Dragão do Mar: confira a programação cultural desta semana

13 de abril de 2015

? Festival Corpo Arte – Body Art Festival 2015

Com a ideia de se criar em Fortaleza mais uma opção para os artísticos corpos cênicos contemporâneos da cidade, realiza-se de 14 a 18 de abril, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, o Festival Corpo Arte – Body Art Festival 2015. Ocupando ainda outras locais da cidade, serão mais de dez atrações gratuitas com grupos de todo o Brasil.

“Elegemos este espaço como o lugar da crítica e da reflexão das práticas das manifestações artísticas do corpo, colocando o CORPO ARTE como RESISTÊNCIA frente ao corpo social da cidade, funcionando como protesto da vida”, afirma o diretor e idealizador do festival, Paulo Lima.

Entre os destaques da programação, está o espetáculo de abertura InstHabilidade, do Grupo de Dança Primeiro Ato, de Belo Horizonte (MG). Depois de 15 anos sem se apresentar em solo cearense, o grupo ganha o palco do Teatro Dragão do Mar, no dia 14 de abril, às 21h. E faz uma segunda apresentação, “Pequenos Atos de Rua”, no dia 15, às 16h, na Praça do Ferreira.

Além das atrações, o Festival tem o objetivo de fomentar a formação e a investigação artística através das oficinas destinadas à partilha dos procedimentos e das questões que orientam as práticas dos artistas convidados. Confira na programação abaixo.

“Nos apresentamos como um evento democrático de ampla participação popular dos nossos artistas que desenvolvem a prática do “Corpo”, como expressão artística, seja no teatro, dança seja na performance, e que contribuem assim para a difusão cultural e construção da memória da arte contemporânea do Ceará”, conclui Paulo Lima.

PROGRAMAÇÃO

Dia 14 – Terça-feira
15h | Teatro São José (Centro) | Livre

Espetáculo “Carona”
Em Dois Companhia de Dança (CE) – Performers: Felipe Araújo e Emanuel Santos

Uma história sobre pistas, aviões e navios. Um duo de dança que acontece no espaço da rua, entre os carros e pedestres.

21h | Teatro Dragão do Mar | Livre

Espetáculo “InstHabilidade”
Grupo de Dança Primeiro Ato (MG) – Concepção e Direção coreográfica: Alex Dias e Suely Machado

O espetáculo é inspirado na condição de estar vivo, de “cair e levantar”, movimentos naturais da vida. A habilidade de lidar com a instabilidade e a instabilidade presente em nossas habilidades, que gera desequilíbrio, ação e vida.

O movimento serve de metáfora para a instabilidade enquanto terreno constante de experimentações e pesquisa. A partir desse pensamento, a montagem propõe habitar o lugar de busca no processo homem-mundo, através da jornada entre a inspiração, a fantasia e as quedas na realidade.

Dia 15 – Quarta-feira
16h | Praça do Ferreira | Livre

Atos de Rua
Grupo de Dança Primeiro Ato (MG) – Concepção, encenação e direção coreográfica: Suely Machado
Em espaços públicos da cidade, inspirados em contos e no realismo fantástico, a cena cotidiana é matéria prima para quadros que se movem e transformam o cenário urbano em ambientes de sonho e possibilidades.

O trabalho dos oito bailarinos envolvidos na criação e no desenvolvimento do trabalho busca aproximar o público na identificação e na transcendência dos movimentos.

18h | Teatro Dragão do Mar | Livre

Espetáculo “Galinhas-Mulheres-Galinhas

Companhia Ponto (CE)
Performers: Tatiana Valente, Maurileni Moreira, Tayana Tavares
Em quê circunstâncias o corpo do Outro pode ser erguido e isto simbolizar uma violência das partes? Em quê caminhos nos deixamos influenciar pelos gritos dos opressores e nos silenciarmos aceitando-nos como vítimas? O que fazer para que tomemos as rédeas do corpo e faça dele o que bem quiser, sem medo, sem culpa, sem regras, respeitando a mim e minhas vontades?

