Programação cultural de 8 a 13 de dezembro, no Dragão do Mar

7 de dezembro de 2015

Funcionamento do Dragão do Mar

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. // Bilheterias: de terça a domingo, das 14h às 20h.

Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: de terça a domingo, das 14h às 22h.

Museus e Multigaleria: terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

Atenção: às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria nem bilheterias.

Acompanhe nossa programação também pelas redes sociais:

Facebook: Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura
Instagram: @dragaodomar
Periscope e Twitter: @_dragaodomar

Legião Urbana in concert

 

? Lançamento Calendário IATEC

O Instituto de Artes e Técnicas em Comunicação (Iatec) realizará, no dia 8 de dezembro, às 19h, no Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, uma palestra de apresentação da grade de cursos para 2016, todos voltados para a produção cultural e de eventos. Com a participação de professores, diretores, coordenadores e ex-alunos, a ideia é mostrar não apenas o que a instituição vai preparar para o próximo ano, mas, principalmente, trocar ideias e experiências sobre uma das áreas de atuação que mais vem se destacando no Ceará, mesmo com a crise econômica.

De acordo com a pesquisa Dimensionamento Econômico da Indústria de Eventos no Brasil, por exemplo, o mercado de eventos cresce aproximadamente 14% ao ano e movimentou quase R$ 210 bilhões em 2013.

Os cursos do Iatec são organizados a partir de áreas específicas de atuação, chamadas de “Programa Especial de Treinamento” (PET). São elas: Áudio, que inclui produção musical, sonorização, treinamento para roadies, trilha sonora, entre outros; Produção de Eventos, com cursos de assessoria de imprensa, logística, leis de incentivo à cultura e ao esporte, produção executiva de shows e eventos etc; Vídeo, com módulos voltados para operação de câmeras; e Iluminação Cênica, uma das grandes responsáveis pela valorização de um espetáculo, em que os alunos aprenderão tudo sobre concepção, escolha de equipamentos e operação.

Uma das novidades para 2016 é o lançamento do PET Broadcast: Áudio para Rádio, TV & Cinema. Os cursos serão voltados para a captação e pós-produção de áudio para transmissão de rádio, TV e cinema, com aulas sobre o uso de microfones e gravadores corretos e técnicas de mixagem e sincronismo, além de formatos de áudios e softwares. Outro curso que será ofertado a partir do ano que vem será voltado para a música eletrônica, em que serão abordados, de forma teórica e prática, tudo sobre discotecagem, produção musical, remix, entre outros.

O evento de apresentação dos cursos do Iatec para 2016 é gratuito e aberto ao público. Para se inscrever, basta enviar um e-mail para fortaleza@iatec.com.br, com nome completo, data de nascimento e telefone.

// Dia 8 de dezembro de 2016, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito. 16 anos.

Contato: Humberto (ararena@ararena.com.br / (85) 3181.4597 / fortaleza@iatec.com.br)

? Teatro da Terça [Temporada de Arte Cearense]

Espetáculo Baldio

Pavilhão da Magnólia

Cinco atores em quadros cênicos abordando histórias reais/pessoais. Um atravessamento de temas, como a morte, o estar-no-mundo, a possibilidade do encontro, que se costuram por meio dos relatos, em uma junção de cena, audiovisual e literatura. A figura do cão “vira-latas”, em sua dimensão de abandono, inspirado numa das narrativas do livro “Contos de Lugares Distantes”, do escritor australiano Shaun Tan, reverbera na criação dos atores, em memórias que oscilam entre delicadezas e violência. Esse é a imagem que emoldura os contrastes e oposições de “Baldio”.

O texto foi originado durante o processo de criação, com assinatura do dramaturgo paraibano Astier Basílio (prêmio Funarte de dramaturgia 2014). A direção de Héctor Briones se dá em parceria do Grupo Pavilhão da Magnólia com o LPCA – Laboratório de Poéticas Cênicas e Audiovisuais do ICA – Instituto de Cultura e Arte da UFC. A direção audiovisual é assinada por Lenildo Gomes, pesquisador em linguagem de cinema, sociólogo e professor. O espetáculo faz parte das comemorações de 10 anos do grupo e na culminância das atividades desenvolvidas como grupo residente do Teatro Universitário, dentro do projeto TU-residência.

// Dias 8, 15 e 22 de dezembro de 2015, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia). 18 anos.

Contato: Pavilhão da Magnólia (3290-6339 / contato@pavilhãodamagnolia.com.br)

? Golpe de Vista #12

Design, produção e difusão de fotolivros

Devido ao acesso crescente da população à fotografia, às suas técnicas e aos smartphones equipados com câmeras, ser um fotógrafo amador virou hobbie de muitos. Quem deseja ter especialização e destaque na área como profissional, entretanto, tem de lidar com questões mais amplas, incluindo a dúvida de como ter seu trabalho publicado e reconhecido. O Golpe de Vista em parceria com o Encontros de Agosto, portanto, traz à cidade a palestra “Design, produção e difusão de fotolivros”, nesta quarta-feira (9), no Auditório do Dragão do Mar.

Ao contrário do que se pode pensar, livro fotográfico não é sinônimo de fotolivro. Este último inclui mais ação, envolvimento e escolhas do autor no processo de elaboração do produto final, desde escolha de papel, diagramação, até a narração que o artista deseja contar tendo a fotografia como linguagem principal. Sobre as nuances deste assunto é que Elaine Ramos Coimbra, diretora de arte da Cosac Naify, e Walter Costa, integrante-fundador do grupo Trama Fotolivros, irão conversar e debater na palestra.

Esta edição terá ainda a presença do fotógrafo Tiago Santana realizando a abertura, comentando os caminhos do seu trabalho pessoal. O Golpe de Vista se firmou na programação local por realizar encontros a fim de discutir e trocar experiências sobre imagem, artes visuais e fotografia.

