Fortalecer a atenção primária é o caminho, afirma Henrique Javi

27 de janeiro de 2016

“Fortalecer a atenção primária é o caminho para melhorar a saúde”, disse o Secretário da Saúde do Estado, Henrique Javi, na manhã desta quarta-feira (27), em Fortaleza, durante a segunda oficina do QualificaAPSUS, projeto que está sendo construído pela Secretaria da Saúde do Estado para promover a reorganização da atenção primária nos municípios. Ele destacou que, entre diferentes fatores, a importância do vínculo entre famílias e profissionais de saúde, já bastaria para fundamentar a necessidade de fortalecimento da atenção primária, a porta de entrada dos serviços de saúde. ¨Temos que ser acionados e lembrados como gestores da saúde e não da doença como ocorre hoje. Esse modelo está insustentável”.

 

banner publico qualificaapsus 27 siteHenrique Javi apontou três estratégias para o sucesso. No curto prazo, contenção dos gastos. Como estratégia de médio prazo, ele frisou a melhoria da rede de atenção. A outra estratégia é uma agenda política confluente e agregadora. ¨Ninguém aqui vai construir nenhum modelo sozinho ou vai conseguir avançar no modelo de gestão da saúde sem confluir, sem agregar¨. Como transformar? Na apresentação que fez para 300 secretários municipais de saúde, coordenadores da atenção primária, coordenadores das regionais de saúde, que desde a última segunda-feira, 25, participam da primeira e segunda oficinas do QualificaAPSUS Ceará, o Secretário destacou a integração e cuidado, telemedicina e telecuidado, estratificação de risco e paciente ativado.

 

No primeiro dia da segunda oficina do QualificaAPSUS, na terça-feira (26), dois painéis mostraram experiências exitosas na atenção primária. Desde 2013 o município de Sobral vive uma nova experiência, uma necessidade baseada na transição demográfica, com uma população bem maior de pessoas com mais de 60 anos de idade, e na transição epidemiológica, com a primeira causa de mortes deixando de ser as infecções parasitárias, em 1996, e passando a ser as doenças do aparelho circulatório. ¨O processo de implantação do modelo de atenção à saúde que conversa com a realidade da população, com a família sendo o primeiro sujeito do cuidado, demorou dois anos, informou a coordenadora da atenção primária em Sobral, Josiane Alves Dorneles.

 

O novo modelo, segundo ela, já traz bons resultados. Josiane Alves Dorneles informou que no enfrentamento à mortalidade infantil o município de Sobral reduziu de 16,88 por mil nascidos a Taxa de Mortalidade Infantil, em 2006, para 8,67 em 2015 ( índice ainda sujeito à revisão). A taxa de mortalidade entre os prematuros caiu de 13,75 em 2013, ano do início do novo modelo de atenção à saúde, para 3,9 em 2015.

 

A outra experiência foi apresentada pelo município de Tauá, com 57.755 habitantes e 25 equipes da Estratégia Saúde da Família. A secretária de saúde do município, Ademário Temóteo Rosa, afirmou que “é preciso definir e conhecer o território para ter não ter dificuldades no processo de trabalho”. Ele falou que há pelo menos quatro prerrogativas da gestão da saúde para implantação de um novo modelo: inovação, profissionalização e capacitação, participação social e acesso. Na profissionalização e capacitação, ele disse que há um ano e meio são realizados cursos da planificação em Tauá.

 

A Secretaria da Saúde do Estado já agendou a próxima oficina do QualificaAPSUS Ceará . Será nos dias 31 de março e 1º de abril, com o tema “Condições crônicas na atenção primária à saúde: identificação, estratificação de risco, programa local e agenda programada”. Ao todo, estão definidas seis oficinas.

 

27.01.2016

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / Helga Rackel ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br/ 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Giselle Dutra
Gestora de Célula/ Secretarias

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado do Ceará
Casa Civil / (85) 3466.4898