Hospital São José combate hepatites virais no Julho Amarelo

14 de julho de 2015

A campanha Julho Amarelo, que promove a luta e prevenção das  hepatites virais conta com programação especial nesta quarta-feira, 15 de julho, no Hospital São José, unidade da rede de unidades da Secretaria da Saúde do Estado e referência no diagnóstico e tratamento das hepatites virais e outras doenças infecciosas. Julho foi adotado pelo Ministério da Saúde e pelo Comitê Estadual de Hepatites Virais como o mês de luta e prevenção das hepatites virais.

 

As hepatites virais são as principais causas de câncer no fígado. “Estima-se que cerca de 2,5 milhões de brasileiros têm o vírus da hepatite C, o que equivale a 10 vezes o número de portadores de HIV”, explica a médica Elodie Hippolyto,  hepatologista do Hospital São José e Coordenadora do Ambulatório de Hepatites Virais do HSJ. O alerta se deve a que a maioria das pessoas não sabe que tem hepatite, porque a doença só apresenta sintomas na fase avançada, quando pode evoluir para uma situação mais grave.

 

A recomendação do Ministério da Saúde é que todas as pessoas com mais de 45 anos de idade façam o teste gratuitamente em qualquer posto de saúde e, no caso positivo, façam o tratamento. Este ano, com o avanço das pesquisas, o índice de cura da hepatite C, por exemplo, pode chegar a 90%. O tratamento não traz quase nenhum desconforto ao paciente e está disponível na rede pública de saúde. No caso da hepatite B, já há vacina disponível nos postos de saúde para pessoas de até 50 anos de idade.

 

 

Programação:

 

Terça-feira, 28 de julho, é o Dia Internacional da Luta contra as Hepatites Virais e durante todo o mês há distribuição de material informativo e testes rápidos para detecção do vírus da Hepatite C nos postos de saúde.

 

  No dia 15 de julho, o Dia D do “Julho Amarelo” do Hospital São José, tem programação especial, a partir das 9 horas da manhã:

 – 9 às 11 horas – Oficina de Pintura em Telas e Confecção de Flores artesanais.
 – 11 horas- Palestra sobre os novos tratamentos da Hepatite C
Palestrante: Elodie Bomfim Hyppolito – médica hepatologista e cordenadora do ambulatório de Hepatites Virais do Hospital São José.
Local: Auditório Antônio da Justa – Hospital São José – Rua Nestor Barbosa, 315 – Parquelândia
FIQUE SABENDO SOBRE AS HEPATITES VIRAIS MAIS COMUNS
(FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE)

 

 

HEPATITE B

 

A hepatite do tipo B é uma doença infecciosa causada pelo vírus B (HBV). A Transmissão: Como o VHB está presente no sangue, no esperma e no leite materno, a hepatite B é considerada uma doença sexualmente transmissível. A maioria dos casos não apresenta sintomas. Mas, os mais frequentes são: cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. Esses sinais costumam aparecer de um a seis meses após a infecção. O diagnóstico é feito por meio de exame de sangue específico. Prevenção: usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos de uso pessoal, como lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure e pedicure, equipamentos para uso de drogas, confecção de tatuagem e colocação de piercings.

 

 

HEPATITE C

 

A hepatite C é causada pelo vírus C (HCV), que, assim como o vírus causador da hepatite B, está presente no sangue. Transmissão: se dá, principalmente, por compartilhamento de material para uso de drogas (seringas, agulhas, cachimbos, entre outros), higiene pessoal (lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, alicates de unha ou outros objetos que furam ou cortam) ou para confecção de tatuagem e colocação de piercings; de mãe infectada para o filho durante a gravidez; sexo sem camisinha com uma pessoa infectada. O surgimento de sintomas em pessoas com hepatite C aguda é muito raro. Entretanto, os que mais aparecem são cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras. Quando a infecção pelo HCV persiste por mais de seis meses, o que é comum em até 80% dos casos, caracteriza-se a evolução para a forma crônica. O diagnóstico depende do tipo do vírus e do comprometimento do fígado. Para isso, é necessária a realização de exames específicos. Prevenção: Não compartilhar nada que possa ter entrado em contato com sangue, como seringas, agulhas e objetos cortantes. Também podem ser consideradas vulnerabilidades o uso de álcool e outras drogas e a falta de acesso à informação e a preservativos, cachimbos, seringas e agulhas descartáveis.

 

 
SERVIÇO

 

O Ambulatório de Hepatites Virais do Hospital São José funciona às segundas e quartas , das 13 às 19h.

 

O “Julho Amarelo” é uma iniciativa do Comitê Estadual de Hepatites Virais, da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, do Grupo ABC Vida, da ACEPHET – Programa DST, Aids e Hepatites Virais e do Ministério da Saúde.

 

 

14.07.2015

 

Assessoria de Comunicação do Hospital São José
Franciane Amaral
(85) 3101.2371/98770.3090

 

Giselle Dutra
Gestora de Célula/Secretarias

 

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado – Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br
(85) 3466.4898