SOBRE OS CONVIDADOS

Tiago Santana //

Tiago Santana,  fotógrafo, atua desde 1989, desenvolvendo ensaios pelo Brasil e América Latina. Em 1994 recebeu a Bolsa Vitae de Artes com o projeto Benditos, livro homônimo publicado em 2000; e o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, em 1995. Em 2007 ganhou os Prêmios Conrado Wessel de Ensaio Fotográfico e APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte, pelo ensaio O Chão de Graciliano, livro realizado em parceria com o jornalista Audálio Dantas. Ganhou o prêmio O Melhor da Fotografia no Brasil em 2007, 2008 e 2009. Em 2010 recebeu o Prêmio Porto Seguro Brasil de Fotografia. Tem trabalhos publicados em revistas e livros no Brasil e no exterior. Sua obra integra importantes acervos e coleções de fotografia. Em 2011 foi o segundo brasileiro a ter seu trabalho publicado na coleção de fotografia francesa Photo Poche. Em 2014 publicou o livro Céu de Luiz, também em parceria com o jornalista Audálio Dantas. Organizou diversas exposições e festivais de fotografia no Brasil. É fundador da Editora Tempo d’Imagem.

Elaine Ramos Coimbra (Diretora de arte da Cosac Naify) //

Elaine Ramos é diretora de arte da editora Cosac Naify, onde já desenvolveu mais de uma centena de projetos de livros. É co-organizadora do livro Linha do tempo do design gráfico no Brasil e membro da Alliance Grafique Internationale (agi).

Walter Costa (Integrante-fundador do grupo Trama Fotolivros) //

O italiano Walter Costa adentrou o universo da fotografi a em 2009 na Blank Paper Escuela em Madrid. Depois de concluir o Master em Fotografia Documental, voltou seus interesses especificamente para o fotolivro. Pesquisador, professor e editor independente, é fundador do TRAMA, grupo de discussão sobre livros de fotografia em São Paulo que se reúne em eventos e festivais, ocupando-se de reflexão e difusão do meio no contexto Latino-americano.

// Dia 9 de dezembro de 2015, às 19h, no Auditório. Gratuito.

Contatos: golpedevista.fotoclube@gmail.com // barbosa.eden@gmail.com

?Papo Fotográfico [Temporada de Arte Cearense] + Encontros de Agosto

“Fotografia contemporânea e o panorama dos festivais fotográficos”, com Ângela Berlinde

A consagrada fotógrafa portuguesa Ângela Berlinde vem a solo cearense realizar o Papo Fotográfico da Temporada de Arte Cearense (TAC), do mês de dezembro. A ocasião integra também o Festival Encontros de Agosto, que ocorre de 7 a 13 de dezembro em vários pontos de Fortaleza.

Tendo viajado o mundo a partir de convites para palestrar sobre o seu trabalho com as nuances da imagem, Ângela apresenta a fala “Fotografia contemporânea e o panorama dos festivais fotográficos”, para discutir aspectos das produções de artistas e promover um debate de como os festivais atuam na publicização e exposição de material inédito.

// Dia 10 de dezembro de 2015, às 18h, no Auditório. Gratuito.

Contato: Patrícia (veloso.patricia@gmail.com / (85) 3261 0525)

? Leituras no Dragão [Temporada de Arte Cearense]

A Palavra Despida

Costa Senna

Costa Senna é cantor, ator e poeta. O seu trabalho é composto por literatura de cordel, música, provérbios, ‘causos’, informações e brincadeiras que formam o universo cultural

brasileiro. Receita certa para fortalecer o conhecimento de estudantes, educadores e apreciadores da cultura popular. Sua proposta é interpretar, de maneira poética, lúdica e engraçada, as composições extraídas das estrofes, rimas e métricas do cordel.

Por meio dessa ferramenta, cria-se um caminho facilitador no trabalho com a matemática, gramática, história, geografia, humanismo social e a sustentabilidade do planeta. Costa Senna é autor de diversos livros e dezenas de folhetos de literatura de cordel; trabalhou em diversas peças teatrais; compôs e gravou dezenas de músicas; até então com quatro cd’s e um dvd gravados. Recentemente, participou da gravação de um vídeo-documentário sobre Paulo Freire, ‘Educar para transformar’, da cineasta Tânia Quaresma.

// Dias 10 e 17 de dezembro de 2015, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Contato: Lionete (lionete10@yahoo.com.br / 3025-0222)

?Dragão Instrumental [Temporada de Arte Cearense]

Concerto Medidativo “A Flight into the Occult”

T4LES

É um convite para expansão da consciência através da música. O trabalho já percorreu algumas cidades brasileiras, participando do Festival Internacional da Cultura Alternativa, no Alto Paraíso em Goiás, conquistando corações e mentes na cidade de São Paulo e é também um dos vencedores dos Editais Culturais do Dragão do Mar. Além disso, o projeto vem recebendo diversos convites internacionais, entre eles, chamados vindos do Chile e Peru, por onde o Concerto passará em meados de 2016.

// Dias 11 e 18 de dezembro, às 19h, no Auditório. Gratuito.

Contato: Talles Lucena (3225-3141 / abismot4lles@gmail.com)

? Novo Som [Temporada de Arte Cearense]

Com as bandas Navale e Filipe Flakes e o Subverso Coletivo

Navale //

A banda Navale surgiu no início de 2014, por meio de um desejo comum de realizar um trabalho autoral e a transformação de músicas de compositores cearenses através de um arranjo diferenciado. Ao todo, são quatro integrantes, todos compositores: Eloá Moura (violão, percussão e voz), Naiara Lopes (bateria), Valnei Rodrigues (violão de aço e backvocal) e Leo Lanter (violão, gaita e voz).

