Sistema Secitece estabelece metas para Ciência e Tecnologia do Ceará

29 de janeiro de 2016

Colaboradores e gestores das vinculadas participam de reunião de planejamento.

Colaboradores do Sistema Secitece reuniram-se na manhã desta quinta-feira, 28 de janeiro, no auditório da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior para avaliarem o primeiro ano de gestão e planejarem a atuação em 2016. A tônica do encontro foi a integração entre as instituições que compõem o sistema que além da Secitece conta com a atuação direta de suas vinculadas: Uece, UVA, Urca, Nutec, Funcap e Instituto Centec.

O secretário Inácio Arruda, lembrou que as dificuldades enfrentadas em 2015 a partir da crise política e econômica que afeta o País deverão se manter em 2016. Apesar do cenário, o secretário lembrou que “os esforços empreendidos por toda a equipe ajudaram a superar o período de crise”. A reunião também serviu para discutir as principais questões de 2016.

Dentre as principais metas para este ano, a implantação do Parque Tecnológico do Ceará, com recursos aprovados pelo Banco Mundial de cerca de R$ 2 milhões para o estudo de implantação e elaboração do projeto arquitetônico do Parque. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação também já garantiu novos recursos para financiar o empreendimento.

Outra meta importante será a ampliação das discussões no Plano de Ciência e Tecnologia e a utilização do FIT – Fundo de Inovação Tecnológica do Ceará, envolvendo também o interior do Estado. Na área de Energias Renováveis, a meta é conseguir R$ 3,6 milhões para implantação de uma planta fotovoltaica sobre o Centro de Treinamento Técnico do Ceará, com retorno financeiro para o Estado.

“Do ano passado pra cá, tivemos alterações profundas no que diz respeito à Ciência, Tecnologia e Inovação. Precisamos compreender melhor o que a aprovação do Marco de Regulação da C&T no Brasil representa e qual passo devemos dar”, lembra Inácio. Segundo ele, a nova lei abre um leque de movimentação imenso entre os pesquisadores e setor produtivo, entre o Estado e suas organizações e é preciso estabelecer um amplo debate para aproveitar melhor o novo cenário.

Para a Educação Superior, além do fortalecimento e a integração das três universidades estaduais e a realização dos concursos públicos para professores e técnicos, a meta é ampliar a atuação da Universidade Aberta do Brasil para as macrorregiões, beneficiando principalmente os municípios de baixo IDH; e implantação do Observatório de Educação Superior, um núcleo que deverá atender o Plano Nacional de Educação.

Para desenvolver a Educação Profissional, a Secitece irá revitalizar e tematizar as 33 unidades dos Centros Vocacionais Tecnológicos, operados pelo Instituto Centec. Para isso, já foram garantidos mais de R$ 7 milhões, através de emenda parlamentar e recursos do Tesouro.

A Universidade do Trabalho Digital, que oferece cursos de avançados e de inclusão digital gratuitamente, deverá ser interiorizada. Atualmente, os cursos funcionam no Prédio do Cine São Luiz, no Centro da capital cearense. Outro projeto que será ampliado é o Corredores Digitais. A terceira edição do Corredores deverá abranger as 14 macrorregiões, apoiando e capacitando os jovens empreendedores a desenvolverem seus negócios inovadores.

O encontro contou com a presença do secretário Inácio Arruda; do secretário adjunto Francisco Carvalho; do secretário executivo Gilvan Paiva, coordenadores e colaboradores da secretaria. O presidente da Funcap, Francisco Sá Barreto; do Nutec, Francisco Magalhães; do Centec, Francisco Viana; além do reitor da Universidade Estadual do Ceará, Jackson Sampaio; do vice-reitor da Urca, Francisco do Ó Lima Junior, também estiveram presentes.

Vinculadas

O presidente da Funcap, Francisco Sá Barreto, disse que este ano serão lançados dois programas importantes na área de inovação: o InovaFIT, com recursos da ordem de R$ 15 milhões e previsão de investimento de R$ 5 milhões em 2016 e o PRONEX – Programa de Apoio a Núcleos de Excelência, que conta com a participação de todas as Instituições de Ensino Superior do Estado atendendo a 21 programas. “O InovaFIT irá introduzir na comunidade empresarial e acadêmica novas relações, inovando ele mesmo o processo. Já recebemos mais de uma centena de empresários para tirar dúvidas. A expectativa para demanda da primeira chamada é muito grande”, comemora.

Na avaliação do presidente do Nutec, Francisco Magalhães, “2015 foi um ano em que a competência dos gestores foi colocada a prova. A integração entre as vinculadas é um dos nossos principais desafios para potencializar o trabalho de comunicação e tirar do anonimato e do silêncio instituições que realizam muito. Mas esse esforço de integração deve ocorrer também na área técnica. Hoje temos ‘IncubaNutec’, ‘IncubaCentec’, ‘IncubaUECE’… É preciso adotar práticas que contribuam para maior efetividades das nossas ações. Estamos dispostos a fazer de 2016 o melhor pela Ciência e Tecnologia”.

O presidente do Instituo Centec, Francisco Viana, propôs que essa integração expandisse também para a área digital e destacou como meta a atuação nas Escolas de Educação Profissional, por meio de contrato de gestão com a Secretaria da Educação da ordem de R$ 93 milhões.

No âmbito das universidades estaduais, a realização do concurso público continua na pauta, mas a questão da mobilidade acadêmica e a integração curricular entre as três estaduais ganhará maior atenção. “A integração entre as universidades é fundamental. Não tem como um aluno da UVA ser transferido pra Uece e perder um ano, precisamos estabelecer o ‘Ciência sem Porteiras’, defendeu o reitor da Uece, Jackson Sampaio.

O reitor afirmou ainda que “a Uece teve nesses últimos quatro anos 58 milhões para investimentos” e que no último ano a Universidade conseguiu duplicar o número de patentes. A meta para os próximos anos é tornar a Uece um centro de referência em transplantes. Para isso, anunciou a criação de um Laboratório de Transplantes de Suínos – “que tem a anatomia do coração mais parecida com a do ser humano”, no Hospital Veterinário, com o objetivo de treinar os profissionais que irão aprender a realizar transplantes cardíacos.

Na Universidade Regional do Cariri, o vice-reitor, Francisco do Ó Lima Junior, comemorou a conquista pela terceira vez consecutiva do Selo Verde da Unesco, do Geopark Araripe. “Esse é um projeto arrojado, reconhecido pela Unesco e o primeiro das Américas”. Hoje o Geopark é uma referência internacional e presta consultoria para ajudar na criação de outros geoparques pelo mundo.

29.01.2016

 

Secretaria da Ciência,Tecnologia e Educação Superior – Secitece
Emilia Augusta Bedê – Coordenadora de Comunicação
Simplicia Sinibaldi – jornalista

 

Sabrina Lima
Gestora de Célula/Secretarias

Coordenadoria de  Imprensa do Governo do Estado do Ceará
Casa Civil / 85 3466.4898