Obras do VLT serão concluídas no primeiro trimestre de 2017

3 de março de 2016


O secretário da Infraestrutura explicou que as desapropriações para a construção dos mais de 13 km de linha férrea vão permitir que a malha das linhas de ônibus melhorem de maneira significativa.

 MVS0752 webAs obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) serão retomadas 100% em março deste ano e a previsão é que comece a operar no primeiro trimestre de 2017. A informação foi divulgada pelo secretário da Infraestrutura (Seinfra), André Facó, na manhã desta quinta-feira (3), durante entrevista coletiva. O processo licitatório para execução da obra da passagem inferior da avenida Borges de Melo já foi finalizado e a expectativa é que o contrato seja assinado já na próxima semana. O trecho era o último que faltava para a retomada total da construção do ramal Parangaba-Mucuripe.

André Facó explicou que, até o fim do ano, o VLT já deve estar funcionando para fase de testes. “Tivemos essa obra iniciada em 2012 e durante dois anos ela transcorreu. Infelizmente a administração optou por uma rescisão contratual unilateral. Em maio de 2014, fizemos diversos processos de licitação. Processo que requer dois princípios: transparência e imparcialidade, e isso demora algum  MVS0786 webtempo”, explicou o secretário. Facó ressaltou que a expectativa da Seinfra é que a população de Fortaleza já esteja usufruindo do novo transporte até o fim deste ano. “A ideia é fazer a obra com maior celeridade para que o trem esteja rodando em dezembro de 2016 para que seja possível fazer os ajustes e tenhamos o mínimo de erros possível. A perspectiva é que no primeiro trimestre de 2017, toda a operação esteja concluída”, disse.

As obras referentes ao trecho 1 ficarão a cargo do Consórcio VLT Fortaleza, formado pelas empresas AZVI S.A do Brasil e Construtora e Incorporadora Squadro Ltda. Esse trecho custará R$ 25.957.15,02 e  MVS0787 webdeve ficar pronto em 12 meses, contados a partir da data de assinatura da ordem de serviço. Os recursos para execução da obra são provenientes dos Governos Federal e Estadual.

O trecho 2, que fica entre as estações Borges de Melo e Parangaba, custará R$ 48.458.901,25 e também está sendo executado pelo Consórcio VLT Fortaleza. Nesse trecho, os trabalhos estão sendo realizados nas estações Vila União e Parangaba; na linha férrea entre o Montese e Vila União e no Elevado da Parangaba.

O trecho 3, que compreende o percurso entre as estações Iate e Borges de Melo, foi o primeiro a ser retomado, em julho de 2015. Esse trecho, que custará R$ 100.200.384,82, contempla as estações São João do Tauape, Pontes Vieira, Antônio Sales, Papicu, Mucuripe e Iate, e deve ficar pronto em 18 meses. O serviço também está sendo executado pelo Consórcio VLT Fortaleza.

O secretário da Infraestrutura explicou que as desapropriações para a construção dos mais de 13 km de linha férrea, que vão permitir que a malha das linhas de ônibus melhorem de maneira significativa, foram feitas com muita cautela. “Não temos uma obra apenas de engenharia, mas uma obra que tenha diálogo com a comunidade e essa tem sido uma característica do governador Camilo Santana para que tenhamos o mínimo de impacto possível para as famílias. Poderíamos até acabar a obra mais rápido se não nos preocupássemos com as pessoas, mas esse não é o caso. Além da indenização, o Governo do Estado providenciou terrenos próximos de onde moravam, até por questão afetiva. Logo teremos a retomada por completo das e iniciaremos a operação assistida até o fim de 2016”, disse André Facó.

13,4 km de linha férrea

 MVS0742 webAtualmente o VLT está com mais de 50% de avanço nas obras e, quando concluído, terá 13,4 quilômetros ligando o os bairros Mucuripe e Parangaba. Desta extensão, serão 12,3 quilômetros em superfície e 1,4 quilômetros de trechos elevados. O projeto do Governo do Estado visa a remodelação do ramal ferroviário Parangaba-Mucuripe, hoje utilizado para transporte de carga, objetivando a utilização do mesmo para transporte de passageiros.

O Ramal atravessa 22 bairros, área que concentra mais de 500 mil moradores de Fortaleza. A previsão de demanda potencial do novo modal é de 90.000 passageiros por dia. O projeto prevê a construção de três tipologias de estação: a de Parangaba será elevada, possibilitando a total integração à Linha Sul do Metrô de Fortaleza e ao terminal rodoviário do bairro. A estação Papicu também será diferenciada e se integrará à Linha Leste do Metrô e o terminal rodoviário. As oito estações restantes terão a modelagem padronizada.

 

 

Fotos: Marcos Studart / Governo do Ceará

03.03.2016

Thiago Sampaio
Repórter / Célula de Reportagem
thiago.sampaio@casacivil.ce.gov.br

Sabrina Lima
Gestora de Célula/Secretarias

Assessor de Comunicação da Seinfra
Marco da Escóssia (85 3216.3764)

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Ceará
Casa Civil / comunicacao@casacivil.ce.gov.br   / 85 3466.4898