Dragão do Mar apresenta programação semanal

3 de novembro de 2015

// Programação da semana de 2 a 8 de novembro de 2015 // Dragão do Mar

 

FUNCIONAMENTO DO DRAGÃO DO MAR

 

Geral: De segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: De terça a domingo, a partir das 14h.

 

Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: De terça a domingo, das 14h às 22h.

 

Museus e Multigaleria: terça a sexta, das 9hs às 19hs (acesso até as 18h30); sábado, domingo e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

 

OBS.: Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e Bilheterias.

 

 

Acompanhe nossa programação também pelas redes sociais:

Facebook: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

Instagram: @dragaodomar

Periscope e Twitter: @_dragaodomar

E no site: www.dragaodomar.org.br

 

 

? Cine Caolho

 

No dia 2 de novembro, o Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco vai receber a última sessão do ano do Cine Caolho. Além da exibição de “Para minha mãe”, de Wislan Esmeraldo; “Cinemão”, de Mozart Freire; e “Monstro”, de Breno Baptista, será realizado um bate-papo com os realizadores, mediado por Luiz Pretti.

 

Dia 2 de novembro de 2015, às 19h30, no Cinema do Dragão-Fundação. Gratuito.

 

Contatos: Pedro Diógenes (curador) 9966-2120 // Marcelo Ikeda (curador) 8793-6036 // Caroline Louise (Produtora) 85 9944.5888/ 85 8724.8485

 

 

? Teatro da Terça [Temporada de Arte Cearense]

 

Projeto Achados & Perdidos

 

O Projeto Achados & Perdidos é baseado em fatos reais. Uma obra aberta emaranhada entre memórias que vão e vem. Cada integrante emerge com sua bagagem teatral e pessoal, mas em prol de um trabalho artístico que converge inquietações na busca por uma estética ampla. As ações misturam as linguagens cênicas concatenando também performances, instalações, fotografia e audiovisual.

 

O projeto surgiu em julho de 2012 com resgate de memórias e exposição do “eu”, explorando uma dramaturgia em processo. Os artistas relatam histórias de vida, das alegrias às desventuras que os construíram, com intuito de criar obras a partir de um mote extremamente particular. A fonte é a memória individual e familiar, onde os causos de perdas e ganhos constroem o trabalho, que se transforma a cada sessão.

 

O projeto iniciou publicamente no dia 9 de abril, quando a página do Facebook e o perfil do Instagram (@projetoachadoseperdidos) foram abertos. Diversos atos performativos já aconteceram: “- Kekasar comigo?”, “Edivaldo aos pés da santa”, “O que é preciso para ser santa?”, além da encenação “Cenas Esquecidas”. A instalação “Pedaços de Todos Nós”, que compõe a Obra Cênica #1 foi construída a partir de objetos doados pelo público desde as primeiras temporadas. O Projeto Achados & Perdidos é uma experiência cênica de partilha e experimentação a partir da intimidade dos artistas. É um convite a uma troca de afetividades.

 

Dias 3, 10, 17 e 24 de outubro de 2015, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Classificação: 14 anos.

 

Contato: Andrei Bessa 99918.3535

 

 

? Debate com Ginga

 

Realização: Grupo Capoeira Brasil

 

Debates sobre temas fundamentais a organizações sociais e de cultura popular são tratados nos encontros mensais, que são seguidos por roda de capoeira.

 

Dia 4 de novembro de 2015, às 19h, no Auditório e Arena Dragão do Mar. Gratuito.

 

Contato: Luciano Hebert (98845-0743 / 98711-4900 / hebert.capoeira@gmail.com)

 

 

? I Festival de Artes e Protagonismo das Escolas da Rede Pública Municipal de Fortaleza

 

A Secretaria Municipal da Educação realizará o I Festival de Artes e Protagonismo das escolas da rede pública municipal de Fortaleza nos dias 4, 5 e 6 de novembro/2015, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Estudantes matriculados no Ensino Fundamental, professores, coordenadores e gestores lotados nas unidades escolares da Rede Pública Municipal de Ensino poderão se inscrever para a apresentação de trabalhos. As inscrições podem ser realizadas através do link http://sistemas.sme.fortaleza.ce.gov.br/sistemas/artes-protagonismo/

 

As modalidades de Apresentação dos Trabalhos são: Pôster (Banner), Teatro, Dança, Vídeos, Música, Pintura, Desenho, Escultura e Fotografia. Os participantes poderão trabalhar as temáticas de Arte, Educação e Protagonismo; Protagonismo Juvenil e Gestão Escolar; Protagonismo Juvenil e Esporte; Protagonismo Juvenil e Componentes Curriculares da Base Comum – Linguagens e Códigos; Protagonismo Juvenil e Componentes Curriculares da Base Comum – Ciências da Natureza e Matemática; Protagonismo Juvenil e Componentes Curriculares da Base Comum – Ciências Humanas; Protagonismo Juvenil e Liderança Estudantil; Protagonismo Juvenil e Tecnologias da Educação; Protagonismo Juvenil e Mediação de Conflitos; Projeto de Vida; Metodologia da Pesquisa; Práticas Experimentais; Eletivas; Estudos Orientados – Monitoria / Grupo de Estudos / Aprendizagem Cooperativa; Gestão de Sala de Aula – Professor Diretor de Turma e Clubes Juvenis.