Em seu repertório autoral, existem canções em diversos estilos e também músicas instrumentais. Porém, tamanha diversidade não se contrapõe à unidade musical da banda que, mesmo tendo pouco tempo de vida, já possui um estilo próprio.  Em uma de suas primeiras apresentações, a banda Navale se classificou para o 6º Sarau Entre Palavras da UFC nas categorias: música autoral “Os Loucos”; e interpretação: Summertime, sendo a única banda a concorrer em duas categorias.  Navale se apresentou também na Zug, Boozer´s Pub & Hostel, Mostra de Bandas UFC 2014 e na gravação do DVD Manassés 60 anos. Em julho de 2015, realizou nos Sesc Iracema o espetáculo Navale na Terra do Faz de Conta.

Contato: Manuel Mateus ( bandanavale@gmail.com)

+

Filipe Flakes e o Subverso Coletivo //

Show O que importa

Motivado pela consciência da importância do trabalho autoral na preservação de uma identidade cultural, o músico, compositor, cantor e artista circense Filipe Flakes lança o show “O que importa”, como uma espécie de grito de suas raízes e prioridades enquanto ser humano. Ao lado do artista, a banda Subverso Coletivo faz uma espécie de coro e levantam essa bandeira em conjunto.

Filipe Ramalho Alves (Filipe Flakes) – Músico – Vocal

Felipe Rodrigues Lima (Felipe VG) – Músico – Guitarra

Caio Fares Mendes Lopes (Caio Fares) – Músico – Baixo

Raphael Salgado (Raphael Salgado) – Músico – Teclado

Israel Guedes Freires (Israel Guedes) – Músico – Bateria

Thiago Lima ( Thiago Lima ) – Roadie

Rafael Dos Santos Saldanha (Rafael Saldanha) – Produtor

Contato: Felipe ( contato@flakesproducoes.com.br)

// Dia 11 de dezembro de 2015, às 20h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Gratuito.

? Ceará Jazz Séries

Um novo projeto musical, reunindo virtuosos cantores e instrumentistas cearenses para recriar no palco obras-primas da história do jazz. É o “Ceará Jazz Series”, festival que leva ao Teatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura debates e shows com clássicos do jazz, reinterpretados por alguns dos mais consagrados e aplaudidos nomes da nossa cena musical. Com apoio da produtora Quitanda das Artes, do Centro Dragão do Mar e da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), o Ceará Jazz Series, que estreou em agosto com casa cheia, tem sua segunda etapa neste mês de dezembro, novamente com dois shows: dia 11 o público vai conferir a recriação do disco “Kisses on the Bottom”, de Paul McCartney, na voz de Lorena Nunes, com clássicos e lados B norte-americanos dos anos 30 a 50 escolhidos pelo ex-beatle; dia 18 será a vez de apreciar um tributo especial a Chet Baker, com clássicos do disco “Chet Baker Sings” e temas de várias fases da carreira do mítico artista, recriados por Hugo D´Leon e banda.

Os shows partem do repertório de cada disco, recriando os álbuns com uma abordagem contemporânea e pessoal, destacando o talento e a criatividade dos músicos da cena cearense. As apresentações contam com uma escalação de craques do primeiríssimo time da cena instrumental cearense, referência nacional pela excelência em vários naipes, das cordas aos metais, do piano à bateria, dos compositores aos arranjadores.

As apresentações serão precedidas de um bate-papo, às 18h, no próprio teatro, com entrada franca, em que os músicos falarão sobre como foi o trabalho de preparação da apresentação, sobre as características do disco homenageado, o desenvolvimento dos arranjos para o show, além de responder a perguntas do público. Uma atividade que reforça a característica de formação, mais um diferencial do projeto “Ceará Jazz Series”, e reforça o convite para o espetáculo que começa às 20h.

Programação dia 11

18h – Bate-Papo com Lorena Nunes

20h – show “McCartney in Jazz – Lorena Nunes canta Kisses on The Bottom”

O show contará com a intérprete cearense, uma das mais aplaudidas da nova cena musical, apresentando as canções do premiado disco lançado pelo ex-beatle em 2012, com músicas de compositores norte-americanos da primeira metade do século XX, interpretadas em clima de jazz. No disco, o sotaque britânico de Paul McCartney percorre letras e melodias de obras de compositores norte-americanos dos anos 1930 a 1950, com Macca se unindo a um time de estrelas, como Diana Krall, John Pizzarelli, Anthony Wilson e John Clayton, para uma viagem entre canções de sua memória afetiva e “lados B” do American Songbook.

O clima jazzístico do álbum será recriado no show do dia 11, no Teatro do Centro Dragão do Mar, com Lorena Nunes e grandes instrumentistas cearenses, sob direção musical do multi-instrumentista, compositor e arranjador Luciano Franco. “O disco ‘Kisses on the Bottom’ traz Paul McCartney cantando um repertório belíssimo, no clima de ‘American Songbook’, mas com o diferencial de músicas não tão conhecidas pelo grande público. É um ótimo disco de jazz, com instrumentistas de altíssimo nível e canções maravilhosas”, afirma Lorena Nunes, que faz uma pausa nos shows de divulgação de seu CD autoral “Ouvi Dizer que Lá Faz Sol” para compartilhar com o público a beleza e o sentimento das canções escolhidas pela memória afetiva do eterno beatle Paul.

“A ideia do show nasceu desse gosto pelo jazz e pelas canções reunidas no disco com arranjos incríveis, com elegância e muita musicalidade”, acrescenta Lorena. “É um grande prazer recriar esse disco na íntegra, levando-o ao palco nesse show”, acrescenta, sobre a apresentação que terá clássicos como “It´s only a paper moon” (do repertório de Nat King Cole); “Always”

(de Irving Berlin), “Bye bye blackbird” (standard registrado por jazzistas como Chet Baker). Assim como a romântica “My valentine”, a pungente “Only our hearts” e a bem-humorada “Baby´s request”, composições do próprio McCartney.