Deixar visível as feridas de todas as agressões físicas, verbais, morais que as mulheres sofrem no dia-a-dia, seja na rua com cantadas sexistas, seja em casa com olhares reprovativos, seja num relacionamento com as privações do quê pode e do quê não pode fazer em busca de ser uma ‘mulher direita’. GALINHAS é um soco no estômago.

21h | Teatro Dragão do Mar | Livre

Espetáculo “Dança Burra II” 
Marcelo Gabriel (MG) 

O primeiro espetáculo de Marcelo Gabriel, o solo Dança Burra (1987), que deu nome à Companhia de Dança Burra, iniciou sua pesquisa em quedas. Estabelecendo um diálogo entre artes plásticas, dança e teatro, criava uma instalação cênica que foi apresentada em coletivas e salões de arte, tendo recebido uma referência especial no XX Salão Nacional do Museu de Arte de Belo Horizonte em 1988.

Dança Burra II aprofunda a análise, tendo como fundamento a construção de signos de poder e dominação, tendo sua estrutura no discurso e influência no corpo da linguagem. Sintoma cronificado pelo adestramento do gesto, seu reflexo no comportamento, normatizando o desejo em um corpo social amputado.

Dia 16 – Quinta-feira
15h | Percurso do Passeio Público à Praça do Ferreira | Livre

Espetáculo “Ele”
Rodrigo Caffer (SP)

Concepção e arte geral: Rodrigo Caffer
Conta-se que havia, em Shangrilá, um elefante que passeava nas costas de um homem… ou seria um homem que passeava à sombra de um elefante? O prêmio para esse esforço era o acesso a um jardim suspenso. Criação em dança que considera os vãos da arquitetura, o que se infla, o que está pleno de possibilidades, o que se expõe e as reformas, perspectivas e relações que esse espaço contempla.

Espetáculo “PontoAR”
Companhia Ponto (CE)
Performers: Tatiana Valente, Maurileni Moreira, Tayana Tavares
PontoAr remete à ideia da repugnância. Não para aqueles atos que reportam a instintos, mas de tudo aquilo que lhe monta a capa da “boa sociedade”, das ações, pequenas corrupções e abusos que se constroem no escuro. A mulher que bebeu demais e está rodeada de amigos que desejam outro fim para sua trajetória.

A menina que sorri para o transeunte, que lhe rouba o pirulito de suas mãos. A bailarina que se vê obrigada a sentar no sofá e deixar sua sapatilha estendida no cabide da porta, que se tranca para seus ideais. Ar nem sempre é sopro de vida.

Surpresa? De onde vem? O que vem? Respirares de epifanias femininas. Coletivo desconjuntado que carrega em suas memórias narrações de invasões ao seu corpo. De tudo isto, PontoAr é um salto para o escuro.

20h | Teatro Dragão do Mar | Livre

Espetáculo “Palafitas”
Grupo Fuzuê (CE)

Performers: Edmar Cândido, Eric Vinícius
É uma proposição de equilíbrio entre dois corpos, ora sobre mãos e pés, ora reconstruindo formas de estar no outro. A sustentação do corpo sobreposto se da pela busca de eixos estáveis, remetendo a imagem dos casebres lacustres que conhecemos por palafitas que se erguem em lagos e regiões pantanosas como estratégia de se habitar um espaço. O conceito de morada aqui cria a subjetividade da proteção, uma maneira de habitar os terrenos não estáveis da condição humana.

21h | Teatro Dragão do Mar | Livre

Espetáculo “A Cor Cinza das Coizas”
Experimentus Cia. de Dança (CE)

Coreografia e Direção: Paulo Lima
Bailarinos intérpretes: Aline Rodrigues, Edson Odorico e Lucas Linon
Inspirado na filosofia de Schopenhauer, que postula que o mundo não é mais que a representação, o prazer é apenas a supressão momentânea da dor, esta por sua vez, é a única realidade verdadeira.