 

O I Festival de Artes e Protagonismo das escolas da rede pública municipal de Fortaleza tem como objetivos fomentar a produção artístico-cultural dos educandos, divulgando as práticas pedagógicas e as experiências exitosas desenvolvidas sob o mote do Protagonismo Juvenil, com vista à implantação dos Grêmios Estudantis, bem como apresentar as ações desenvolvidas pelas Escolas Municipais de Tempo Integral, inerentes às especificidades dessa Proposta Pedagógica.

 

Dias 4, 5 e 6 de novembro de 2015, das 8h às 19h, em espaços diversos do Dragão. Gratuito. Livre.

 

Contato: Renatta (renatta.silva@sme.fortaleza.ce.gov.br)

 

 

? Espetáculos Circenses [Temporada de Arte Cearense]

 

Espetáculo Baú de Mágicas

 

NUAMAC

O Baú de Mágicas é um espetáculo de uma hora, em que se apresentam os melhores mágicos do Ceará, passando pelas mais diversas técnicas do ilusionismo como: Grandes ilusões, Cartomagia, Mentalismo, Mágica de Salão, Close-Up, Escapismo e Magia Infantil.

 

Com muita música e cores, os artistas irão se revezar no palco do Teatro Dragão do Mar, mostrando para o público infanto-juvenil o melhor da arte mágica, umas das bases da cultura circense mundial, mas que muitas vezes não possui espaço para desenvolvimento.

 

Dias 4 e 11 de novembro de 2015, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Livre.

 

Contato: 98699.7853

 

 

? Quinta com Dança Experimental [Temporada de Arte Cearense]

 

O Passinho do Reggae – Manifestação Fortaleza Periférica

 

Festival do Passinho

Com raízes na Jamaica, o Reggae ganhou projeção internacional e chegou ao Brasil, onde foi bastante acolhido pelo Pará e Maranhão. Fortaleza, apesar de não ser reconhecida, também tem uma forte ligação com essa manifestação cultural, reunindo casas de show, eventos, bandas de renome nacional, DJs e um intenso mercado fonográfico, mobilizando um número considerável de jovens.

 

Nesse contexto, surge um fenômeno que vem colocando Fortaleza no mapa nacional do Reggae. Trata-se do Passinho do Reggae, que estima-se ter nascido na Barra do Ceará e no Carlito Pamplona, área da Regional 1. Em 2004, um grupo de quatro jovens, sendo dois cearenses, um do Maranhão e um carioca, começou a criar um estilo particular de dançar Reggae com uma coreografia inovadora que faz uma mistura de passos. Hoje, esse fenômeno ganhou forte projeção nacional por meio das redes sociais, somando os dez vídeos mais visualizados, em torno de 2 milhões e 100 mil acessos, tendo mais de 500 mil acessos em apenas um só vídeo no youtube (http://tinyurl.com/om4yxv2).

 

Após o primeiro Festival do Passinho, foram convidados dançarinos de outros estilos para pensar o passinho como dança contemporânea com todos os seus fundamentos. Trata-se também de uma celebração das diferenças, de troca e cooperação. Jovens de diferentes tribos se reúnem para comungar o amor pela dança e evocar a riqueza da produção artística cearense, mostrando ainda suas conexões e influências. O resultado é, no mínimo, surpreendente e desafiador.

 

Dessa forma, a apresentação tem o propósito de promover e valorizar esse fenômeno cultural da periferia protagonizado por jovens. A ideia é contribuir para combater a marginalização desse movimento, promovendo a diversidade cultural do Reggae e suas transformações. Mais: www.facebook.com/FestivaldoPassinhoCE.

 

Contato: Bruno Lima 98870.4105 // 99847.1651

 

+

 

? Quinta com Dança [Temporada de Arte Cearense]

 

Espetáculo No Jardim dos Girassóis

 

Companhia Vidança

No Jardim dos Girassóis são imagens caladas, soltas no espaço da dança. É o cotidiano feito fruta acesa, quando as fantasias ainda adormecem em sua luz. E tudo se prepara para ser.

 

Banco de praça, carimbó, dança de rua, beijo de sal, quinas de ruas da Barra, onde a dança “se acha”. Bastidores da dança, entreatos. Mas antes passeia nas rosas do povo e diz o que ainda se quer puro sol.

 

Com respeito magistral para o indivíduo e sua singularidade, a Vidança combina pura fisicalidade com o poder enigmático da expressão. A Companhia Vidança desenvolve uma linguagem de movimento distinta que é forte em sua fisicalidade e que deriva seu poder de um ‘timing” (tempo) apurado. No processo entre a forma e a ausência de forma, a dança faz do movimento a peça central na transmissão do significado. ?Assim, a Vidança faz dança que evoca explicitamente à nossa capacidade de refletir.

