#CCDS: comunidade integra-se ao Estado em busca de um Ceará Pacífico

5 de agosto de 2016

Criado em 1998, o Conselho Comunitário de Defesa Social (CCDS) é uma instituição formada pelos mais diversos segmentos representativos da comunidade de um bairro e tem o objetivo de participar ativamente da solução dos problemas de segurança do bairro, apoiando e auxiliando a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

web 160305 LIDERANCAS COMUNITARIAS MG 2226Anualmente, a diretoria, composta com no mínimo 10 e no máximo 20 membros, é eleita pela comunidade e constituída por autoridades da SSPDS, representantes de associações, lideres comunitários, profissionais liberais, estudantes de nível médio e universitários e demais cidadãos, todos espontaneamente comprometidos com a colaboração para o equacionamento dos problemas de segurança pública.

web 160305 LIDERANCAS COMUNITARIAS MG 2228Os voluntários trabalham diariamente em prol da segurança dos moradores, auxiliando a polícia na manutenção da ordem pública. Através de reuniões, os conselheiros apresentam a defesa dos interesses da comunidade, junto aos poderes públicos, garantindo assim a satisfação dos anseios e necessidades existentes. A ideia é incentivar o bom relacionamento da população com a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil.

Atualmente, existem mais de 200 CCDS com atuação em todo o Ceará. As ramificações abrangem distritos, vilas e povoados de todos os recantos do litoral, serra e sertão, com a participação efetiva e direta de mais de 3.000 voluntários vinculados à proposta, e um universo muito mais amplo de apoiadores e beneficiados das ações desenvolvidas.

O governador Camilo Santana entende que só dialogando com a população construiremos uma sociedade mais justa. “É muito importante ouvir as comunidades sobre as necessidades de cada local, conhecer a realidade dos bairros da cidade. O papel social que desempenham os conselheiros comunitários de Defesa Social reflete o compromisso mútuo entre Estado e sociedade, na busca de um Ceará Pacífico”, enfatizou.

De acordo com o coordenador do CCDS, coronel William Alves, da PM, a participação da comunidade é fundamental para o desenvolvimento social. “Nós entendemos que a população é importante para a construção de um Ceará Pacífico. Só a comunidade na rua pode contribuir com a segurança, pois ela comunica o que precisa. Nosso Estado é um berço dessa integração entre comunidade e gestão pública”, salientou.

O militar disse ainda que a população representa “os olhos do Estado nas ruas das cidades”. “A comunidade, muitas vezes, conhece melhor a área do que a própria polícia e pode indicar às unidades policiais locais os pontos de intranquilidade social, pontos críticos de criminalidade, bem como o mais eficaz tipo de policiamento para o seu bairro: se motopatrulha, radiopatrulha, cavalaria, a pé, misto, entre outros”, acrescentou.

Periodicamente, são realizados encontros regionais do CCDS na Capital e no Interior, com o propósito de formar consórcios regionais do Conselho, congregando-os na identificação e resolução de problemas. Para participar, é preciso seguir algumas diretrizes exigidas pela coordenação do Conselho, bem como reunir a população do bairro para discutir as dificuldades enfrentadas no dia a dia da comunidade.

Disque Denúncia

Através do número 185, qualquer cidadão pode cumprir suas responsabilidades constitucionais, ajudando os órgãos de segurança denunciando todo e qualquer tipo de violência ou crime. Por meio do telefone, gratuitamente, qualquer pessoa poderá denunciar, anonimamente, marginais e criminosos que estejam perturbando a harmonia social.

05.06.2016

Wiarlen Ribeiro

Repórter / Célula de Reportagem

Fotos: Carlos Gibaja / Tiago Stille / Governo do Ceará

Expediente imprensa2-01