Policlínicas regionais têm aumento de 69,5% no número de atendimentos

24 de fevereiro de 2016

A cobertura em atenção especializada de média complexidade garantida à população de 5,3 milhões de habitantes de 19 regiões de saúde gerou o total de 1.523.228 atendimentos nas 19 policlínicas regionais em funcionamento no Estado, no ano de 2015. Foram 371.190 consultas especializadas, 331.639 exames laboratoriais, 365.455 atendimentos nos serviços de apoio diagnóstico e terapêutico e 454.944 outros procedimentos, como consulta de enfermagem, farmácia clínica, fonoaudiologia, nutrição, psicologia, assistência social, terapia ocupacional e fisioterapia. Em relação ao ano anterior, houve aumento de 624.735 atendimentos sobre o total de 898.493 atendimentos em 2014, salto de 69,5%. Em todas as 19 policlínicas regionais em funcionamento houve aumento no número de atendimentos realizados. Desde o início do funcionamento da primeira policlínica, no ano de 2011, em Tauá, esses equipamentos realizaram em conjunto o total de 2.886.584 atendimentos até o ano de 2015.

ATENDIMENTO NAS POLICLÍNICAS REGIONAIS
 
ANO TOTAL DE POLICLÍNICAS
(Em funcionamento)

 
TOTAL DE ATENDIMENTOS
2011
3
 
22.604
2012
7
 
123.517
2013
11
318.742
2014 19
 
898.493
2015 19
 
1.523.228

Os resultados do trabalho das policlínicas estão nas histórias de saúde e vida dos cearenses. Em Iguatu, no Centro Sul do Estado, o aposentado Antônio Felipe de Menezes sofreu no ano passado um acidente de motocicleta e ficou com traumatismo na coluna cervical. Chegou a pagar consulta particular com neurologista e até iniciou o tratamento, mas o dinheiro não deu mais e ele foi para a policlínica regional. “Aqui não é excelente só porque é de graça, porque não pago nada. É excelente porque na policlínica faço todo o meu tratamento com profissionais competentes, que atendem muito bem, e tem todo equipamento que eu preciso. Sou atendido por fisioterapeutas de segunda a sexta-feira. Não posso ficar sem fazer as sessões de fisioterapia nenhum dia porque se não fico ‘incriquilhado’, com mais dificuldade de andar”. Seu Antônio Felipe recebe na policlínica atendimento multiprofissional. Antes da atenção dos fisioterapeutas, foi atendido por médico ortopedista e também por urologista, para tratamento de infecção urinária, e tem ainda o acompanhamento de nutricionista e terapeuta ocupacional.

As policlínicas regionais foram implantadas pelo governo do Estado com infraestrutura adequada para atender as principais especialidades médicas e necessidades da população e ainda com serviços de suporte ao diagnóstico e reabilitação dos pacientes atendidos. Com atendimento em até 19 especialidades médicas, as 19 policlínicas regionais ampliam o acesso a consultas e exames especializados para a população de 5,3 milhões de habitantes de 166 municípios. As policlínicas atendem a população da sua região de saúde nos municípios de em Baturité, Tauá, Camocim, Acaraú, Brejo Santo, Aracati, Itapipoca, Russas, Crateús, Quixadá, Caucaia, Sobral, Campos Sales, Pacajus, Barbalha, Tianguá, Icó, Iguatu e Limoeiro do Norte. Mais três policlínicas regionais estão sendo concluídas em Canindé, Maracanaú e Crato.

As policlínicas do tipo I oferecem consultas especializadas em oftalmologia, otorrinolaringologia, clínica geral, cardiologia, ginecologia, mastologia, cirurgia geral, gastroenterologia, urologia, traumato-ortopedia, com apoio técnico de enfermagem, farmácia clínica, terapia ocupacional, fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição e psicologia. Os serviços de apoio diagnóstico e terapêutico são radiologia convencional, mamografia, ultrassonografia, endoscopia digestiva, ecocardiografia, ergometria, eletrocardiograma, audiometria e coleta de patologia clínica. As policlínicas do tipo II, instaladas nas regiões de saúde de maior densidade populacional, oferecem, ainda, consultas especializadas em endocrinologia, angiologia e neurologia. E mais: realizam exames complexos, como a tomografia computadorizada e o eletroencefalograma. Há policlínicas que agregaram outras especialidades médicas não previstas originalmente, como reumatologia, cirurgia vascular e dermatologia.

O encaminhamento de pacientes para as policlínicas é feito pelas secretarias municipais de saúde, a partir da solicitação de consultas e exames feita pelos médicos da atenção básica de saúde. No agendamento, feito por sistema on-line, o paciente escolhe data e horário para a consulta ou exame, de acordo com a disponibilidade de vagas. A distribuição de vagas para atendimento é proporcional à população de cada município, conforme pactuação no consórcio público de saúde, que tem a gestão das policlínicas. O Ceará decidiu pela formação de consórcios públicos em saúde tomando por base os municípios localizados numa mesma região de saúde, para garantir a estruturação de redes de assistência e ampliar e facilitar o acesso da população aos serviços de saúde na própria região. São constituídos sob a forma de associação pública, entidade autárquica e interfederativa, com participação do Estado e dos municípios em cada região de saúde, para a promoção de ações de saúde pública assistenciais e prestação de serviços especializados de média e alta complexidade.

24.02.2016

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / Helga Rackel ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br/ 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara


Giselle Dutra
Gestora de Célula / Secretarias

Coordenadoria de imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br   / 85 3466.4898