 

 

FICHA TÉCNICA

 

Coreografia, Cenário e Luz: Linhares Junior

 

Bailarinos: Cia. Vidança: Amanda Nunes, Andresa dos Santos, Ana Carolina dos Santos, Cláudio Costa, Elisilene Alves, Emanuel Guimarães, Fernando Sousa, Gilclesio Sales, Iranilson Dantas, Rafael Araújo, Gabriel Tavares, Leonardo Justino, Socorro Timbó.

 

Texto: Ângela

Fotos: Igor de Melo Venancio

Direção: Anália Timbó

Realização: Companhia Vidança

Dias 5, 12, 19 e 26 de novembro de 2015, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Livre.

Contato: 3262.7599 // 99985.3687

 

 

? Quinta com Dança – Especial [Temporada de Arte Cearense]

 

Espetáculo Corpo Intruso

 

Com João Paulo Lima e Jhon Morais

 

Textos: Gonçalo. M. Tavares e Viviane Mosé

 

Quantos membros tem um corpo? Apenas uma pessoa o compõe? E onde são as mãos, os olhos, as pernas, de onde sai a voz?  No absurdo do real, o corpo é intruso de si mesmo. O corpo não é só uma pessoa.

 

Dias 6, 7 e 8 de novembro de 2015, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). 16 anos.

 

Contato: João Paulo (joaopawel@gmail.com) // 99839.7839

 

 

? Abertura do Festival Concreto

 

Festival Concreto – Festival Internacional de Arte Urbana – II Edição

 

O Dragão do Mar recebe a abertura do festival, dia 6 de novembro, no Espaço Rogaciano Leite Filho.

 

19h às 22h – Credenciamento de artistas

19h – David Da Paz // Intervenção UrbanAPP Arte, Cidade e Direitos Humanos

20h30 – Espetáculo O Grande Circo de Nossas Ruas // Grupo Teruá

21h – Astronauta Marinho // show Menino Sereia

 

Dia 6 de novembro de 2015, a partir das 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho.

Mais informações: http://www.festivalconcreto.com.br/
Contato: Narcélio Grud (85) 98780.8471 narceliogrud@gmail.com

 

 

? I Encontro Internacional de Políticas de Fomento e Sustentabilidade para Festivais de Teatro

 

Fortaleza será sede do I Encontro Internacional de Políticas de Fomento e Sustentabilidade para Festivais de Teatro, durante os dias 6 e 8 de novembro de 2015. A proposta desse espaço de diálogo surge a partir da necessidade de reconhecer o papel central que os Festivais nacionais e internacionais de Teatro vêm ocupando no desenvolvimento sociocultural, político e econômico brasileiro.

 

Mobilizando uma cadeia representativa composta por artistas, produtores, público e investidores, era preciso pensar políticas que vislumbrassem ações e metas de longo prazo destinadas ao fomento do segmento teatral, de modo a potencializar os resultados desses festivais e construir conexões entre os realizadores. Foi pensando nisso que representantes dos principais festivais de teatro promoveram diálogos para discutir a difusão das artes cênicas de forma compartilhada, em Brasília e Salvador, originando, nesses espaços, a proposta de realização do Encontro.

 

Realizado pela Quitanda das Artes através dos Laboratórios Culturais – Programa de Formação e Pesquisas Culturais, com apoio cultural do Ministério da Cultura por meio da Fundação Nacional das Artes – Funarte conta com o apoio da  Vila das Artes, Secretaria de Cultura do Estado do Ceará e do Centro Cultural Dragão do Mar.  O encontro, prevê em sua programação a apresentação de indicadores de impactos sociais, econômicos e resultados formativos dos festivais, além do debate de temas como: a construção de modelos de financiamento e gestão adequados às necessidades específicas dos festivais; criação de canais de interlocução com órgãos públicos culturais, no intuito de consolidar marcos regulatórios trabalhistas, fiscais e tributário; fomento à criação de encontros e redes relacionadas à produção de festivais de teatro; construção de indicadores e informações culturais a partir dos resultados gerados pelos festivais.

 

Entendendo a centralidade dessa iniciativa para o planejamento, elaboração e implementação de políticas públicas mais eficientes para a difusão e circulação da produção de artes cênicas, estão confirmadas as presenças dos seguintes festivais e representantes: Marcelo Bones (Observatório dos Festivais/MG); Alexandre Vargas (Festival Internacional de Teatro de Rua de Porto Alegre/RS); Sérgio Bacelar (Festival de Teatro Brasileiro/DF); Alaôr Rosa e Guilherme Reis (Cena Contemporânea/DF); Luis Alonso (Festival Latino Americano de Teatro da Bahia – FILTE/BA); Ricardo Libório (Festival Internacional de Teatro da Bahia/BA); Paulo Victor Feitosa (Festival Internacional de Artes Cênicas do Ceará); Paula de Renor (Janeiro de Grandes Espetáculos/PE); Guilherme Marques (MITsp/SP); Dane de Jade (Festival Internacional de Máscaras/CE); Adriano Abreu e Francisco Pellé (Festival de Teatro Lusófono/PI); Nilde Ferreira (Festival Nordestino de Teatro de Guaramiranga/CE); Yaska Antunes (Festival Latino Americano de Teatro Ruínas Circulares/MG); Chicão Santos (Festival Amazônia Encena na Rua Porto Velho/RO); Cássio Pinheiro (Festival Internacional de Teatro Belo Horizonte/MG); Luciano Santiago (Mostra Internacional de Teatro Paraíba/PB).