Dia 17 – Sexta-feira
10h | Percurso a partir da Praça da Estação | Livre

Espetáculo “Avestruz Ciborgue” Paola Rettore (MG)
Performer: Paola Rettore
A obra realiza interferências urbanas, porém em campo aberto de significações a partir da construção de sete roupas-esculturas pré-performance, pré-personagem e pós-persona, trabalhadas como objetos, como construção de adereços superpostos ao corpo ou mesmo como uma extensão do corpo, dando à escultura um lugar, uma posição, uma referência.

14h | Fachada do Prédio Cine São Luiz / Pça. Do Ferreira

Espetáculo “Arranha Céu”
Teatro Base (SP)

Performer: Paola Rettore
O enredo é ambientado no século XXII, numa cidade grandiosa, mecânica e lotada com imensas estruturas arquitetônicas rodeadas por um fluxo constante de pessoas, automóveis, aviões, motos, helicópteros e outros veículos voadores que compõem uma sinfonia incomum, uma cacofonia de sensações, medos, fobias e individualidades. 

Os habitantes dos Arranha Céus se adaptaram as transformações ocorridas nas novas cidades-sistemas criados e gerenciados pelo governo central e conseguem viver em um mundo vertical. Explorando o isolamento, a efemeridade e a conexão das relações, a peça conta histórias de pessoas sem nome que vivem num mundo estranho, mecânico e vertical.

16h | Auditório do Dragão do Mar | Livre

Diálogos com PAOLA RETTORE e LEONEL BRUM
Tema: Impressões de um CORPO pela CIDADE

Dia 18 – Sábado
17h30 | Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) | Livre

Espetáculo “Estudo para Lugar Nenhum”
Vera Sala (SP)
Concepção/Execução: Vera Sala – Arquiteturas/Luz: Hideki Matsuka

Contato: Paulo Lima (8529-0220 / paulinexcel@hotmail.com)

? Conferência com Gonçalo M. Tavares

O premiado escritor angolano Gonçalo M. Tavares palestra sob o tema “Muros, Corpo, Leitura e Escrita. O Velho e Contemporâneo”, no dia 17 de abril, às 19h, no Teatro Dragão do Mar. A conferência encerra o Seminário Imagem e Corpo, da Vila das Artes, que será ministrado pelo escritor.

O seminário tem início dia 13 de abril, das 16h às 19h e segue entre os dias 14 e 16 de abril, das 14h às 18h, no auditório da Vila. O público-alvo são estudantes e profissionais da área de dança e cinema. Toda a programação é gratuita.

O escritor é um dos convidados da terceira turma do Curso de Realização em Audiovisual da Vila das Artes, que está em processo de pesquisa e produção dos projetos de finalização do Ciclo Imagem e Alteridade. “A produção literária de Gonçalo se aproxima bastante da pesquisa que os alunos vêm desenvolvendo no Curso”, revela Rúbia Mércia Medeiros, coordenadora da Escola Publica de Audiovisual. (EAV).

O seminário, organizado a partir da obra Atlas do Corpo e da Imaginação, de autoria de Gonçalo, aborda métodos de pensamento, e o corpo – leis, movimento, amor, cidade, identidade, racionalidade, jogo, saúde, dança, dor, dentre outros assuntos.

A ação é realizada em parceria com o curso de Licenciatura e Bacharelado em Dança e o curso de Cinema e Audiovisual do Instituto de Cultura e Arte (ICA), da Universidade Federal do Ceará (UFC), ADUFC (Associação dos Docentes da UFC), Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e Porto Iracema das Artes.

A Vila das Artes é um equipamento da Prefeitura Municipal de Fortaleza, vinculado à Secretaria de Cultura (Secultfor).

