Albert Sabin faz encontro com cuidadores do atendimento domiciliar

1 de setembro de 2015

O Hospital Infantil Albert Sabin), da rede pública do Governo do Estado, promove na quarta-feira, 9 de setembro, às 8h30min, no auditório A, o 4º Encontro de Cuidadores, organizado pela equipe do Programa de Assistência Domiciliar (PAD). O encontro marca os 15 anos do PAD e 12 anos do programa de Oxigenoterapia Domiciliar Prolongada (ODP), um serviço do Ambulatório de Pneumopatias Crônicas do Albert Sabin, que atende as crianças que recebem alta do PAD mas continuam dependentes de oxigênio. O encontro contará com a participação de profissionais do corpo clínico e técnico e, especialmente, de mães e pais das crianças que são atendidas e companhadas  pela equipe multidisciplinar em casa.

 

Na programação, apresentação das conquistas do Hospital Albert Sabin através do funcionamento conjunto dos serviços do PAD e ODP, depoimento de uma mãe cuidadora, lanche e dinâmica de grupo com psicóloga. De acordo com o coordenador do PAD, o pediatra Luiz Carlos Rebouças de França, o encontro é uma oportunidade para troca de experiências entre os cuidadores, como também avaliar, estimular e aprimorar conhecimentos. “A atuação do cuidador é fundamental no bom resultado do tratamento em domicílio, deve ser valorizada e avaliada continuamente”, diz.

 

Uma das principais características do Albert Sabin é a humanização do atendimento ao paciente. Ao longo desses 62 anos de história, diferentes projetos surgiram com o intuito de proporcionar melhor qualidade de vida às crianças e seus acompanhantes. O Programa de Assistência Domiciliar é um deles. O PAD foi implantado no Hospital Infantil Albert Sabin em julho de 2000 e hoje conta com uma equipe multidisciplinar formada por três médicos pediatras, quatro fisioterapeutas, duas enfermeiras, três auxiliares de enfermagem, uma nutricionista, uma assistente social, um agente administrativo, dois motoristas e uma pneumologista. Além de uma equipe especializada para o tratamento domiciliar, o Hospital dá o suporte por meio da instalação e manutenção dos equipamentos clínicos necessários e a distribuição do leite especial e suplementos alimentares.

 

 

Eduarda recebe atendimento em casa há dois anos

 

A equipe multiprofissional do PAD trata de diversas doenças, entre elas as neuropatias e pneumopatias. Atualmente, das 27 crianças assistidas pelo programa, 17 são por problemas neurológicos (63%). Uma delas é a pequena Maria Eduarda Oliveira Menezes, 4, que há dois anos ingressou no PAD do Albert Sabin devido ao diagnóstico de meduloblastoma, um tumor que se origina nas células neurais e se desenvolve dentro do cerebelo. Segundo a mãe, Claudieli Oliveira de Sousa, 27, o tratamento em casa tem proporcionado melhores dias para família e qualidade de vida para a criança. “Foi muito bom, uma coisa maravilhosa que aconteceu. Eu acho que não teria condições de ir para o hospital direto”, explica Claudieli.

 

Segundo o coordenador do PAD, são inúmeras as vantagens oferecidas pelo sistema de atendimento médico domiciliar multidisciplinar. A família é preparada psicológica e tecnicamente para a função de cuidadores. “A assistência domiciliar é uma atividade humanizada, gratificante, participativa, interdisciplinar, apaixonante e nos torna mais compromissados principalmente com as pessoas mais humildes”, declara. Conforme o médico, a oportunidade de voltar mais cedo para o lar é a vontade do paciente e da família. E fazer isso com responsabilidade e sob os cuidados necessários, promove uma recuperação segura e humaniza o tratamento, além de benefícios como o aumento da oferta de leitos com a redução do tempo de internação e o resgate da figura do médico da família.

 

Após cirurgias, radioterapia e estabilização do quadro clínico, Maria Eduarda recebeu alta e passou a ser acompanhada pelo PAD. De acordo com a mãe, a cada dois meses, a criança é consultada pelo médico oncologista do Hias e semanalmente, ela recebe a visita do pediatra e da fisioterapeuta em casa. “É um serviço excelente”, enfatiza. Para ingressar no PAD, a criança deve estar internada no Hosiptal Infantil Albert Sabin, apresentar quadro clínico estável, residir em Fortaleza, ter registro de nascimento, não necessitar de medicação endovenosa ou intramuscular e dispor de um cuidador domiciliar, o qual deve ser treinado no hospital durante o período de internação e orientado pela coordenação do PAD para o melhor desempenho de sua responsabilidade.

 

 

Serviço:

4º Encontro de Cuidadores do Programa de Assistência Domiciliar do Albert Sabin
Dia: 9 de setembro de 2015 (quarta-feira)
Hora: 8h30min
Local: Hospital Infantil Albert Sabin (Auditório A) – Rua Tertuliano Sales, 544, Vila União

 

 

 

01.09.2015

 

Assessoria de Comunicação do Hias
Helga Santos
(85) 3256-1574
imprensa@hias.ce.gov.br
t: @albertsabince
f: albertsabince

 

Giselle Dutra
Gestora de Célula / Secretarias

 
Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br