Projeto Acordes para a Vida ensina violão para internos do sistema penitenciário

19 de agosto de 2015

Tocar a vida dentro e fora da prisão é um desafio para internos e egressos do sistema penitenciário. Por meio da música, 45 custodiados encontraram uma nova chance de seguir em frente. Nesta semana, eles serão certificados pelo projeto Acordes para a Vida, que oferece aulas de violão dentro da Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Clodoaldo Pinto (CPPL II) e da Penitenciária Francisco Hélio Viana de Araújo, em Pacatuba. A entrega dos certificados acontece em evento realizado nesta quinta, às 14h, na Penitenciária de Pacatuba e conta com a presença do secretário da Justiça e Cidadania, Hélio Leitão, e do secretário de Cultura do Estado, Guilherme Sampaio.

 

Esta é a primeira turma a ser certificada no sistema prisional cearense. O projeto, que funciona desde o início de 2015, ainda certificará novos alunos neste semestre. As aulas acontecem durante a semana e os alunos recebem apostilas com as partituras musicais para o estudo, orientado pelos professores.

 

O projeto, que é gerenciado pela Coordenadoria de Inclusão Social do Preso e do Egresso (Cispe), da Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus) busca, além de ensinar os internos a tocar violão, incentivá-los a usar a música como exercício para a mente. É o que comenta a coordenadora da Cispe, Cristiane Gadelha. “Sabemos que a música tem o poder de trazer paz para as pessoas e é essa paz que buscamos oferecer para cada aluno. É a partir de uma mente tranquila que a transformação começa”, explica ela.

 

Usar a música como oportunidade para a vida após o encarceramento também é um dos benefícios do projeto. Cléber Santana, que é egresso do sistema prisional, hoje ministra as aulas de violão ofertadas pelo projeto dentro da CPPL II. “A música é capaz de trazer a sensação de liberdade, mesmo estando privado dela. Quando estive preso aqui, era por meio do violão que me sentia mais tranquilo e hoje eu uso ele para ensinar outras pessoas a como seguir um caminho diferente”, destaca Cléber.

 

A Sejus acredita que é preciso procurar cada vez mais atividades relacionadas à arte e à cultura para ajudar no processo de socialização dos internos e esse tem sido um dos principais esforços da Cispe. “A coordenadoria busca dar acesso à música, à leitura e a outras áreas que muitos deles não têm acesso. Nós acreditamos que apresentando para eles esse novo mundo, muitos se identificarão e vão despertar, acordar para uma nova vida”, pontua Cristiane.

 

 

19.08.2015

 

Assessoria de Comunicação da Sejus
Camille Soares
ascom.sejus@gmail.com / (85) 3101.2862

 

Ciro Câmara
Gestor de Célula/Secretarias
ciro.camara@casacivil.ce.gov.br

 

Coordenadoria de imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 85 3466.4898