Sobre o escritor
Gonçalo M. Tavares nasceu em 1970, em Luanda – Angola, e reside atualmente em Portugal. Publicou a sua primeira obra em dezembro de 2001. Editou romances, contos, ensaio, poesia e teatro. Em Portugal, recebeu vários prêmios, entre os quais: o Prêmio José Saramago 2005 e o Prêmio LER/Millennium 2004, com o romance Jerusalém; o Grande Prêmio de Conto da Associação Portuguesa de Escritores “Camilo Castelo Branco” com Água, Cão, Cavalo, Cabeça. Prêmios internacionais: Prêmio Portugal Telecom 2007 (Brasil); Prêmio Internazionale Trieste 2008 (Itália); Prêmio Belgrado Poesia 2009 (Sérvia); Nomeado para o Prix Cévennes 2009 – Prêmio para o melhor romance europeu (França). Os seus livros foram editados em 35 países. Jerusalém foi o romance mais apontado pelos críticos do Público para “Livro da Década”. Suas publicações deram origem, em diferentes países, a peças de teatro, peças radiofônicas, curtas-metragens e objetos de artes plásticas, dança, vídeos de arte, ópera, performances, projetos de arquitetura, teses acadêmicas, entre outras obras.

SERVIÇO 
Encerramento – Conferência Muros, Corpo, Leitura e Escrita. O Velho e Contemporâneo

Onde: Teatro Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)
Quando: dia 17 de abril
Horário: das 19h às 21h
Acesso gratuito. Sujeito à lotação.
Contato:(85) 3252.1444

? Bando de Pássaros Gordos

Direção: Andréia Pires
Entre um encontro de degustação e o ensaio de uma banda fantástica, seis atores inventam um mundo de impulsos. Um mundo em que cada palavra dita, cada olhar, tem apenas um significado, cada toque não tem passado nem futuro, cada beijo é um beijo desconhecido. Motivados pelo livro “Os sonhos de Einstein” de Alain Lightman, a peça existe num tempo surreal.

Ficha técnica:
Elenco | Getúlio Cavalcante, Bruna Pessoa, Thiago Andrade, Gabriela Ribeiro, Leonardo William e Felipe Bira 
Texto | Produção Colaborativa 
Trilha Sonora | Pepeu 
Figurinos | Filipe Alexandre e Isac Bento
Publicidade | Getúlio Cavalcante
Iluminação | Andréia Pires
Técnica | audiovisual. Pedro Henrique
Preparação Vocal | Ari Sousa
Produção Executiva | Michel Barros
Produção de Cena | Marcos Paulo 
Fotografia | Nanda Siebra

Dias 18, 19, 24, 25 e 26, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação livre.
Contato: Andreia Pires (9761-1256 / andreiapiressh@gmail.com)

? Curta o Gênero

Curta O Gênero volta ao Dragão do Mar com as Mostras Paralelas de Cinema e festa de encerramento. A partir das 15h30, no Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco, seis curtas-metragens tratam a questão do gênero. Confira a programação no site curtaogenero.org.br.

Sobre o Curta o Gênero
O projeto Curta O Gênero é realizado desde 2012 pela ONG Fábrica de Imagens – ações educativas em cidadania e gênero, com apoio institucional da Secretaria de Cultura do Estado (Secult) e Coelce e o patrocínio dos Correios e da Petrobras. Traz na bagagem uma proposta para multilinguagens, com o debate e a difusão de obras comprometidas com a denúncia das desigualdades de gênero, construção ou invenção de outras representações baseadas na equidade de gênero e na afirmação da diversidade sexual. Através de simpósios temáticos, mostras audiovisuais, rodas de conversa, exposição fotográfica, apresentações teatrais (Gênero em Cena) e musicais, feiras artísticas e de livros.

