Ceará realiza maior número de transplantes cardíacos da história

20 de dezembro de 2016

Até o dia 20 de dezembro, foram realizados no Estado 32 transplantes cardíacos em 2016

O Ceará já garantiu o registro de um novo recorde de transplantes de órgãos e tecidos e, agora, os transplantes de coração atingem o maior número da história em um ano, a mesma situação dos transplantes de córnea e de medula óssea. Até o dia 20 de dezembro, foram realizados no Estado, pelo Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), unidade da rede Hospital de Messejanaestadual de saúde, 32 transplantes cardíacos em 2016, um a mais que os 31 realizados em 2008. Desde a implantação da Central de Transplantes pela Secretaria da Saúde do Estado, em 1998, o Ceará realizou 367 transplantes cardíacos.

O coordenador da Unidade de Transplante Cardíaco do HM, João David Souza Neto, destaca que o Ceará tem conseguido manter o número de cirurgias desse tipo e ajudado a capacitar equipes multiprofissionais de outros cinco estados por meio do projeto de Tutoria de Transplante Cardíaco, que completou um ano em novembro. “Conseguimos vencer obstáculos e contamos com a dedicação e o empenho dos profissionais para manter e até superar os índices de anos anteriores”, disse o médico.

Fila zero

Com 1.207 procedimentos em 2016, o número de transplantes de córnea é de longe o maior da história em um ano e fez o Ceará zerar a fila de espera de pacientes. “Fila zero” de córnea é uma meta estabelecida pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) e indica a situação em que o paciente que precisar de um transplante não necessita esperar pelo tecido porque ele já está disponível para a cirurgia. A lista de espera tem 25 pacientes aguardando transplantes de córnea. Nos últimos meses, foram realizados no Estado 136 transplantes em setembro, 161 em outubro, 140 em novembro e 25 em dezembro, até o dia 19. “Considerando os dados, o Ceará está com sua lista de córnea zerada”, confirma o Ministério da Saúde.

Desde que foram iniciados em 2008, os transplantes de medula óssea aumentam ano a ano o número de procedimentos realizados. Este ano já são 91 transplantes, 66 autólogos e 25 alogênicos. O Ceará é um dos nove estados do Brasil que fazem transplante de medula óssea. O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), da rede pública do Governo do Estado, é responsável pela captação de doadores, cadastro e análises de compatibilidade, amostras e coleta de medula no Ceará.

No total, o Ceará realizou este ano 1.758 transplantes de órgãos e tecidos, distribuídos em 233 de rim, 32 de coração, 183 de fígado, 5 de pulmão, 91 de medula óssea, sendo 66 autólogos e 25 alogênicos, 1.207 de córnea e 7 de esclera. A lista de espera por transplantes tem 701 pacientes ativos – 14 para transplantes de coração, 142 de fígado, 506 de rim, 9 de pâncreas/rim, um de pâncreas isolado, 4 de pulmão e 25 de córnea. O Ceará, anualmente, fica entre os Estados que mais realizam transplantes de órgãos no país, com recordes sucessivos. Em 2013, com 1.365 transplantes no ano, foi batido o recorde anterior de 1.297 transplantes em 2011. Em 2014 foram 1.399 transplantes e, no ano passado, 1.433.

20.12.2016

Foto: Acervo / Governo do Ceará

Assessoria de Comunicação da Secretaria da Saúde – Sesa
Cristiane Bonfim/ Marcus Sá / Helga Rackel (85) 3101.5221 / 3101.5220
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Expediente imprensa 05dez 2016-01