Redes de Atenção à Saúde são debatidas em seminário do Proexmaes

14 de outubro de 2016

Debater caminhos para o bom funcionamento das Redes de Atenção à Saúde (RAS) foi o objetivo da conferência magna “Eficiência e sustentabilidade das Redes de Atenção à Saúde“ e da mesa “Atenção à Saúde em Redes Regionais”, realizadas durante o Seminário Internacional de Encerramento do Proexmaes I nesta quinta-feira (13). Cerca de 600 pessoas participaram da programação que integra o seminário, promovido pela Secretaria da Saúde do Estado do Ceará.  O evento, iniciado dia 12, será realizado até 14 de outubro no Centro de Eventos do Ceará e conta com profissionais e gestores da saúde no Ceará e palestrantes locais e de outros estados e países.

O secretário-adjunto da Saúde, Marcos Gadelha, foi o coordenador da mesa que contou com a participação do consultor em saúde pública, Eugênio Vilaça Mendes, e do presidente e diretor-geral do Instituto de Excelência em Saúde e Serviços Sociais do Quebec (Canadá), Luc Boileau.  “Só vamos ter governança se nós sairmos de um modelo de gestão da oferta para o modelo de gestão da saúde da população”, afirmou Eugênio Vilaça.

Para Rafael Bengoa, ex-ministro da Saúde do Governo Basco e doutor em Medicina pela Universidade do País Basco, fatores como o envelhecimento da população tornam mais difícil a gestão no setor. “Não podemos vencer no cenário atual sem pensarmos novos modelos para a saúde”, disse. O ex-ministro de Saúde do país basco ressaltou a importância de combater a fragmentação e conectar redes com o objetivo de ampliar a qualidade e minimizar perdas. “É importante reforçar o setor público e mantê-lo, num momento de dificuldade econômica. Uma rede progride melhor do que uma organização fragmentada”, ressaltou.

O exemplo do Serviço Nacional de Saúde de Portugal foi apresentado pelo coordenador nacional para a reforma do setor na área dos Cuidados de Saúde Primários, Henrique Botelho. Ele destacou que Portugal conseguiu avanços significativos como o da redução da mortalidade materna em 96% e da mortalidade infantil de 58,6% para 2,5% entre os anos 1980 e 2011, apesar de o valor médio gasto por paciente em Portugal ser menor do que o de outros países europeus. “O objetivo final é passar de um governo hierárquico para redes matriciais”, disse Henrique Botelho.

O seminário tratou ainda do tema “AVC: o desafio da atenção integral e integrada”, abordado pelo neurologista e chefe dos serviços de neurologia do Hospital Geral de Fortaleza (HGF), João José Carvalho.  O neurologista ressaltou a importância de obter cenários da saúde para traçar planejamentos. É isso que está sendo feito no Estado, por exemplo, em relação aos casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC).

“O perfil de fatores do AVC aqui é completamente diferente do que existe no Chile, nos EUA ou na Europa”, disse. João José Carvalho destacou ainda a relevância da utilização do aplicativo SOSAVC, que além de acionar o atendimento de urgência, pode ajudar nas notificações de casos e nas orientações ao paciente e aos familiares.

O Programa de Expansão e Melhoria da Assistência Especializada à Saúde do Estado do Ceará (Proexmaes) foi iniciado em 2007 com o objetivo de ampliar o acesso aos serviços de saúde no Estado. O BID é o financiador do Programa, que agora vai entrar em uma segunda etapa. O Proexmaes II terá investimento de US$ 178,5 milhões, sendo US$ 123 milhões do BID e US$ 55,5 milhões de contrapartida do Estado. No Proexmaes II a meta é a melhoria da qualidade dos serviços em saúde, envolvendo investimentos em Tecnologia da Informação, capacitação de gestores e técnicos e a acreditação das unidades de saúde.

 

14.10.2016

Fotos: Assessoria de Comunicação da Sesa

Assessoria de Comunicação da Sesa
Cristiane Bonfim / Marcus Sá / Helga Rackel
(85) 3101.5221/ 3101.5220
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Expediente imprensa 10out-01