Contato: Andreia Pires (9761-1256 / andreiapiressh@gmail.com)

? Oficina Apps para Edição de Fotos

O Golpe de Vista – ciclo mensal de conversas sobre fotografia – oferece, no dia 18 de abril, uma oficina gratuita dando dicas e sugestões de aplicativos para edição de fotos. Facilitador: Éden Barbosa.

Dia 18, às 14h, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE). Gratuito.
Contato: Éden Barbosa 9904.0014

? Recital e Feira Cordel com a Corda Toda

Tão característica da cultura nordestina, a literatura de cordel tem vez e lugar no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Todo mês, tem Recital e Feira Cordel com a Corda Toda, realizado em parceria com a AESTROFE – Associação de Escritores, Trovadores e Folheteiros do Estado do Ceará, instituição que congrega boa parte dos poetas populares do nosso estado. A Feira ocorre sempre paralelamente ao recital com os principais expoentes da Literatura de Cordel na atualidade, das 17h às 21h. Os artistas declamarão versos autorais e de vários outros poetas populares.

Dia 19 de abril, às 17h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.

? Fuxico no Dragão

Música, performances e uma feirinha com vinte jovens expositores em design, moda, produtos terapêuticos e gastronômicos agitam as tardes de domingo do Centro Dragão do Mar. O programa perfeito para jogar longe o marasmo dominical.

Dia 12, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

? Exposição “Fortaleza – Cores da cidade”

Fortaleza há de ser cantada! A barra, o dragão, o passeio; o bode, a praça, a ponte; os poetas, os profetas, os renegados. Como destacar da obnubilação citadina cada elemento senão pela cor, pelo traço, pelo verso? Mira, olha, enxerga, Fortaleza! Espia a beleza que aqui fez morada.

Somente representações poéticas podem restaurar a ternura que eventualmente se perdeu no caos do dia-a-dia. Os embates, as desproporções, os extravios que descarrilam a metrópole não podem abafar a cidade, seus personagens, suas histórias. Precisamos elaborar retratos que inspirem a construção de um reduto que se respeite, se preserve. As cores da cidade devem ganhar as telas para que as enxerguemos.

Os artistas plásticos Carlos Macedo, Cláudio César, Fernando França, João Marcelo Pereira, Lia Sanders, Mano Alencar e Vando Figueirêdo aproveitam o ensejo do aniversário de Fortaleza para louvar nossa aldeia. Resgatando paisagens e personagens, a exposição Fortaleza – Cores da Cidade oferece novos tons a cenários já invisíveis de tão familiares.

Fruto do anseio de redescobrir o encanto da capital, o projeto vem abalar nossa concepção do espaço urbano. São cerca de trinta telas com a temática, quatro a cinco de cada artista.

Fortaleza dispõe de uma cena cultural e artística própria, cujo reduto e resistência o Dragão do Mar tão bem sintetiza. Não há lugar melhor que o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura para apresentar à cidade seus mais novos retratos.

Em cartaz de 2 a 26 de abril de 2015, na Multigaleria. Visitação: terça a sexta, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 20h30). Gratuito.

? Vaqueiros [Sala 4]

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

Exposição de longa duração, no Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h; e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h. Gratuito.

? Exposição Corpo da Obra [piso superior]

O Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) apresenta a exposição Corpo da obra e evidencia eixos temáticos que compõem o seu acervo. Uma ação constante na atual política curatorial do Museu é a de proporcionar a visibilidade e o acesso das obras que compõem sua coleção, através de mostras que provoquem reflexão e dinamizem a relação público/obra. Uma dinâmica efetiva dentro dessa metodologia são as oficinas preparadas pela ação educativa do MAC-CE, que potencializam questões conceituais ao estimular percepções e instigar o olhar crítico do participante.