Programação dia 18

18h – Bate-papo com Hugo D’Leon

20h – Show Tributo a Chet Baker por Hugo D´Leon

Com o virtuoso trompetista cearense recriando as tramas sonoras daquele que foi um dos maiores nomes do jazz – e, ao mesmo tempo, um de seus artistas mais populares. Com seu som personalíssimo no trompete ou emprestando sua voz a canções que ajudou a eternizar em discos como “Chet Baker Sings”, de 1956, que serve de base para o repertório do show no Teatro do Dragão do Mar, Chet segue enternecendo e influenciando gerações, o que contribuiu para a escolha de seu repertório para este show no Festival Ceará Jazz Series.

Para a apresentação, o trompetista Hugo D´Leon reunirá um time de craques da música instrumental, recriando clássicos como “Time after time”, “My funny Valentine”, “There will never be another you” e “I get along withou you very well”. Tudo com a performance de Hugo D´Leon, instrumentista tarimbado em temporadas na Europa, e de cantores e músicos convidados, entre representantes do primeiro time de Fortaleza.

“Vamos revisitar o repertório do ‘Chet Baker Sings’ e outros grandes temas marcantes de diferentes fases da carreira do Chet Baker, propondo outras leituras e possibilidades”, destaca Hugo D´Leon. “O disco é um dos mais marcantes da trajetória dele e da própria história do jazz. Será um prazer revisitar a sonoridade e a intensidade de Chet Baker, ao lado de grandes músicos do Ceará”, antecipa.

// Dias 11 e 18 de dezembro de 2015, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia).

Contato: Dalwton Moura ( dalwton@gmail.com)

? Vitrine MPB – Roberta Campos

Um dos maiores nomes da nova geração da MPB, Roberta Campos desembarca em Fortaleza para um show de lançamento do novo trabalho. A cantora e compositora apresenta o disco “Todo Caminho é Sorte”, dentro da primeira edição do projeto “Vitrine MPB”, promovido pela Stallo’s Produções, Artes e Entretenimento, produtora que é destaque na promoção de artistas nacionais pelo Nordeste. No palco, o público vai conferir a voz suave que ganhou o mundo ao lado de Nando Reis no hit “De Janeiro a Janeiro”, em única apresentação (voz e violão), no dia 11 de dezembro, no anfiteatro do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Em seu quarto álbum, a voz e violão característicos de Roberta Campos são acompanhados de uma banda para executar 12 faixas bem amarradas e com grande potencial pop. Nas parcerias, a cantora recebe participações especiais de outros célebres artistas da nova geração. Ela divide os vocais com Marcelo Camelo em “Amiúde”, canção que também tem a presença de Marcelo Jeneci no instrumental; e assina a letra de “Abrigo”, primeiro single do CD, com Fernanda Takai.

// Dia 11 de dezembro de 2015, às 21h, no Anfiteatro. 15 anos. Ingressos: R$ 60 e R$ 30 (meia). Aceita cartões de débito e crédito.

Contato: Capucho Produções (atendimento2@capuchino.com.br / + 55 11 3032-3312 | )

? Oficina Fotografia Contemporânea

Pensar em fotografia de forma expandida é, sobretudo, encará-la além da imagem que vemos e de sua “materialidade” no lugar e tempo em que, por consequência, a percebemos. É também percebê-la como corpo e memória, do organismo contemporâneo, seus desdobramentos e seu universo, complexo como o é, com seus paradigmas e seus temas a serem discutidos. Ao contemplarmos o tema, trazemos um recorte que perpassa algumas das questões da Fotografia Contemporânea e seus eixos, como por exemplo as micropolíticas e a construção de narrativas enviesadas, além de fazermos um passeio nas exposições de fotografia vigentes nos dois museus. Educadores: Lucas Santos e Eduardo Barros Leal.

// Dia 11 de dezembro de 2015, a partir das 14h, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Gratuito. Livre.

? Feira da Fotografia Fortaleza

Uma das mais tradicionais feiras de fotografia da cidade apresenta, neste mês, palestra “Fotografia Contemporânea – A banalidade e o Cotidiano”, com Julio Caesar; e confraterniza com os participantes a partir da exposição Fraternidade e Paz, com imagens que remetem a boas energias para 2016.

// Dia 12 de dezembro de 2015, das 14h às 18h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Contato: Chico Gomes (chicogomesfoto@hotmail.com)

? Oficina Experimentos Orgânicos

A partir de manchas, que ao olho nu parecem aleatórias, surgem narrativas que são ressignificadas e remodeladas, onde a espontaneidade define a fluidez do desenho. A oficina utiliza-se do apelo orgânico que é encontrado nos trabalhos do fotógrafo Rodrigo Braga e na obra do artista visual goiano Paul Setúbal, que buscam compor imagens e traços que sugerem cenas nítidas e movimentos vivos que remetem à natureza. Consiste, assim, em experimentar o processo de criar desenhos a partir de uma simples mancha sobre o papel.

Educadores: Cristiano Câmara e Igor Gonçalves // 15 participantes

// Dia 12 de dezembro de 2015, a partir das 17h, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Gratuito. Livre.

? Pôr do Som – Música de Câmara no Dragão

Com Kaya no Choro

Projeto semanal enche de boas vibrações o fim de tarde dos sábados, no Dragão, com grupos de instrumentistas da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual do Ceará (Osuece). Nesta edição, o Projeto Kaya no Choro apresenta a singularidade de promover o encontro entre os clássicos do choro e a juventude. Com jovens advindos de diversas formações musicais, compõem a banda: Carlinhos  Patriolino (bandolim/guitarra  baiana), Raul Porfírio  (guitarras/violão/técnico  de  áudio), Bruno  Brasil (contrabaixo), Clarisse Aires (flauta transversal), Tauí Castro (pandeiro), Fernando Lélis (saxofone e direção musical) e Tchelmy (percuteria). O grupo se firma, nesse encontro, com uma linguagem musical contemporânea, em que o antigo e o moderno dialogam de forma harmoniosa e competente.

