Lacen passa a fazer todas as fases do teste do pezinho

11 de Fevereiro de 2015

No Ceará, a triagem neonatal, através do teste do pezinho é feita pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), da rede pública do Governo do Estado, com cobertura nos 184 municípios do Estado. O Lacen já realiza as fases I, II e III, que identificam fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, doença falciforme e fibrose cística – e  nesta semana foi habilitado pelo Ministério da Saúde para a realização da fase IV, que inclui a hiperplasia adrenal congênita, doença genética caracterizada por uma deficiência nas glândulas adrenais (ou suprarrenais), localizadas logo acima dos rins) e a deficiência de biotinidase (patologia na qual o organismo não consegue obter a vitamina biotina, conhecida como vitamina B8, vitamina B7 ou vitamina H –  de maneira adequada) na triagem neonatal de doenças genéticas e/ou congênitas.

 

Quanto mais precoce o diagnóstico, melhor o prognóstico e a taxa de sobrevida. O teste é feito a partir de gotas de sangue colhidas do calcanhar do recém-nascido. A identificação precoce de doenças permite evitar o aparecimento dos sintomas, através do tratamento apropriado, por isso, recomenda-se realizar a coleta para o teste imediatamente entre o terceiro e quinto dia de vida do bebê e as amostras de sangue devem chegar o mais rápido possível ao Lacen. O tempo entre a coleta e a realização do teste é de importância vital para dar início ao tratamento dos casos diagnosticados, que deve começar antes dos primeiros 30 dias de vida.

 

O laboratório cumpre um importante papel para o fortalecimento do Sistema Único de Saúde quando contribui com a prevenção e redução da morbimortalidade provocada pelas patologias triadas. Com 105.670 amostras analisadas nas fases I, II e III em 2014, 67 casos foram diagnosticados no Estado (três para fenilcetonúria, 38 para Hipotireoidismo Congênito, 21 para Anemia Falciforme e cinco para fibrose cística).

 

Na rede pública da Secretaria da Saúde do Estado, os hospitais que garantem o teste do pezinho a todas as crianças que nascem em suas unidades ou são internadas na UTI neonatal são Hospital Infantil Albert Sabin, Hospital Waldemar Alcântara, Hospital Geral César Cals, Hospital Geral de Fortaleza (HGF), Hospital e Maternidade José Martiniano de Alencar e no interior, o Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral.

 

Sobre as doenças

 

A hiperplasia adrenal congênita (HAC) é uma doença genética que causa deficiência nas glândulas adrenais (ou suprarrenais), localizadas logo acima dos rins. A pessoa com HAC não produz corretamente as enzimas necessárias ao funcionamento das glândulas, fazendo com que estas, por sua vez, produzam em menor quantidade os hormônios cortisol e aldosterona e em excesso os androgênicos (hormônios masculinos). Os hormônios participam de várias funções vitais e são responsáveis, entre outras, pela manutenção do nível de glicose (açúcar) no sangue e pela conservação da água e sal no organismo.

 

Já a deficiência de biotinidase é uma doença causada pela deficiência (parcial ou total) da enzima que libera dos alimentos e de proteínas orgânicas a biotina (ou vitamina H). Os sintomas clínicos mais comuns são convulsões, hipotonia, ataxia, problemas respiratórios, atrofia óptica, retardo mental, perda auditiva sensorial, alopécia e erupção cutânea.

 

11.02.2015

Assessoria de Imprensa – Lacen / CIDH / IPC

Suzana de Araújo Mont’Alverne (suzana.alverne@lacen.ce.gov.br / 85 3101.1488 – 9802.6980)