A parte de um todo, um pequeno território versus a geografia de uma totalidade, membros de um corpo, o corpo da obra. Metáforas de muitos corpos, corpo que não é corpo, a reinvenção do corpo, fragmentos ou ausência. Nesse contexto, nos apropriamos de diversas linhas e caminhos para apresentar fragmentos da coleção, alguma parte de um todo, alguns caminhos de uma estrada, alguns afluentes de um rio. O conjunto não discute apenas questões relacionadas à poética do corpo, se bifurca por outras searas. O corpo aqui é apenas o alicerce, o estopim para o novo instante.

Corpo da obra ocupa o andar superior do MAC-CE e divide-se em quatro partes, em conjuntos que se conectam ediscutem eixos importantes que compõem o acervo do museu. Em Seres ou Coisas, o caráter mágico, os ambientes pós-apocalípticos, sombrios e misteriosos ativam potencialidades além do real; em Método e Construção, articulam-se relações entre o tempo e o espaço, na arquitetura e geometrização da forma; Escritas e Sujeitos ativam processos subjetivos, fluxos narrativos por onde emerge a palavra e a instância do confidencial; já em Corpo da Obra, o corpo é o elo entre a participação, a ausência e o limite.

Dessa forma, construímos um corpo articulável entre seres, geometrias e subjetividades. Um corpo-acervo, um corpo-coleção.

Em cartaz até abril de 2015. Visitação: terça a sexta, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 20h30). Gratuito.

? MÚLTIPLAS LINGUAGENS

5º Grupo Escoteiro do Ar Pinto Martins
De acordo com a faixa etária dos participantes, o grupo define as atividades de escoteirismo.
Todos os sábados, das 14h às 17h, no Bosque da Praça Verde. Acesso gratuito.

Feira Dragão Arte
Feira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.

Todas as sextas, sábados e domingos, das 17h às 22h, ao lado do Espelho D’Água. Acesso gratuito.

Brincando e Pintando no Dragão do Mar
Brincadeiras e atividades infantis para todas as idades orientadas por monitores.

Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Acesso gratuito.

Planeta Hip Hop
Grupos promovem exibições de dança e música hip hop.

Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar.

? PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO

O Planetário Rubens de Azevedo é um espaço de entretenimento e formação pedagógica através de caráter transdisciplinar em Astronomia. Ingressos: R$ 8 e R$ 4 (meia).

Sessões:
O ABC do Sistema Solar
Em uma nave imaginária crianças fazem uma viagem pelo Sistema Solar. Durante a viagem elas aprendem sobre a mitologia das constelações e as lendas astronômicas. 30min.

Nos Limites do Oceano Cósmico
Usando o poder da nossa imaginação, viajaremos pelo espaço a uma velocidade próxima a da luz até o limite do universo visível, e com a ajuda do planetário, veremos de perto a nossa galáxia e grupos de galáxias muito distante de nós. Será que o universo tem fim? O que vemos no céu é uma ilusão? Você verá que o universo está em expansão e novas estrelas estão surgindo a todo instante.

Explorando o Universo
Venha se aventurar numa fascinante viagem pelo universo, e com Galileu conheceremos os segredos do céu e suas descobertas científicas para o progresso da ciência. 40min.

Origens da Vida
Mergulhando no desconhecido, e a partir das profundezas do oceano, descobriremos as origens da vida em nosso planeta. Através do tempo e espaço viajaremos até o nascimento das primeiras estrelas. 30min.

Sessões às quintas e sextas-feiras:
18h – Explorando o Universo
19h – Nos Limites do Oceano Cósmico
20h – Origens da Vida

Sessões aos sábados e domingos:
17h – ABC do Sistema Solar
18h – Explorando o Universo
19h – Nos Limites do Oceano Cósmico
20h – Origens da Vida

13.04.2015

Assessoria de Comunicação do Instituto Dragão do Mar
Luciana Vasconcelos
imprensa@dragaodomar.org.br / (85) 3488.8625 ou 8970.8081

Giselle Dutra
Gestora de Célula/Secretarias

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br  / (85) 3466.4898