IPC faz campanha ‘No peito levo amor’ durante o Outubro Rosa

1 de outubro de 2015

 

O Outubro Rosa chega colorindo o Instituto de Prevenção do Câncer (IPC), unidade da Secretaria da Saúde. O prédio da instituição, localizado na Rua Walter Bezerra de Sá, 58, no bairro Aldeota, está iluminado de rosa durante todo o mês, com o objetivo de chamar a atenção para a prevenção ao câncer de mama. O IPC é uma unidade de referência secundária para diagnóstico precoce (e tratamento quando indicado) de câncer de mama. O diagnóstico precoce e os cuidados com as mulheres reduzem a mortalidade no Estado. Na unidade são realizados em média por mês 459 consultas de mastologia, 488 mamografias, 200 ultrassons mamárias e 35 retiradas de nódulos, drenagem e biópsias (procedimento realizado no centro cirúrgico).

 

Com o tema “No peito levo amor”, o outubro rosa será marcado por uma programação cheia de informações e palestras sobre o câncer de mama, que nas mulheres acarreta o maior número de mortes, seguido do câncer de pulmão, estômago e colo de útero. A abertura das atividades acontecerá na quarta-feira, 7 de outubro, às 9h30min, com a palestra “Situação atual do câncer de mama no Brasil e no Ceará: principais avanços e dificuldades”, que será ministrada por Mirien Uribe, epidemiologista do Instituto do Câncer do Ceará (ICC) e equipe médica do IPC.

 

Dando continuidade a programação, no dia 14 de outubro, quarta-feira, às 9h30min, as pacientes presentes assistirão a palestra sobre “Qualidade de vida na perspectiva da psicologia e do serviço social”, que será comandada por Luciana Carvalho, Eloisa Damasceno, assistentes sociais do Centro Regional Integrado de Oncologia (Crio) e a equipe de psicologia e serviço social do IPC. No dia 20, terça-feira, às 9h30min,  a equipe de estagiários abrirá espaço para que as pacientes saibam mais sobre mamografia de rastreamento e mamografia de diagnóstico. Na quarta-feira, 21, a enfermeira do Hospital Universitário Larissa Gurgel abordará o tema “Qualidade de vida na perspectiva da enfermagem e da fisioterapia.  

 

Ainda como parte da programação aberta ao público, o IPC inicia sua semana do servidor no dia 26 de outubro, segunda-feira. A abertura acontecerá às 9h30min, com a palestra “Saúde e qualidade de vida”, com Vanessa Gomes de Moraes, médica e acupunturista. Na terça-feira, 27, de 9h30min, às 12 horas, e de 13h30 às 16h, as pacientes terão um dia de beleza, com direito a maquiagem e corte de cabelo. Após o embelezamento, as pacientes poderão ainda tirar fotos com adereços e placas com frases motivacionais.

 

No dia 28, quarta-feira, o tema será abordado de forma lúdica, com teatro de bonecos. A apresentação ficará porconta de Ivonélia Macedo, assistente social e equipe multidisciplinar da unidade. A ação acontecerá na sala de espera para atendimento. O coral do IPC encerra a programação do mês, fazendo uma homenagem aos servidores aposentados da instituição.

 

 

Câncer de mama

 

Com o autoexame pode ser possível sentir a presença do nódulo (caroço) no seio. “Secreção no mamilo e nódulos na axila também são sinais de alerta”, ressalta Paola Borba, ginecologista do IPC. O diagnóstico precoce é fundamental. “Muitas mulheres só identificam a doença quando ela já está em desenvolvimento, e isso aumenta os riscos de morte”, afirma. Tabagismo, sedentarismo e obesidade são fatores de risco que contribuem para um aumento da incidência da enfermidade. “Uma boa alimentação e a prática de exercícios físicos são bons aliados na prevenção de doenças, inclusive, o câncer de mama”, diz.

 

O tratamento varia de acordo com a gravidade da doença e das condições biológicas da paciente. O primeiro passo é fazer o diagnóstico completo com análises clínicas e biópsia para descobrir se o tumor é benigno ou maligno. Então, o médico faz a indicação de cirurgia, quimioterapia e radioterapia ou das práticas combinadas, de acordo com cada caso.

 

Quase 60 mil pacientes com a doença foram identificados em 2015, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o que representa 22% do total dos novos diagnósticos de câncer no país. Trata-se do segundo local do corpo mais atingido pela patologia, no país e, apesar das frequentes campanhas alertando para a prevenção, a taxa de mortalidade ainda é alta, justamente, pela grande frequência de diagnósticos tardios.

 

 

01.10.2015

 

Assessoria de Imprensa – IPC/Lacen/CIDH
Suzana de Araújo Mont’Alverne ( suzana.alverne@lacen.ce.gov.br / 85 – 3101.1488 / 9 98026980)