram mais tarde na menopausa (acima dos 50 anos). No entanto, há casos de mulheres que desenvolvem a doença sem apresentar fatores de riscos citados.

 

A mamografia (raios-X das mamas) é o exame mais indicado para detectar precocemente a presença de nódulos nas mamas. O exame clínico e outros exames de imagem e laboratoriais também auxiliam a estabelecer o diagnóstico de certeza. Recomenda-se que o autoexame seja feito todo mês. A mulher deve iniciar o rastreio aos 40 anos e é importante que o exame seja feito anualmente.

 

02.02.2014

Assessoria de Imprensa do IPC/ CIDH/ Lacen

Suzana de Araújo Mont’Alverne (85 3101.1488 / 8768.0618)