 

14h30min às 16h – Painel “Gestão pública da cultura: estratégias e políticas de financiamento a festivais”

16h30min às 18h – Painel “Modelos sustentáveis de mercado”

De 6 a 8 de novembro > Auditório > Classificação 16 anos > Acesso Gratuito

Contato: Ingrid Ferreira ((085)988967156 / (085)32354063 / ingridferreirasil@hotmail.com)

 

 

? Teatro Infantil [Temporada de Arte Cearense]

 

Espetáculo Fiapos de Histórias

 

Grupo Assum Preto

O espetáculo Fiapos de Histórias traz em sua essência o universo mágico dos contos populares, um resgate festivo daquelas histórias ouvidas nos terreiros, ao redor das fogueiras, em noites estreladas e de lua, reforçada por cantigas de rodas e cirandas que coloca ainda mais em evidência a magia do universo das contações de histórias.

 

Nesse sentido, o espetáculo teatral permeia por várias linguagens que vão da música ao trabalho de desconstrução dos atores que encenam vários personagens na simples troca de adereços. Assim, tornam as histórias lúdicas, palpáveis e saem do imaginário para uma cena cheia de fantasia e colorido.

 

Esse é o ponto forte do espetáculo: o colorido das roupas, das músicas, dos “fiapos” que simbolizam o tempo curto das histórias, em um repertório rico.

 

Em cena, quatro histórias: A madrasta, A festa no céu, Benedito e Aparecida, depois A história sem fim, que por sua musicalidade soa ao público como uma poesia. Todas com o toque especial do Grupo Assum Preto.

 

Um espetáculo para todos os públicos, fruto da influência nordestina, mesclando cantigas do povo e tradição da oralidade, em um resgate cultural importante frente à globalização desenfreada.

 

Dias 7, 14, 21 e 28 de novembro de 2015, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). Livre.

 

Contato: Geisiane Alves 99172.5485

 

 

? Dança Popular [Temporada de Arte Cearense]

 

Entre Folguedos e Canções do Ceará das Tradições

 

Grupo de Tradições Folclóricas Raízes Nordestinas

 

Espetáculo composto por danças populares cearenses e por outras de projeção folclórica intercaladas com a música do cancioneiro popular. O espetáculo se constitui num grande atrativo, para todas as idades, ao som do sapateado do Coco, Reisado de Congos, Maneiro Pau e os ritmos como Xote, Xaxado e Baião. Encerrando o show, a dança do Torém dos índios Tremembés de Almofala-CE.

 

As danças apresentadas favorecerem o entendimento da nossa cultural local e provoca um encantamento no público, permitindo um mergulho no universo das danças populares, através de performances e expressões tipicamente cearenses.

 

Dia 7, 14 e 21 de novembro de 2015, às 18h, no Espaço Rogaciano Leite. Gratuito.

 

Contato: Poliana Santos 98776.3642

 

 

? Dança Popular [Temporada de Arte Cearense]

 

Ginga: O Esplendor de uma Raça

 

Balé Folclórico Arte Popular de Fortaleza

 

O espetáculo tem por objetivo mostrar, através da dança e também da música, algumas das maravilhosas contribuições culturais que os africanos deixaram de legado para a humanidade. Procura-se demonstrar algumas das origens dessas manifestações, destacando movimentos e ritmos primitivos africanos que influenciaram a cultura brasileira.

 

Dia 7, 14 e 21 de novembro de 2015, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Gratuito.

 

Contato: 3247.6479 // 98740.9986

 

 

? Polifonias [Temporada de Arte Cearense]

 

Com as bandas Lavage e Jack the Joker

 

Lavage // Show Punkabilly

 

20h

Para a banda Lavage, o mundo começou em março de 2003, a partir de uma reunião de amigos com muita vontade de tocar rock. Ao longo de mais de uma década de atuação, a banda consolidou uma estética própria, que se propõe a redesenhar o punk rock clássico dos anos 1970, a partir de elementos do rock alternativo e do rockabilly. Com cinco álbuns e sete clipes gravados, além de alguma experiência na cena de rock independente, a Lavage está divulgando o mais recente trabalho, intitulado “10”, desde outubro de 2013. Durante sua trajetória, a banda Lavage passou eventos locais e Nacionais. Ao longo de sua atuação, a banda Lavage dividiu palco com grandes nomes do rock, como The Used (EUA), Evanescence (EUA), Simple Plan (CAN), Biquíni Cavadão, O Rappa, Zefirina Bomba (PB), Blind Pigs(SP), Matanza (RJ), Gritando HC (SP), Sugar Kane (PR), Vespas Mandarinas (SP), Mundo Livre S/A (PE), Stress (PA), Khalice (DF), Forka (SP), Tequila Baby (RS), Marcelo Nova (BA), Mozine (Mukeka Di Rato/ES), Made in Brazil (SP), Plebe Rude (DF), Inocentes (SP), Underschool Element (SUI) e a banda carioca Moptop.