// Dia 12 de dezembro, às 17h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Contato: Alfredo Barros (alfredo.barros@uece.br)

? Teatro Infantil [Temporada de Arte Cearense]

Espetáculo As Fadas

Com Paula Yemanjá e Edivaldo Batista

Maria e Tereza são irmãs, mas possuem vidas bem diferentes: Tereza leva uma vida de princesa enquanto Maria trabalha noite e dia para atender os caprichos de sua mãe e irmã. Mas tudo muda quando uma misteriosa senhora interfere nos destinos dessa família.

// Dias 12, 19 e 26 de dezembro de 2015, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Livre. Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia).

Contato: Paula Yemanjá (pyemanja@yahoo.com.br)

? Dança Popular [Temporada de Arte Cearense]

Espetáculo Entre Penas e Contas

Grupo Oré Anacã

Existe algo mais agradável que ser convidado para ouvir música? E quando essa música vem acompanhada de um espetáculo colorido e encantador? Ainda pode melhorar quando a música e o espetáculo trazem coreografias e figurinos numa mistura de cores e danças do Brasil, como faz o espetáculo ENTRE PENAS E CONTAS. A montagem foi feita pelo grupo de dança popular Oré Anacã, que desde 2013 realiza pesquisas para desenvolver e construir um espetáculo original e encantador, reunindo danças de influências étnicas negra e indígena do Brasil.

O grupo de dança Oré Anacã foi fundado em 2011 pelo professor Marcos Campos, como um projeto de extensão da Universidade Federal do Ceará, com o intuito de fomentar e difundir o estudo das danças populares brasileiras entre a comunidade universitária. Hoje, o grupo agrega tanto estudantes da UFC como estudantes de outras instituições e pessoas da comunidade, além de capacitar professores da rede pública de ensino com cursos de capacitação e oficinas em escolas públicas e comunidades indígenas e quilombolas, ministrados por seus bailarinos e chancelados pela Universidade Federal do Ceará.

ENTRE PENAS E CONTAS é um espetáculo colorido e dançante que traz 50 minutos de viagem pela nossa cultura popular. A pesquisa gerou um acervo de 25 coreografias, tendo sido selecionadas onze delas para esse espetáculo, entre as quais, Afoxé, Frevo, Siriri e Reisado.

Para a elaboração das danças, os bailarinos consultaram mestres de cultura, grupos populares, festas, etc, todos in loco, para que as coreografias fossem as mais genuínas possíveis e mostrassem ao público a beleza da nossa cultura popular, resgatando a tradição e a memória do nosso povo. Ver o ENTRE PENAS E CONTAS, além de proporcionar aos espectadores um espetáculo belo aos olhos, proporciona também um conhecimento cultural e enriquecimento histórico.

// Dias 12, 19 e 26 de dezembro de 2015, às 18h, no Espaço Rogaciano Leite. Gratuito.

Contato: Natália ( nats.eu@hotmail.com)

? Orquestra Filarmônica do Ceará

Show 3 em 1 in Concert – Homenagem a Roberto Carlos, Legião Urbana e The Beatles

A Orquestra Filarmônica do Ceará apresenta um grande show tributo com canções clássicas de Roberto Carlos, The Beatles e Legião Urbana. As interpretações ficam por conta de Nelson Carlos, Saulo Carvalho e Banda e Banda Coda, respectivamente.

Sobre a Orquestra

A Orquestra Filarmônica do Ceará é uma associação cultural sem fins lucrativos, fundada em 22 de maio de 1998 pelo Maestro Gladson Carvalho, discípulo e amigo do grande maestro cearense Eleazar de Carvalho. A Orquestra Filarmônica do Ceará surge com o objetivo de descobrir e reunir em torno de um ousado e necessário projeto artístico-cultural os melhores músicos em atuação no Estado, valorizando os que sempre aqui estiveram, mas que, por diversas razões, nunca compuseram um todo harmônico profissional. A Orquestra nasce, enfim, para materializar o grande sonho dos cearenses: poder contar com uma Orquestra Sinfônica ou Filarmônica em nosso Estado.

Numa iniciativa do maestro Gladson Carvalho, seu diretor artístico e regente titular, a Orquestra Filarmônica do Ceará surgiu em 1998, com o intuito de reunir os melhores músicos do estado em um trabalho ousado, promovendo formação de plateias, laboratório profissionalizante e geração de trabalho e renda para cerca de 70 pessoas, entre músicos e técnicos de áreas afins, implicados na produção dos espetáculos.

A Filarmônica do Ceará colabora para conter o constante fluxo de talentos musicais que o Ceará perdia para outras terras, pela falta de uma orquestra. Hoje composta por 40 músicos, entre profissionais e estudantes, firma-se no cenário musical do Ceará e do Brasil, realizando concertos de porte nacional e internacional, sempre com sucesso de público, que apoia essa causa, reconhecendo na Filarmônica do Ceará um instrumento de valorização da cultura cearense.

Assim como as filarmônicas do mundo inteiro, a Filarmônica do Ceará é mantida pela iniciativa privada, mediante doações, patrocínios e projetos culturais incentivados pela Lei Rouanet (ou lei Mecenato Estadual) e em seus 17 anos de existência tem enfrentado muitos desafios para manter-se em atividade. Impõe-se a sensibilização dos empresários e da sociedade, para que esse projeto continue descobrindo talentos e dando trabalho e dignidade a esses jovens e dedicados profissionais.

// Dia 12 de dezembro de 2015, às 19h30, no Anfiteatro. Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia).

Contato: Maestro Gladson (gladsonmaestro@yahoo.com.br)

? Brincando e Pintando no Dragão do Mar

Brincadeiras e atividades infantis para todas as idades orientadas por monitores.

// Dia 13 de dezembro, das 16h às 19h, na Praça Verde. Gratuito.

? Fuxico no Dragão

Atrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos agitam as tardes de domingo. São parte ainda da programação desta edição atrações dos programas Circula no Ponto e Fuxico Musical, da TAC. Veja a seguir.

// Dia 13 de dezembro, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

+

? Circula no Ponto [Temporada de Arte Cearense]

Memorial da Carnaúba

Oficina de manuseio da carnaúba.

