IPF é avaliado como melhor unidade prisional do Brasil para atender a grávidas

6 de Abril de 2015

O Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa (IPF) foi avaliado como a melhor unidade feminina pela pesquisa “Dar à luz na sombra”, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A pesquisa, que relata as condições das grávidas no sistema prisional, foi realizada em 2014 e o resultado foi divulgado no último mês de março no site do Ministério da Justiça. 

De acordo com o estudo, o título de “melhor unidade visitada” foi atribuído graças à interlocução entre gestão prisional e Secretaria de Justiça do Estado do Ceará. “Há política prisional e as políticas advindas da Secretaria são implementadas na unidade”, afirma o estudo, coordenado pela professora e doutora em criminologia, Ana Gabriela Mendes Braga.

“Nas visitas e entrevistas realizadas no Ceará, ficou clara a existência de planejamento, políticas e uniformizações das decisões relacionadas ao cotidiano prisional”, frisa o estudo, que durante nove meses, fez 50 entrevistas formais com pesquisadores, militantes e autoridades do sistema de segurança pública para traçar um diagnóstico focado na produção de políticas públicas para as mais de 35 mil mulheres presas em todo o Brasil, cujo direito de ser mãe muitas vezes é violado.

No Ceará, diferentemente de outros estados, as mulheres, após terem seus filhos, vão para a creche Irmã Marta, situada ao lado do IPF, em uma estrutura à parte do restante da unidade. A criança pode passar um ano ao lado da mãe, podendo ser estendido dependendo de autorização judicial. Após esse período, é entregue aos familiares. Caso não haja nenhum, é levada a um abrigo público, passando a fazer visitas periódicas à mãe, para não perderem os vínculos familiares.

Rosa Maria Lucas, diretora adjunta do IPF, destaca que o Estado oferece a assistência necessária às mães reclusas. “Aqui as internas contam com todo o atendimento médico que necessitam nos períodos pré e pós gestação. Também ofertamos o material de limpeza e higiene, mas é importante dizer também que recebemos muitas doações de fraldas de igrejas e outras entidades. Essas doações são muito importantes, pois muitas dessas famílias não têm condições de comprar esse material”, pontua a diretora adjunta.

Grávidas no IPF
Hoje, 18 internas estão grávidas. Já na creche, são oito mães e oito bebês, mas o espaço tem capacidade para 15 mães e 15 bebês. A creche oferece acompanhamento de nutricionista, fisioterapeuta, ginecologista, terapeuta ocupacional e pediatra. Logo que entram na creche, as mães recebem uma espécie de enxoval e, semanalmente, um kit alimentação para complementar a alimentação do presídio. Semanalmente, recebem também fraldas descartáveis.

 

 

06.04.2015

 

Assessoria de Imprensa da Sejus
Camille Soares – (ascom@sejus.ce.gov.br / 85 3101.2862)

 

Gestor de Célula/Secretarias
Ciro Câmara (ciro.camara@casacivil.ce.gov.br / 85 3466.4898)