Novos Sertões: feiras agroecológicas conquistam público e mercado

12 de setembro de 2016

A Equipe de Comunicação da SDA foi  conhecer a nova realidade das feiras agroecológicas, que vem surgindo como um mercado com produtos mais saudáveis, de maior variedade e melhor preço  

Qualidade de sabor, preço baixo, variedade e uma atenção especial no atendimento e na hora da venda. Essa não é uma estratégia de marketing de algum produto qualquer. Faz parte da realidade dos consumidores da Região do Cariri cearense, que já contam com a presença das feiras agroecológicas em vários municípios como Juazeiro do Norte, Camocim, Caririaçu, Crato e Fortaleza.

A partir das 6h, no estacionamento do Cariri Shopping, quem quiser encontrar uma boa variedade de legumes, verduras e hortifruti como rúcula, salsa, espinafre, agrião, rabanete, alface, pimentão, tomate, plantas medicinais, cereja, vai dispor de pelo menos 17 feirantes que compõem a Associação Agroecológica Mãe Natureza (AMA) e comercializam os produtos em várias feiras há 10 anos.

Para a professora universitária Ana Cândida de Almeida Prado, a escolha de ir tão cedo fazer compras é uma questão de mais saúde. “Além de consumir um alimento mais completo e saudável, tem ainda o sabor dos produtos. Procuro chegar sempre nas primeiras horas da feira para encontrar mais variedades de verduras e frutas”, conta a professora.

Apesar do grande sucesso dos feirantes da associação, que hoje viajam comercializando seus produtos orgânicos, nem sempre isso foi uma realidade. “Todos nós trabalhávamos em propriedades arrendadas; não tinha nada certo e só pode acontecer uma mudança na terra depois de cinco anos de trabalho para que o agroecológico funcione de verdade”, explica a agricultora Aurilúcia Borges de Oliveira, 32 anos.

Assistência técnica

Além da regularização fundiária, que possibilitou a fixação na própria terra e o acesso às políticas de crédito rural e programas de investimento, os produtores também passaram por capacitações, treinamentos e assistência técnica que ampliou o leque de ações e de mercado para atender com os orgânicos.

“Fizemos vários cursos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Instituto Agropolos, Instituto Flor do Piqui, Pronatec, a Ematerce, o próprio sindicato dos trabalhadores rurais abriu muitos caminhos. Hoje, estamos com um projeto do Fedaf (Fundo Estadual de Desenvolvimento da Agricultura Familiar) já aprovado no valor de R$ 90mil e com a assistência do Agropolos, para aquisição de três estufas. Antes trabalhávamos para uma feira, hoje para três e amanhã já podemos ampliar esse mercado”, destaca Aurilúcia que junto com os outros produtores chegam a receber, em média, cada agricultor, dois salários mínimos.

Segundo o coordenador do escritório da Ematerce em Juazeiro do Norte Sérgio Linhares, pequenas ações e mudanças no manejo da terra facilitaram resultados mais consistentes e práticas sustentáveis nessas comunidades. “As estufas, por exemplo, garantem uma maior qualidade e controle da produção de verduras, o que no processo final representa melhor preço e mais participação no mercado”, enfatiza o coordenador.

Mercado aquecido

Se os clientes aumentam à procura de produtos orgânicos, mais saudáveis e de melhor qualidade, as feiras também vão se multiplicando e tentando se adequar às exigências do mercado. Com a assistência da Ematerce, as feiras agroecológicas vão ocupando espaços como o da Praça Severiano Morel, ao lado da Igreja Matriz, no município de Camocim, Litoral Oeste, com significativo número de expositores e boa participação popular. A I Feira da Agricultura Familiar foi realizada em maio último promovida pela Secretaria Municipal da Pesca, Agricultura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente, em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Camocim e com a Ematerce.

No Crato, região do Cariri, 18 produtores familiares dos sítios Corujas, Bebida Nova, Cipó, Brejinho, Malhada e Romualdo perfazendo 18 produtores familiares, implantaram a Feira de Produtos da Agricultura Familiar – Fepaf, que acontece todos os sábados e quartas-feira, na praça do Bicentenário e na praça do Cruzeiro, no bairro do Seminário. A feira recebeu a visita do presidente e diretor técnico da Ematerce Antonio Amorim e Itamar Lemos e do gerente do órgão no Crato, Antônio Porto.

Em Fortaleza, a Feira da Agricultura Familiar que acontece no Parque de Exposição César Cals, vem se consolidando entre o público. Produtores e associados dos municípios de Pindoretama, Itatira, Paramoti, Horizonte, São Benedito, Fortaleza, Itapajé e Trairi realizam o comércio de produtos orgânicos com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Agrário. 

Apesar de variar por conta de vários fatores com época de determinado produto, condições de clima, quantas feiras cada produtor participa, o fato é que as feiras agroecológicas vem se tornando um bom negócio para os feirantes, que podem tirar até um salário mínimo e meio ou dois. “ Tiramos a figura do atravessador, melhoramos  a produção com tecnologias e assistência técnica, ganha o consumidor final e os próprios produtores”, reforça o presidente da Ematerce Antônio Amorim.

Serviço:

– Cariri Shopping, Juazeiro do Norte, toda quarta-feira, de 6h às 10h, Av. Padre Cícero, 2555 – Triângulo, Juazeiro do Norte
– Feira do Município de Caririaçu, aos sábados, a partir das 10h
– Praça das Cacimbas, rua José Geraldo da Cruz, Juazeiro do Norte, sexta-feira, de 16h às 21h
– Feira da Agricultura Familiar no Crato, todos os sábados e quartas-feira, na praça do Bicentenário e na praça do Cruzeiro, no bairro do Seminário.
– Feira da Agricultura Familiar em Fortaleza, de quinta-feira a sábado, no Parque de Exposições César Cals, na avenida Sargento Hermínio, 2677, bairro São Gerardo, das 7h às 17hs

12.09.2016

Reportagem: Aécio Santiago
Fotos: Tuno Vieira
Arte: Elane Lima

Expediente imprensa2-01