// Dia 13 de dezembro, das 16h às 18h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Contato: Daisy (pontodeculturacarnauba@gmail.com)

+

? Fuxico Musical [Temporada de Arte Cearense]

Show Humbertos – Tributo ao Dr. do Baião Humberto Teixeira

Caravana Cearense do Baião

O show Caravana Cearense de Baião irá levar ao público um pouco sobre o Baião, enquanto forte movimento cultural brasileiro que teve destaque em todo o mundo nas décadas de 1940 e 1950, além de enfatizar a figura do iguatuense Humberto Teixeira.

A homenagem mescla em suas músicas uma nova roupagem para se apresentar a música regional nordestina com a presença do reggae, rock, blues, valsas, bossas e os tradicionais xote e baião. Ainda que se faça presente a tradicional sanfona, zabumba e triângulo, os sons se misturam com guitarras, bateria, baixo elétrico, trombone, flauta e tuba. A proposta é reinventar as músicas que são conhecidas pelo mundo na voz de Luiz Gonzaga e outros intérpretes, provando a teoria lendária de que o baião é pai de todos os ritmos.

// Dia 13 de dezembro de 2015, às 18h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Contato: Michel ((88) 3581-3191  lucenaleitao@gmail.com)

? Nas Ruas do Dragão [Temporada de Arte Cearense]

Espetáculo Final de Tarde

Teatro de Caretas

 

O grupo Teatro de Caretas apresenta a peça “Final de Tarde”, resultado da pesquisa “A cidade como dramaturgia: uma experiência de atuação na rua”, desenvolvida no Laboratório de Criação Teatral 2014, da Escola Porto Iracema das Artes.

O espetáculo se baseia na pesquisa de André Carreira, tanto na relação entre ator e público como na relação do teatro com a cidade. O espetáculo foi construído a partir de experimentações do grupo em diversos locais de Fortaleza e Juazeiro do Norte, bem como em sala, com jogos e exercícios, e a partir dos encontros com o diretor.

Final da Tarde propõe uma experiência de atuação cênica baseada no detalhe da interpretação, em que proximidade e intimidade entre transeuntes e atores são os elementos centrais. Um aspecto importante é que os transeuntes não serão previamente informados da peça. Não haverá palco nem formalidades de início e fim. A história de uma mãe, seu filho e seu marido no dia-a-dia de Fortaleza invadirá a praça e Final da Tarde se desenrolará no instante cotidiano.

// Dias 13, 20 e 27 de dezembro de 2015, às 17h, na Praça Almirante Saldanha. Gratuito. Livre.

Contato: Vanessia (vanessiagomes@gmail.com)

? Sax in Cena [Circuito de Música Erudita]

Primeiro quarteto de saxofones profissional do Ceará, o grupo Sax in Cena apresenta obras de compositores franceses e peças de Alberto Nepomuceno.

// Dia 13 de dezembro de 2015, às 18h, no Auditório. Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia).

Contato: Rocha (98616-7017/ producao@orquestra-ce.org.br)

? Intervenção em espaços externos [Temporada de Arte Cearense]

Abertura da Exposição Descartável

Descarte, lixo, utilidade e reduzir: palavras que se encontram no cerne de um dos maiores desafios dos nossos dias que mobiliza questões ambientais, socioeducativas e de políticas públicas. O circuito utilitário e de descarte das coisas em nossa sociedade, longe de ser rotina simples e racional engaja-se, cada vez mais, em uma prática desestabilizada por um destrutivo e desenfreado processo de consumo que há muito extrapolou o âmbito das coisas e ressoa no humano.

Motivada por essas questões, a exposição “Descartável” propõe-se como uma performance fotográfica, em que o plástico oriundo de sacos plásticos e de embalagens de produtos e o corpo performativo inspiram imagens em variados formatos, texturas e cores que buscam não só evidenciar o lixo descartável  mas, também, refletir sobre as relações que se instauram nesse gesto de descarte.

Performance fotográfica que extrapola o ato de produção e realização do evento fotográfico e se mostra também no arranjo expositivo proposto já que o projeto “Descartável” pretende levar ao Dragão do Mar um formato alternativo, para a exposição de suas imagens. A intenção é trazê-las para o espaço público expondo-as em locais inusitados e inabituais – no caso em impressões lambe-lambe e  em lona, fixadas em lixeiras, no chão e espelho d’água existentes no espaço de convívio no centro cultural. A ideia é suscitar novas sensações, novos olhares a partir da interação da fotografia com o espaço e com o público por ela alcançado e afetado, na tentativa de incitar reflexões singulares sobre a questão do lixo e de seu descarte.

FICHA TÉCNICA

DESCARTÁVEL: Intervenção fotográfica

CONCEPÇÃO: Natália Coelh e Isabelle de Morais

PERFORMER: Natália Coelh

FOTÓGRAFA: Isabelle de Morais

// Dia 13 de dezembro de 2015, às 16h, com Montagem performática; e às 18h, com a Performance “Descarto-me”, no Espelho D’Água. Gratuito.

Contato: Natália Coehl (nataliacoehl@gmail.com)

? Dragão do Metal

O Centro Dragão do Mar em parceria com a Associação Cultural Cearense do Rock (ACR) realiza a segunda edição do Dragão do Metal, no dia 13 de dezembro. A partir das 18h, o Anfiteatro recebe as bandas Nafandus, Mad Monkees, In No Sense, Criokar e Dark Syde, que se sucedem em shows gratuitos. A ideia do festival é fortalecer a cena musical ligada ao rock metal do Estado, ser um espaço de encontro.

Programação

18h // Nafandus

Nafandus é uma banda autoral de rock alternativo com influências que vão do Rock’n’Roll ao Heavy Metal. Atualmente, estão divulgando o primeiro trabalho promocional que leva o nome da banda, com oportunidade de apresentá-lo na capital cearense, região metropolitana e interior do estado em festivais como Forcaos, Rock Cordel, Grito Rock, Cuca Independente, Matanza Fest, bem como em web rádios e sites especializados de várias regiões do Brasil.