 

Contato: Bruno Carneiro 3295.5524 // 98602.1716

 

Jack The Joker

 

 

21h

Jack the Joker é uma banda de Progmetal de Fortaleza-CE, nascida em 2012. No mesmo ano, foram lançado os singles Ordinary Men e Here Again. A banda é formada por nomes bem conhecidos e experientes da cena alencarina: Raphael Joer (vocal), Felipe Facó (guitarra), Lucas Colares (guitarra), Lucas Arruda (baixo), Vicente Ferreira (bateria).

 

Em julho de 2014, a banda Jack The Joker lança seu primeiro álbum, intitulado In The Rabbit Hole. O disco recebeu diversas críticas positivas da mídia especializada, por ser uma produção totalmente independente e já apresentar grande maturidade sonora. A produção conta com a assinatura do renomado produtor paulista Adair Daufembach (Hangar, Project 46, Tony Macalpine, John Wayne e etc.) na mixagem e masterização.

 

Através deste trabalho, a banda recebeu convites para tocar em várias cidades pelo Nordeste, tendo já percorrido Mossoró, Quixadá, Juazeiro do Norte e Brejo Santos.

 

Contato: Raphael Joer (98802.3938 / ra.joer@gmail.com)

 

Dia 7 de novembro de 2015, às 20h, no Anfiteatro. Gratuito.

 

 

? Domingo no Circo [Temporada de Arte Cearense]

 

Espetáculo Mais uma Grande Besteira

 

Cia As 10 Graças de Palhaçaria

 

“Mais uma Grande Besteira” conta a saga do palhaço argentino Raimundo Novato em busca de realizar um número de grande porte, digno dos maiores espetáculos circenses. Entre fogo, saltos e dramas, os palhaços realizam a preparação para um sensacional, fantástico e perigosíssimo número artístico. Quatro palhaços, um número épico que nos leva a participar de mais uma grande besteira.

 

Dia 8 de novembro de 2015, às 17h, na Praça Verde. Gratuito.

 

Contato: David Santos Correia: 99655-9365 / 98965-4905 (g.as10gracas@hotmail.com)

 

 

? Sax in Cena [Circuito de Música Erudita]

 

Primeiro quarteto de saxofones profissional do Ceará, o grupo Sax in Cena apresenta obras de compositores franceses e peças de Alberto Nepomuceno.

 

Dia 8 de novembro de 2015, às 18h, no Auditório. Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia).

 

Contato: Rocha (98616-7017 / producao@orquestra-ce.org.br)

 

 

? Orquestra Filarmônica do Ceará apresenta projeto Grandes Clássicos da MPB, com  “Legião Urbana in Concert”

 

Neste domingo (8), a Orquestra Filarmônica do Ceará realiza mais uma edição do projeto Grandes Clássicos da MPB e traz, para o Anfiteatro do Dragão do Mar, um tributo à banda Legião Urbana. Sucesso nos anos 80, o grupo braziliense reúne um extenso repertório de músicas que agrada fãs por todo o Brasil. A apresentação da Orquestra terá início às 19h30 e contará com participação especial da banda Coda.

 

As atrações prometem uma noite de muitas recordações ao som dos principais sucessos da Legião. Músicas como ‘Tempo Perdido’, ‘Pais e Filhos’, ‘Faroeste Caboclo’, ‘Eduardo E Mônica’, ‘Será’, e ‘Quase Sem Querer’, que embalaram a “geração Coca-Cola”, estão entre o variado setlist. Os ingressos já estão à venda na Bilheteria do Dragão do Mar (funcionamento de terça a domingo, das 14h às 20h), por R$ 30,00, a inteira, e R$ 15,00, a meia-entrada.

 

Orquestra Filarmônica do Ceará

A Orquestra Filarmônica do Ceará é uma associação cultural sem fins lucrativos, fundada em 22 de maio de 1998 pelo Maestro Gladson Carvalho, discípulo e amigo do grande maestro cearense Eleazar de Carvalho. Há 17 anos, a Orquestra Filarmônica do Ceará atua na descoberta, reunião e valorização dos melhores músicos em atuação no Estado, em torno de um ousado e necessário projeto artístico-cultural. A Orquestra nasce, assim, para materializar o grande sonho de muitos músicos cearenses: poder poder integrar uma Orquestra Sinfônica ou Filarmônica no Estado.

 

Numa iniciativa do maestro Gladson Carvalho, seu diretor artístico e regente titular, a Orquestra Filarmônica do Ceará surgiu com o objetivo de promover a formação de plateias e laboratórios profissionalizantes, bem como de gerar trabalho e renda para cerca de 70 profissionais, entre músicos e técnicos de áreas afins, implicados na produção dos espetáculos.

 

A Filarmônica do Ceará colabora para conter o constante fluxo de talentos musicais que o Ceará perdia para outras terras, pela falta de uma orquestra. Hoje, composta por 40 músicos, entre profissionais e estudantes, firma-se no cenário musical do Ceará e do Brasil, realizando concertos de porte nacional e internacional, sempre com sucesso de público. Assim como as filarmônicas do mundo inteiro, a Filarmônica do Ceará é mantida pela iniciativa privada, mediante doações, patrocínios e projetos culturais incentivados pela Lei Rouanet (ou lei Mecenato Estadual).

 

Banda CODA

Formada em 1996, a banda Coda é reconhecido, em Fortaleza, pela fidelidade com que executa as canções da Legião Urbana. Tem como integrantes os músicos Jorge Luís Coda, nas guitarras, Marcelo Couto, no contrabaixo, Ivanildo Brasil, na bateria, e Carlos Brandão, nos vocais.  A banda já participou de todos os grandes festivais da cidade. Em virtude do reconhecimento de seu trabalho, o grupo foi convidado a acompanhar Marcelo Bonfá, ex-baterista da Legião, em shows pelo Nordeste. Em paralelo, a banda tem um trabalho próprio e já lançou dois álbuns autorais: “O retorno ao início, em 1998, e Via férrea, em 2008.

 

Dia 8 de novembro de 2015, às 19h30, no Anfiteatro. Classificação Livre. Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia).

 

Contatos: Maestro Gladson (gladsonmaestro@yahoo.com.br) (85) 98899 0644/ 99618-5840
Jorge Luís Coda (Celular / WhatsApp : 85 9 98139496 / OI: 85 988069974)

 

 

 

 // EXPOSIÇÕES

 

 // MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO CEARÁ

 

AGRICULTURA DA IMAGEM

 

O conceito cunhado pelo renomado artista canadense Jeff Wall que divide os fotógrafos em duas categorias, caçadores e agricultores, serviu de inspiração para o título da exposição de Rodrigo Braga, Agricultura da Imagem. Idealizada pelo ICCo – Instituto de Cultura Contemporânea e com curadoria de Daniel Rangel, a mostra estará em cartaz de 29 de outubro de 2015 a 24 de janeiro de 2016, no MAC-CE.

 

A mostra itinerante foi considerada sucesso de público e de crítica em sua estreia no Sesc Belenzinho, São Paulo, tendo recebido cerca de 200.000 pessoas entre setembro e novembro de 2014, período em que ficou exposta.

 

“Segundo Wall, o fotógrafo caçador captura imagens que encontra no mundo, já o agricultor constrói a imagem antes de fotografá-la. Um processo de trabalho realizado constantemente por Rodrigo que parece estar buscando imagens que já existem em sua cabeça, um eterno déjà vu imagético”, destaca o curador.

 

Rodrigo nasceu no Amazonas em 1976, mudou-se para Pernambuco aos dois anos e vive no Rio de Janeiro desde 2011. O deslocamento entre esses três estados nos últimos quatro anos e sua experiência com os diferentes biomas e culturas de cada um é material para a maior exposição de sua carreira, com 30 fotografias, três vídeos e objetos encontrados nas investigações em campo.

 

Filho de biólogo, o artista se utiliza de um peculiar método de criação que marca sua trajetória artística: ele mergulha na natureza local mais inóspita em busca de cenários e elementos para compor suas fotos e realizar seus vídeos. A imersão em cada lugar dura geralmente um mês, em solidão, quando, como um bom agricultor de imagens, ele “aduba” as paisagens que vão compor as fotografias com elementos que encontra pelo caminho, como folhas, pedras e flores, e outros que compra em mercados e feiras locais, como carcaças de animais.

 

“Minhas fotos são fictícias, totalmente produzidas”, explica Braga, vencedor do Prêmio MASP Artista Emergente de 2013. “Exploro a região para encontrar inspiração e faço desenhos em meu caderno de croquis, que no futuro se transformarão no trabalho final”. Esses rascunhos estarão presentes na mostra, numa espécie de gabinete do artista, onde os visitantes descobrirão como funciona o processo criativo do artista.

 

Para a exposição, o fotógrafo explorou o Rio Negro, o litoral de Pernambuco e os cursos d’água do bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. “Trabalho com o conceito da mimesis, que significa representação em grego”, conta. Durante a concepção das fotografias, ele mistura os elementos e mostra como se complementam e se assemelham. “Um peixe pode se transformar numa folha, assim como uma folha pode se parecer com um peixe”, diz. Para a nova exposição, ele recolheu peixes descartados por pescadores ou encontrados na maré baixa. O uso das carcaças, uma marca em seu trabalho, também o ajuda a retratar o sentido cíclico da morte, de transformação e integração, tão marcante na natureza e presente nas obras de Agricultura da Imagem.