18h50 // Mad Monkees

Mad Monkees nasce depois de 10 anos de carreira de Felipe Cazaux. O guitarrista tem um trabalho consolidado e o Blues Rock sempre foi uma marca registrada de seus trabalhos, porém o Rock mais pesado sempre fez parte de suas influências, desde os seus primeiros passos no mundo da música. Letras fortes e riffs pesados foram sendo guardados ao longo dos anos, e agora, chegou a hora de apresentar esse Stoner Rock de ótima qualidade.

Hamilton de Castro (Baixo) e Capoo Polacco (Guitarra) já tocavam com Cazaux há um tempo e conversavam sobre a possibilidade de se ter um projeto com outro tipo de som, mas a chegada do baterista PH Barcellos foi o que trouxe a consolidação do Mad Monkees enquanto banda.

Não se trata de um projeto de Felipe Cazaux, mas de um trabalho feito em conjunto por quatro músicos talentosos e bastante experientes. O trabalho do Mad Monkees já rendeu a gravação do EP homônimo. Vale a pena dizer que essa formação de 4 músicos ganhou o Prêmio da Música de Fortaleza Petrúcio Maia – Edição 2015, acompanhando o trabalho solo de Felipe Cazaux. Além disso, o Mad Monkees já prepara seus primeiros shows pelo nordeste e uma turnê pelo sudeste do país. Músicos experientes com o vigor de banda nova. Esse é o Mad Monkess.

19h30 // In No Sense

A banda In No Sense surgiu no ano de 2010 e hoje é formada por Jeferson Verríssimo (vocal), Ricardo Guilherme (baixo), Matheus Ferreira (vocal e guitarra), Lucas Arruda(guitarra) e Vicente Ferreira (bateria).

20h20 // Criokar

Criokar significa “uma câmara isotérmica que facilita a conservação de um cadáver a partir da aplicação de nitrogênio liquido”, hoje utilizado apenas como processo de criogenia; gravidez artificial ou experiência de clonagem. Palavra tirada de um livro intitulado “ciências proibidas”, com conteúdo impróprio para menores de 18 anos, por tratar de vudu, magia negra, experiências científicas mal sucedidas e acontecimentos inexplicáveis ou sobrenaturais.

A palavra Criokar a partir de outubro de 1994 ganha novo sentido, não no campo científico, mas musical, batizando a banda formada por Cleiton Martins (Vocalista e Guitarrista), Paulo Ricardo (Baixo) e Adriano Bandeira (Bateria). Com essa formação, gravaram um único trabalho, intitulado “Revolt”, na época cantado em inglês e em formato de fita cassete.

Em 1997, por motivos pessoais Adriano (baterista) deixa a banda, dando lugar para Clerton Holanda, antes baterista da banda “Cerberus” de Fortaleza. Clerton deu novo segmento e corpo nas músicas, introduzindo mais velocidade e agressividade. Com essa formação, a banda participou de grandes eventos dentro e fora da cidade de Fortaleza. Forcaos e Brasil 500 anos fazem parte do currículo do grupo, ambos realizados pela a ACR (Associação Cearense do Rock).

A formação se firmou até 2001, entrnado em declive após a saída de Clerton Holanda. Em 2007, Cleiton Martins e Paulo Ricardo resolvem retomar o nome e a vontade de seguir em frente: convidaram Alan Rogério que em seguida deu lugar ao baterista Sula. Nessa nova fase, entra o guitarrista Taumaturgo Moura e passa a ter duas guitarras formando um quarteto. Essa foi considerada a melhor fase de Criokar, com mais maturidade e experiência e músicas mais agressivas de letras que retratam conflitos pessoais e sociais.

Agora com Vicente Ferreira na bateria, lançou neste ano DVD com show realizado no Forcaos 2015 e encontra-se em fase de criação de novas músicas para serem gravadas em 2016.

21h // Dark Syde

O show The Apocalypse Bell Part II: Legacy of Shadows oferece ao público Headbanger uma banda revigorada, não só pela nova grafia do nome, mas principalmente pela intenção de tornar mais rude o som que pratica desde 1991. Dark Syde move-se em uma direção mais violenta, honrando as suas raízes. Lançado pela Rising Records em parceria com a Voice Music, são 8 músicas ácidas e corrosivas que celebram a velocidade, a energia e a melodia, começando pela faixa título – elo de ligação com o álbum anterior Prayers in Doomsday (2012).

Tons mais cadenciados e pesados como Dust Devil e Escape From The Doom Desert contrastam com as velozes Human Pest Control e Final State of Violence, para então encerrar com Domination Underground, que trata dos 30 anos da cena metal em Fortaleza (CE) ao citar dezenas de bandas locais e suas obras, com um epílogo apocalíptico. As duas décadas e meia de atividades marcaram pelo menos meia dúzia de diferentes faces da Dark Syde, mas também trouxeram vasta experiência e reconhecimento.

Com três demo tapes nos anos 90 e um CD Promo em 2003, a banda lança os dois álbuns mais recentes em meio a shows com bandas consagradas como Saxon, Helloween, Gamma Ray, Enforcer, Assassin, Korzus, Torture Squad, Sepultura, Angra, Viper, Krisiun e mais recentemente, Blind Guardian.

// Dia 13 de dezembro, a partir das 18h, no Anfiteatro. Gratuito. Livre.

 

Contato: Amaudson (ximenes.amaudson@gmail.com)

// EXPOSIÇÕES EM CARTAZ

 

? Exposição A Palavra e o Traço

Com curadoria da historiadora Valéria Laena, retrata vida e obra do arquiteto, urbanista e compositor cearense Fausto Nilo. Autor de mais de 400 composições interpretadas por grandes nomes da música brasileira – como Moraes Moreira, Gal Costa e Fagner –, Fausto Nilo é também o responsável, junto de Delberg Ponce de Leon, pelo projeto do Centro Dragão do Mar.

// Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

? Exposição Agricultura da Imagem

De Rodrigo Braga

O conceito cunhado pelo renomado artista canadense Jeff Wall que divide os fotógrafos em duas categorias, caçadores e agricultores, serviu de inspiração para o título da exposição de Rodrigo Braga, Agricultura da Imagem. Idealizada pelo ICCo – Instituto de Cultura Contemporânea e com curadoria de Daniel Rangel, a mostra estará em cartaz de 29 de outubro de 2015 a 24 de janeiro de 2016, no Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE), no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.

A mostra itinerante foi considerada sucesso de público e de crítica em sua estreia no Sesc Belenzinho, São Paulo, tendo recebido cerca de 200.000 pessoas entre setembro e novembro de 2014, período em que ficou exposta.

“Segundo Wall o fotógrafo caçador captura imagens que encontra no mundo, já o agricultor constrói a imagem antes de fotografa-la. Um processo de trabalho realizado constantemente por Rodrigo que parece estar buscando imagens que já existem em sua cabeça, um eterno deja vu imagético”, destaca o curador.

Rodrigo nasceu no Amazonas em 1976, mudou-se para Pernambuco aos dois anos e vive no Rio de Janeiro desde 2011. O deslocamento entre esses três estados nos últimos quatro anos e sua experiência com os diferentes biomas e culturas de cada um é material para a maior exposição de sua carreira, com 30 fotografias, três vídeos e objetos encontrados nas investigações em campo.

Filho de biólogo, o artista se utiliza de um peculiar método de criação que marca sua trajetória artística: ele mergulha na natureza local mais inóspita em busca de cenários e elementos para compor suas fotos e realizar seus vídeos. A imersão em cada lugar dura geralmente um mês, em solidão, quando, como um bom agricultor de imagens, ele “aduba” as paisagens que vão compor as fotografias com elementos que encontra pelo caminho, como folhas, pedras e flores, e outros que compra em mercados e feiras locais, como carcaças de animais.

“Minhas fotos são fictícias, totalmente produzidas”, explica Braga, vencedor do Prêmio MASP Artista Emergente de 2013. “Exploro a região para encontrar inspiração e faço desenhos em meu caderno de croquis, que no futuro se transformarão no trabalho final”. Esses rascunhos estarão presentes na mostra, numa espécie de gabinete do artista, onde os visitantes descobrirão como funciona o processo criativo do artista.

Para a exposição, o fotógrafo explorou o Rio Negro, o litoral de Pernambuco e os cursos d’água do bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. “Trabalho com o conceito da mimesis, que significa representação em grego”, conta. Durante a concepção das fotografias, ele mistura os elementos e mostra como se complementam e se assemelham. “Um peixe pode se transformar numa folha, assim como uma folha pode se parecer com um peixe”, diz. Para a nova exposição, ele recolheu peixes descartados por pescadores ou encontrados na maré baixa. O uso das carcaças, uma marca em seu trabalho, também o ajuda a retratar o sentido cíclico da morte, de transformação e integração, tão marcante na natureza e presente nas obras de Agricultura da Imagem a partir de outubro.

Além das fotografias e do gabinete do artista, que de certa forma exibem este processo de construção de imagens de Rodrigo, três vídeos fazem parte da mostra. Segundo Rangel, “a relação de Rodrigo com a natureza é ainda mais direta na sua produção audiovisual. Ao fazer suas ações performáticas, que dão origem aos vídeos, ele busca um dialogo direto entre homem e natureza”.

 

Sobre Rodrigo Braga

 

Nascido em Manaus, viveu em Recife, onde se graduou em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE. Possui obras em acervos como o do Museu de Arte Moderna do Rio, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM) de Pernambuco, no Museu de Arte Contemporânea do Paraná e na Maison Européene de la Photographie de Paris.

Seu trabalho transita entre a performance, a fotografia e o vídeo, onde frequentemente se coloca como personagem principal de sua obra, que tem forte relação com a natureza. Braga participou das últimas edições da Bienal Internacional de São Paulo e da Bienal de Cerveira, em Portugal. Em 2012, venceu o prêmio Pipa de Artes Visuais na categoria Voto Popular Exposição. Entre agosto e outubro de 2013, realizou uma residência artística na Residency Unlimited, no bairro do Brooklyn, em Nova York, como prêmio da bolsa ICCo/SP-Arte 2013.

// Em cartaz até dia 24 de janeiro de 2016. Visitação aberta ao público, de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

? Artes Visuais no Dragão – Ocupação da Multigaleria [Temporada de Arte Cearense]

Exposição RASGADOS E COLADOS

Artista: Júnior Erre // Curadoria: Otília

A exposição se propõe a questionar os valores e o comportamento do homem moderno em relação à vida, à morte e ao universo de coisas que o cerca … como a arte, a natureza, a política e suas consequências. Tudo que compõe de forma trágica e bela o tempo e o mundo em que vivemos. Por isso, a circulação e registro da série “RASGADOS E COLADOS”, além da pesquisa, que busca estabelecer uma relação entre o artista, sua obra e o público apreciador dela são de total relevância. Assim como é importante quando instituições podem oferecer ao público a chance de ‘penetrar no universo da arte’, pois só dessa maneira é possível aproximar o artista da sociedade e dos significados que circundam sua obra. É isso, portanto, que incita a curadoria a unir a arte com a pesquisa antropológica porque se desde os tempos mais remotos o homem utilizou a arte para se comunicar, é importante que essa comunicação continue a ser objeto de investigação e se constitua num instrumento – lúdico, prazeroso – de aproximação entre o investigador e o ‘objeto’ investigado.

// Segue em cartaz na Multigaleria do Dragão do Mar. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

07.12.2015

Assessoria de Imprensa da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará
Dalwton Moura, Clovis Holanda, Lucas Benedecti, Paula Candice
(85) 3101-6761 / secultmkt@gmail.com

Giselle Dutra
Gestora de Célula/ Secretarias

Coordenadoria de imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 85 3466.4898