 

Além das fotografias e do gabinete do artista, que de certa forma exibem este processo de construção de imagens de Rodrigo, três vídeos fazem parte da mostra. Segundo Rangel, “a relação de Rodrigo com a natureza é ainda mais direta na sua produção audiovisual. Ao fazer suas ações performáticas, que dão origem aos vídeos, ele busca um dialogo direto entre homem e natureza”. 

 

Sobre Rodrigo Braga

Nascido em Manaus, viveu em Recife, onde se graduou em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Possui obras em acervos como o do Museu de Arte Moderna do Rio, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM) de Pernambuco, no Museu de Arte Contemporânea do Paraná e na Maison Européene de la Photographie de Paris.

 

Seu trabalho transita entre a performance, a fotografia e o vídeo, onde frequentemente se coloca como personagem principal de sua obra, que tem forte relação com a natureza. Braga participou das últimas edições da Bienal Internacional de São Paulo e da Bienal de Cerveira, em Portugal. Em 2012, venceu o prêmio Pipa de Artes Visuais na categoria Voto Popular Exposição. Entre agosto e outubro de 2013, realizou uma residência artística na Residency Unlimited, no bairro do Brooklyn, em Nova York, como prêmio da bolsa ICCo/SP-Arte 2013.

 

Sobre o ICCo

O ICCo – Instituto de Cultura Contemporânea é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) fundada em 2009, pela colecionadora Regina Pinho de Almeida, para promover a arte contemporânea. Sem fins lucrativos, seu objetivo é identificar oportunidades e preencher lacunas no ambiente artístico brasileiro, valorizando a experimentação em artes visuais e propondo um novo modelo de atuação.

 

As principais estratégias de ação do ICCo são a internacionalização, ao promover a arte contemporânea brasileira fora do país; a gestão compartilhada, articulando parcerias com outras instituições no Brasil e no exterior; e revisitar aspectos da história da arte brasileira relacionando-os a produção atual.

 

 

SERVIÇO

 

Agricultura da Imagem, de Rodrigo Braga

 

Período expositivo: de 29/10/2015 a 24/01/2016

 

Visitação: terça a sexta, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 20h30).

 

Onde: MAC-CE, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)

www.icco.art.br

 

TRIANGULAÇÕES

A mostra itinerante de artes visuais intitulada Triangulações nasceu como desdobramento e ampliação do Circuito das Artes, um verdadeiro intercâmbio entre criadores de diferentes partes do país que estimula a circulação do debate artístico fora do eixo tradicional da Região Sudeste.

 

Triangulações é um triângulo conceitual que se sobrepõe ao geográfico estabelecido pelos pontos correspondentes à localização de cada uma das três cidades, reunindo cerca de 90 obras de artistas de Goiânia, Salvador e Fortaleza. Esse conjunto segue o tema-eixo “Registros Circunstanciais”, cujos três vértices são: Intervenções, Fabulações, Apagamentos.

 

As obras reunidas em torno da ideia de Intervenções, da ação de inscrever algo no mundo, se estabelecem, como cicatriz deixada pelo ato, tanto no sentido de comentário ou manifesto, quanto naquele de uma afirmação dos materiais usados como instrumentos de marcação. São resultado da observação e de certa documentação, do atravessamento dos campos de saber pela arte – sociopolítica, etnografia, filosofia, arquitetura e urbanismo – ou de uma “escrita” das coisas, marca do artista como traço de sua passagem.

 

Em Fabulações, dialogam as obras que fabulam tanto no sentido do léxico – contar uma versão fantasiosa dos fatos e, ao mesmo tempo, lição moral que encerra as fábulas – quanto no sentido da filosofia contemporânea – da “imagem-fábula, que nos faz ver estados de mudança no presente”. Os trabalhos incluídos neste recorte têm a potência de emular imagens que, embora apresentem um claro caráter narrativo, desestabilizam nossa leitura.

 

Apagamentos tem uma relação com o tempo, com memória e esquecimento, com a ação de apagar, deixando alguns rastros recuperados por seus vestígios. A imagem sugere e ao mesmo tempo resiste à leitura, se esvai, se espalha, se desfoca traz em si um caráter fantasmático. Se, nos outros dois recortes, a ênfase está em dois diferentes modos de figurar o presente, este debruça-se sobre o pretérito, sobre o que ainda pode emergir desse outro tempo.

 

Com coordenação geral de Eneida Sanches e curadoria geral de Marília Panitz, em Fortaleza a curadoria fica por conta de Bitu Cassundé. Já na Bahia, Alejandra Muñoz foi a curadora, com produção executiva de Fabiane Beneti e Tetê Ferrari. Em Goiás, o responsável pela seleção conceitual foi Divino Sobral.

 

Artistas expositores na edição 2015

 

Goiânia: Luiz Mauro, Edney Antunes, ZéCésar, Enauro de Castro, Pitágoras Lopez, Grupo EmpreZa, Rodrigo Godá, Helô Sanvoy, Dalton Paula, Santhiago Selon, Yara Pina, Evandro Soares, Rogério Milani, Glayson Arcanjo e – Paul Setúbal.

 

Salvador: Adriano Machado, Aristides Alves, Eriel Araújo, Fábio Magalhães, Florival Oliveira, Isolda Libório, Leonardo Celuque, Marcelo Reis, Márcio Lima, Miguel Cordeiro, Neyde Lantyer, Paulo Coqueiro, Péricles Mendes, Rosa Bunchaft e Tami Oliveira.

 

Fortaleza: Waléria Américo, Solon Ribeiro, Luciana Magno, Junior Pimenta, Milena Travassos, Marina de Botas, Herbert Rolim, Filipe Acácio, Jared Domício, Diego de Santos, Juliane Peixoto, Yuri Firmeza, Marcos Martins, Haroldo Sabóia e Júlia Braga.

 

 

História

Partindo de Salvador, com seu já tradicional Circuito das Artes, o Triangulações iniciou-se em 2013, com uma provocação feita às outras duas cidades – Brasília e Recife – de um diálogo possível estabelecido entre as produções de arte contemporânea em cada localidade. A ideia configurou-se pela identificação de certos pressupostos conceituais, indicados pelo conjunto de 49 obras selecionadas. Deles, criaram-se cinco núcleos, nos quais as obras eram situadas de forma a dialogarem com as demais, a partir de seu lugar contingencial. Dentro da proposta geral, elaborada por Alejandra Muñoz, eram eles: Íntimo Eu; Sagrados & Profanos; Topografias inefáveis; (A)caso (re)corrente e Antifábulas.

 

Para a segunda edição, as interlocutoras escolhidas foram Belém e Maceió. O exercício proposto foi o de pensar a sobreposição de dois triângulos: um formado pela ligação cartográfica dos pontos que unem as três capitais; e outro pelos vértices de três “manchas territoriais”, representados por três noções – de ressonância cartográfica, afinal estamos propondo um mapeamento idiossincrático – em torno das quais se operava a contaminação|conversa entre as obras, nossas “Geografias Oblíquas”. Propostas por Marília Panitz, elas eram: Atravessamento, Deslocamento e Anamnese.

 

 

SERVIÇO

 

Triangulações

Período expositivo: de 29/10/2015 a 29/11/2016

Visitação: terça a sexta, das 9h às 19h (com acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (com acesso até as 20h30).

Onde: MAC-CE, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)

http://circuitodasartes.art.br

 

 

// MUSEU DA CULTURA CEARENSE

 

Vaqueiros

Exposição lúdica, de caráter didático, percorre o universo do vaqueiro a partir da ocupação do território cearense pela pecuária até a atualidade. Utiliza cenografia, imagens e objetos ligados ao cotidiano do vaqueiro.

 

Exposição de longa duração.

 

Sobrenaturezas Sobnaturezas

 

Une os acervos do Museu da Cultura Cearense e do Museu de Arte Contemporânea para apresentar um recorte da arte popular cearense, marcada pela riqueza e diversidade do seu artesanato e forte expressão do imaginário social.

Traz 67 trabalhos de artistas como Racar, Antonio Bandeira, Nino, Manoel Graciano, Mestre Chico, Beto, Abraão Batista, Cícera Lira, Luiz Hermano, Mestre Alencar e Chico da Silva.

 

Exposição de média duração.

 

A Palavra e o Traço

 

Com curadoria da historiadora Valéria Laena, retrata vida e obra do arquiteto, urbanista e compositor cearense Fausto Nilo. Autor de mais de 400 composições interpretadas por grandes nomes da música brasileira – como Moraes Moreira, Gal Costa e Fagner –, Fausto Nilo é também o responsável, junto de Delberg Ponce de Leon, pelo projeto arquitetônico do Centro Dragão do Mar. A vernissage terá ainda apresentação musical em homenagem ao artista.

 

Exposição de média duração.

 

 

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS MUSEUS

Terça a sexta-feira, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30).

 

// PLANETÁRIO

O Planetário Rubens de Azevedo é um espaço de entretenimento e formação pedagógica através de caráter transdisciplinar em Astronomia. Atualmente, o Planetário está realizando sessões de sexta a domingo, com sessões às 19h e 20h.

Sessões às sextas, aos sábados e domingos:

19h – Sessão: O ABC do Sistema Solar – sessão infanto-juvenil

20h – Sessão: Origens da Vida – sessão juvenil-adulto

Ingressos: R$ 8 e R$ 4 (meia). Não é recomendada a entrada de crianças com menos de 7 anos sem o acompanhamento do adulto responsável.

 

 

 

03.11.2015

 

Assessoria de imprensa da Secult
(85) 3101-6761 / secultmkt@gmail.com

 

Giselle Dutra
Gestora de Célula/Secretarias

 

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado do Ceará
Casa Civil / (85) 3466.4898